Quem matou? Quem mandou matar? Projeto ABRAJI faz levantamento sobre assassinatos, em documentário

 

LINK: http://www.abraji.org.br/projetos/tim-lopes/

No sábado, 28 de outubro, às 16h30, a Abraji lança na sala 4 do cinema Caixa Belas Artes, em São Paulo, o documentário.

Os autores –  Bob Fernandes, Bruno Miranda e João Wainer – estarão lá para debater o tema e contar um pouco dos bastidores deste trabalho. A entrada é gratuita. 

QUEM MATOU?
QUEM MANDOU MATAR?

Política e polícia no assassinato de jornalistas

 Bob Fernandes (reportagem)
Bruno Miranda (vídeos)

Quase todos nas cabeças, tórax, alguns na boca: 36 tiros.

Assim foram assassinados os jornalistas Gleydson Cardoso de Carvalho, Djalma Santos da Conceição, Rodrigo Neto de Faria, Walgney Assis de Carvalho, Paulo Roberto Cardoso Rodrigues e Luiz Henrique Rodrigues Georges.

Gleydson, 36 anos, morto dentro do estúdio da Rádio Liberdade FM, em Camocim, Ceará, em 2015. Três tiros.

Djalma, 54 anos, sequestrado, torturado e assassinado no meio do mato em Conceição da Feira, Bahia, em 2015. Quinze tiros.

Dois anos antes, em Ipatinga, Vale do Aço, Minas, em intervalo de 37 dias foram mortos Rodrigo e Walgney. Três tiros para cada.

Em 2012, em Ponta Porã, Mato Grosso do Sul, assassinados Paulo Roberto, o “Paulo Rocaro”, e Luiz Henrique Georges, o “Tulu”.

Nove tiros para Paulo, três para “Tulu”. Mortos em fevereiro e outubro. A 50 metros de distância um do outro, na mesma Avenida chamada Brasil.

“Tulu” dirigia o Jornal da Praça, que tinha “Paulo Rocaro” como Editor-Chefe. Paulo era, também, Diretor do Site Mercosul News.

Nos demais assassinatos, acusação, indiciamento ou, no mínimo, suspeita de políticos ou seus familiares terem dado ordem para matar.

Em dois dos quatro municípios, policiais suspeitos, ou acusados de envolvimento nos assassinatos.

O Brasil tem outorgadas 14.350 emissoras de rádio, com 9.973 outorgas para emissoras nas áreas comercial e educativa e 4.377 para rádios comunitárias.

O jornalismo é quase sempre feito pelas rádios. À exceção de Ponta Porã, e do fotógrafo Walgney Carvalho em Ipatinga, demais assassinados trabalhavam basicamente em rádio.

Se no topo o país vive monopólios na indústria de comunicação de massa, imagine-se a fragilidade no Brasil profundo.

Emissoras e profissionais, muitas vezes em vão, se esforçam para não se tornarem reféns de anunciantes. Sejam eles de origem privada ou pública.

Em muitos casos, na prática o salário é obtido diretamente pelo profissional junto aos anunciantes. Essa, uma fragilidade extremamente perigosa. E não apenas para o jornalismo. Principalmente para os jornalistas.

Segundo o Committee to Protect Journalists (CPJ) 39 jornalistas foram mortos no Brasil desde 1992. Assassinos ou mandantes de 25 destes jornalistas mortos continuam impunes.

Jornalistas mortos no exercício da profissão são, na realidade, mais do que os listados nessa contagem.

Ao levantar casos de jornalistas mortos no exercício da profissão, o CPJ e a Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo (ABRAJI) têm tido prudência.

Prudência recomendável diante da imensidão continental do Brasil. E, além disso, das dificuldades em se definir com precisão: o assassinato se deu por motivos ligados ao jornalismo ou por ações pessoais alheias ao exercício profissional?

Limite por vezes tênue, como se verá em casos investigados em quatro reportagens que resultaram, também, em quatro vídeos.

O limite leva à prudência, mas não impede que se exija investigação e punição dos responsáveis seja em que caso for.

Essa, de resto, uma obrigação fundamental do jornalismo no país que tem assistido quase 60 mil mortes violentas a cada ano.

Quando estas reportagens e vídeos eram finalizados foi presa e indiciada Roseli Ferreira Pimentel (PSB), 44 anos, prefeita de Santa Luzia, Minas Gerais.

Presos também David Santos Lima, Alessandro de Oliveira Souza e Gustavo Sérgio Soares Silva.

Todos acusados de envolvimento no assassinato de Maurício Campos Rosa, 64 anos. Morto com cinco tiros em 17 de agosto de 2016.

Maurício era dono do jornal local “O Grito”, distribuído gratuitamente na região metropolitana de Belo Horizonte.

Quais, entre dezenas de casos, investigar e documentar?

Além do flagrar em regiões variadas a violência indiscriminada, generalizada pelo país, optamos por alguns critérios nessa viagem de 14.800 quilômetros pelo Brasil.

  • Gleydson, em Camocim, Ceará, por ter sido assassinado dentro do estúdio, quando entrava no ar. Crime com repercussão mundo afora.
  • Rodrigo Neto e Walgney de Carvalho, em Ipatinga, pela reação exemplar do jornalismo aos assassinatos.

Pressionado pelo trabalho de repórteres da região, e pelo Sindicato dos jornalistas de Minas, o governo estadual montou uma força-tarefa.

Os dois assassinos, um deles policial, foram condenados e presos. Acusados por outros crimes, 10 policias foram presos. Depois, pouco a pouco, foram libertados. Os mandantes seguem livres.

Em Conceição da Feira, na Bahia, o contrário. Ninguém preso. O delegado que investigou o crime já não está na cidade. Que seguia sem promotor, sem juiz, e sem Fórum.

Em Ponta Porã/ Pedro Juan Caballero, a feroz disputa do narcotráfico, com a presença de “Comandos” que, assim como Brasil afora, guerreiam e ocupam territórios.

Mortes e mais mortes, com máxima brutalidade, no meio de ruas e avenidas de duas cidades fronteiriças tornadas uma só. E assassinato por motivo político com envolvimento de personagens da narcopolítica.

Naquela fronteira, e demais municípios onde jornalistas foram assassinados, um mosaico do Brasil extremamente violento.

ARTIGO – O Horror bem diante de nós. E do nosso lado. Por Marli Gonçalves

0006Chega! Vamos parar com isso logo, que o tema não é brincadeira, nem para se falar, nem para se divertir com os amiguinhos da internet, tão mauzinhos que são, tanto quanto uns e outros gostam de gargantear, tão mascarados quanto os que estão nas ruas. Dá nojo. É o que dá. Sinceramente falando. Não somos animais para matar, torturar, esquartejar, muito menos para amarrar em postes. japanflag

Então, tudo era mesmo mentira? Nascida bons anos depois do pós-guerra cresci ouvindo uma promessa só, na qual até acreditava, mas está ficando cada dia mais difícil. Nunca mais o mundo permitiria novamente o horror, os genocídios, sempre haveria prevenção mundial; nunca mais o horror do holocausto, nunca mais o horror das matanças por diferenças sejam de nacionalidade, costumes, religião ou etnias. Nunca mais, nunca mais, nunca mais.

Onde é que ficaram essas promessas? Nos discursos dos líderes que nos dias seguintes costumam fechar a cara, ameaçar, lançar notas de solidariedade, e – invariável – marcar reuniões para discutir sanções? Pompas e circunstâncias, com ar condicionado, limusines, segurança extraordinária. Pose para a foto. Clic.

Do lado de fora, no entanto, bang, bang.

0001De quando nasci até hoje – literalmente, até hoje – são milhões de mortos por violências e violações em todos os continentes. Em guerras de poder, religião, territoriais. Aqui também matamos e morremos. Na Argentina, matamos e morremos. No Chile, também morremos mais que matamos. Na Colômbia, no México. E ainda nos chamamos humanos?

Todos os dias contamos baldes de mortos, na Síria, Egito, lá para os lados do Afeganistão, e agora na Ucrânia e, chegando perto, pertinho, da incongruência ditatorial, corre sangue nas ruas da Venezuela. A Rússia segrega. Cuba cala e esconde. A China censura. As Coreias se encarniçam. A África deixa morrer.smw63

Lição? Aprendizado? Qualquer imbecil que fale qualquer abobrinha pró-violência, inclusive contra pés-rapados que são, sim, problemas, mas da polícia, agora ganha até abaixo assinado de orgulhoso apoio. Os casos se repetem, pipocam, com requintes de crueldade que essa semana chegaram até a alimentar um formigueiro. O nome disso é barbárie. Justiça é outra coisa.tf2__soldier_is_living_in_a_box_by_zzandrazz-d4s7xnr

Problema é que não vivemos na mitologia, e esses relatos são reais. Prometeu roubou o fogo celeste para ofertá-lo aos homens. Foi condenado por Zeus a ficar acorrentado no alto de um rochedo, e aonde todos os dias um pássaro vinha comer-lhe um pedaço do fígado. Mas, vejam que até esta história teve um fim feliz: Prometeu foi salvo por Hércules que pelo que se nota tinha muita força, e bom coração.

Onde andará o nosso Hércules? Aquele que virá para inocular bom senso? Aquele que desamarrará as cordas das ditaduras, dos exércitos perfilados, das ordens aceitas sem questionamento? Esperam que venha de onde? Um Papa é pouco, falando do púlpito, do balcão da Praça. Sua pomba branca da paz foi esmigalhada pelos gaviões numa simbólica imagem que vimos este mês. Prenúncio e afirmação desses tempos negros.

imagesRealmente perplexa com o que leio e ouço praticamente obrigada, mas ouço, porque os meus ouvidos e os olhos estarão atentos enquanto tiver vida, me surpreendo com as reações insípidas ao noticiário do dia-a-dia. Amanhã tem mais, e mais depois de amanhã. Parece sempre piorando esse mundo, desgovernado ou distraído. Pior: sempre dividido. Nunca teremos consenso?

Busco nas belezas dos esportes das Olimpíadas de Inverno a imagem mais simples do que estamos fazendo: patinando. Patinamos na política internacional. Patinamos nas reais mudanças de comportamento. Escorregamos feio ao propor violência, medo e ameaças para acabar com a violência, o medo e as ameaças. Patinamos. Patinamos tanto que todos os dias ainda sabemos de mortes e surras em mulheres que dentro de suas casas são agredidas e obrigadas a calar, por exemplo, quando pensávamos que nunca mais.

Patinamos. E escorregamos feio.

São Paulo, 2014. E isso não é Carnaval.

Marli Gonçalves é jornalista Justamente para poder bater nessa tecla todos os dias.

Beta439

********************************************************************
E-mails:
marli@brickmann.com.br
marligo@uol.com.br