ARTIGO – Raiva do nada, raiva de tudo. Mas não podemos babar. Por Marli Gonçalves

HomemMulherPauMacarao_gifPreste atenção enquanto é tempo. Raiva é sentimento ruim, que faz mal à saúde e especialmente ao fígado, de onde não podem sair suas explosões porque se perdem em violência desmedida. Estamos vivendo um momento muito delicado. Decisões não devem ser tomadas com a cabeça quente, mamãe sempre me dizia. Para não se arrepender depois do tarde demaisdoodle-style-ticking-time-bomb_small

Aprendi muitas coisas apanhando da vida. Continuo aprendendo, apanhando, mas sempre tentando evoluir, ter um prumo, certo equilíbrio, um mínimo de coerência. Para isso, antes de mais nada, como todos, preciso controlar a raiva. Todo dia, que raiva não é coisa que se cure de vez nunca. Aliás, convenhamos, nunca faltam coisas para nos dar raiva, muita raiva. O caso é como lidar com isso, quando o sapato está apertado, as bolhas estourando, e alguém vem e ainda pisa bem pisadinho. Garanto que tem tanto disso para cima de mim que chego a pensar que apertei- devo ter apertado muito – o pescoço ou outra parte de algum padre em alguma encarnação.

Raiva é querer quebrar tudo (se fizer barulho, estilhaçar, ribombar, então, quanto mais melhor! – Vira show), ficar com sangue quente, bater na mesa, chutar tudo pela frente, fazer cara feia, ser agressivo. Existe porque parecemos maiores, mais fortes e intimidadores quando estamos com raiva, mas isso é bobagem, e em alguns casos mais radicais pode ser apenas mera covardia. Cachorro que ladra não morde; se tentar, pode levar uma paulada. Cachorro com raiva é doença. Raiva em gente é sentimento que pode transbordar perigoso. Canaliza!

O Brasil está na corda bamba, em uma das piores crises de sua história, com as dificuldades se avolumando nas mãos de um governo incompetente e cheio de chupins. Mas digam-me do que adianta, dois, três pingados raivosos irem berrar impropérios na cabeça da presidente, nos Estados Unidos, se filmando para mostrar para a galera? Qual é o bem que faz sair xingando petistas em restaurantes e locais públicos? O que adianta enfiar menores na cadeia se nada é feito para ajudá-los a viver sem roubar, traficar, matar, e imitar os mais velhos? Do que adianta ficarem se xingando nas redes sociais, se ameaçando, inclusive escrevendo umas bombas que primeiro atingem a eterna e coitada língua portuguesa?

irritados-620x450Só aumenta a intolerância, e estamos andando para trás nesse quesito de forma expressiva.

Se a Marieta Severo é otimista, qual o problema? Se o Zeca Camargo achou excessivo o show em torno de uma morte do moço que – sim, uma parte do país não o conhecia, eu, inclusive – no que isso vai mudar nossas vidas? Por que mudar o nome das pessoas escrevendo com xingamentos, gostar e aplaudir quando algo de mal lhes acontece, desejar que morram? Isso não é humano. Não é sapiens. Isso é apenas ser troglodita.

raiva2Luz subindo, comida subindo, remédios subindo, tudo subindo. Dinheiro sumindo. Moro aqui, vivo em cidade grande que tem sido vítima diária da incompetência desses seres que andam corroendo nossas esperanças. Todo dia uma notícia ruim, esquisita, uma parte do tapete que se levanta mostrando muita poeira. Sei bem o que é ter raiva. Vivem me atiçando.

Mas descobri, dando uma estudada sobre ela, que é muito particular. O mundo exterior é apenas uma desculpa. A raiva começa e acaba na gente mesmo. Pode acabar até matando seu hospedeiro, há estudos e filosofias que garantem: raiva e outras emoções correlatas como o ressentimento, frustração, indignação, irritação, amargura e ódio, são estados emocionais que podem afetar muito o fígado, um filtro que fica, portanto, entupido, na minha simplista explicação.

Raiva é coisa séria. Se guardar, pode explodir, e sem qualquer controle. Se exalar, pode fazer uma catástrofe. Tem quem carregue raiva por tantos anos que vira deprimido, anda por aí devagar, fala até com voz suave, mas cheia de raiva por dentro que você percebe só no olhar. Mas como ninguém nem mais se olha!…

Pronto, dei a volta. Tudo isso só para dizer uma coisa: raiva não muda um país.

Não adianta só gritar, nem esculhambar. Tem de agir. E para isso precisaremos ter calma, muita calma nessa hora. Em política, até raiva é combinada, dizia Ulysses Guimarães, com toda a sua sabedoria.raiva

São Paulo, 2015

Marli Gonçalves é jornalista – – Pode ter raiva. Só não pode babar, nem espumar. Nem morder ninguém. Nem pensar que isso vai resolver esse problemão que enfrentamos.

********************************************************************
E-mails:
marli@brickmann.com.br
marligo@uol.com.br

POR FAVOR, SE REPUBLICAR, NÃO ESQUEÇA A FONTE ORIGINAL E OS CONTATOS

Amizade? Estou no Facebook.
Siga-me: @MarliGo

ARTIGO – Medo. Por Marli Gonçalves

medoA voz de pato, a cara borrada, cada vez mais medo, até para falar de assuntos banais agora há medo, presente, todo dia, toda hora. Qualquer lugar, raça, credo, condição social. Repare. Vivemos aterrorizados e não estou falando exatamente de fobias, dos medões, daqueles que só tratamento psicológico resolve. Trato do nosso dia a dia vivendo num país esquisito, de onde brotam vingadores, odiadores, e onde cruzamos no presente com gente sem passado e sem futuro

Devo mesmo ter morrido em alguma vida passada por golpe de arma branca. Veja só. Sou até capaz de brincar com uma arma de fogo, achá-las bonitas, revólveres, pistolas, fuzis. Manuseá-las sem problemas; com elas convivi desde criança. Mas só de ouvir falar em faca, minha espinha dorsal fica diferente – não sei bem como descrever, mas você já deve ter sentido isso – como se um líquido corresse em direção anormal por alguns segundos. Mais do que o frio na espinha. Sempre foi assim. Cheguei a pensar em fazer esgrima pra ver se ajudava, me livrava desse temor, para você ter uma ideia. Desisti.

Com isso posso declarar que estou absolutamente aterrorizada com o que está acontecendo no Rio de Janeiro e que peço a Deus seja estancada essa “tendência”, que não se espalhe como costumeiramente modas cariocas acontecem. Só esse ano, li em algum lugar, 167 pessoas foram esfaqueadas por lá, em assaltos e desinteligências, palavra de que gosto porque é objetiva no descrever da violência descontrolada.

medo...Mas se fosse “só” isso! Alguém está se dando conta que o medo invadiu de tal forma nossas vidas que está modificando a nossa própria história? O medo, gente, paralisa. O medo atrasa. O medo tira nossa criatividade e espontaneidade. O medo nos torna piores. Muito piores. Arredios. O medo mata. O medo cria, nos hábitos, uma série de círculos viciosos infinitos, infinitos até que chegue o finito, e quando ela chegue, a morte. Espero que “do outro lado” não existam medos.

A crise está nas nossas portas, o medo do desemprego, de precisar de recursos que não há. Não sair porque não pode gastar, mas também por medo de perder o pouco que tem. Viver tenso, de medo de ficar doente e sem condições de tratamento. O medo da violência geral grassando onde não há educação, saúde, estrutura nem infra, nem social, nem ética. Medo da própria família, do abuso da criança, da briga, do ciúme, da traição, da vingança. Do dizer e ser perseguido. Do não dizer e morrer calado, aos poucos.

Medo da facada pelas costas. Mesmo que sem faca, e sem sangue. Muitos de nós já a experimentaram e é terrível, porque nos mostra vulneráveis, porque nos derruba.

Ora, se a criança na escola é estuprada por outras crianças, se o asilo pobre, quase desgraçado, faz um bazar para pedir piedade pelo amor de Deus, e logo depois é assaltado, se quem devia proteger bate e arrebenta, como não ter medo? Do que não ter medo?

Só se for da chuva, do amor, de amar, da borboleta, do compromisso. Dos espíritos das pessoas boas que partiram e que sabemos que deles só podem vir coisas boas e proteção. Até as baratas, aranhas e outros bichos a gente pode dominar.

Mas não podemos dominar os homens, os governos, o poder. Ultimamente, não dá para perder o medo do escuro, de avião, de falar em público, da ameaça de dar uma entrevista para a tevê. Não dá pra deixar de temer o hospital, as agulhas, as facas dos cirurgiões, os ferrões dos pernilongos. Nem a solidão ou seu contrário, as multidões.medicine11

Uma simples faca pode zunir e furar, ameaçar, matar. Acabar de vez com o medo de alguém.

São Paulo, 2015

Marli Gonçalves é jornalista – – Espera jamais ter medo de escrever, nem de voar, principalmente na imaginação. Até para poder se esconder do medo no medo, mas no medo dos montes de areia que viram dunas, e que também se chamam medo.

********************************************************************
E-mails:
marli@brickmann.com.br
marligo@uol.com.br

POR FAVOR, SE REPUBLICAR, NÃO ESQUEÇA A FONTE ORIGINAL E OS CONTATOSAmizade? Estou no Facebook.
Siga-me: @MarliGo

ARTIGO – 50 anos da maldita e o resto de nossas vidas. Por Marli Gonçalves

brazilW_animadoQuem sabe, sabe. Quem não sabe, tem más intenções ou é burro mesmo, é que se sacode. Não estou gostando nadica de ver esse montinho de gente tentando reviver, mesmo que em pesadelo, um período tão pavoroso de nossa história. Pior, tentando botar Deus na roda. Aceite esse depoimento pelos olhos de uma criançabrazilB_animado

Nasci em 1958. Faz as contas aí. Então, em 1964 eu tinha só seis anos e nessa época de março daquele ano era apenas uma menininha pentelha, de Maria Chiquinha, indo para a escola pela primeira vez, abrindo berreiro (é, antes a gente não ia para a escola assim que saia da maternidade como agora).

agirlieDito isso, recorrerei necessariamente a uma forma muito pessoal para relatar o resultado, o clima e o tanto de mal que causou esse estrupício do golpe de Estado que o Brasil tomou na cabeça há 50 anos; esse buraco em que fomos jogados e que se reflete até hoje nesse nosso infeliz subdesenvolvimento, não só social, como político e econômico. Ainda hoje, 50 anos depois, minha memória de criança e, depois, de adolescente, se reativa com pequenos relances que certamente também marcaram você e o resto de nossas vidas. Se é jovem, nem me venha com muxoxos de “eu ainda não tinha nascido” – saiba que nada mais foi como antes e essa sombra da barbárie tão imortal como os vampiros nos aterroriza e suga até hoje. 50 tons de cinza, sem prazer de sexo; só o sadismo, que foi se infiltrando quando pintou de verde oliva o espaço político, dizendo-se em prol do nosso “bem”. Aqui, ó!

Da minha memória, ali na Rua Augusta, por onde minha mãe me arrastava para eu ir à escola, lembro do ambiente pesado, que só foi piorando à medida que eu fazia o primário. Antes era mais ou menos assim: pré-primário, um ano. Primário, 4 anos. Ginásio, 4 anos. E aí vinha o “Clássico” ou o “Científico”, já que o “Normal”, que formava as professorinhas, já começava a entrar em decadência. Em 1969 quando o caldo entornou de vez me preparava para minha adolescência. Não esqueçam que foram praticamente 20 anos de sofrimento, quase 20 anos totalmente de censura, maldade, mortes, torturas, exílios, desinteligências.

peace_rain_b_animadoAcredite: é daí que se acentua essa cultura que ainda temos, de corrupção, desmandos policiais, esquerda X direita – coisas que foram jogadas como sujeira para debaixo de um tapete que ainda teimam em levantar de vez em quando. Uma sujeira indelével.

Outro dia mesmo, revirando alfarrábios, achei os livros de Educação Moral e Cívica que éramos obrigados a decorar, capítulos inteiros de “organização política e social”, como era descrito. Enormes. Carregávamos para lá e para cá. Normas, ordens, ditames. E toma Hino Nacional entoado com a mãozinha pra trás todos os dias no pátio. Ai de quem saísse desse círculo de soldadinhos.

Quanta coisa não li, não aprendi, não pude conhecer, saber, viver. Nunca chegou aqui. E como tudo tem seu tempo, muito disso o pessoal de minha geração não conseguiu recuperar.JaneHunter-peace-can-you-dig-it

Relembro ainda que em casa, todas, tudo era meio sussurrado, e nossos pais, creio, temiam que se ouvíssemos algo, comentaríamos na escola, alguém ouviria, e a coisa poderia ser vista como conspiração. Vivíamos assustados. Até o nome de nossos bichos papões eram diferentes: era General isso e aquilo, um tal de Fleury. Qualquer batida na porta podia ser polícia. Se eu vivi isso, e meus pais não tinham nada de ativistas, imagino o que passaram outras famílias.

(A música era a Jovem Guarda, a Bossa Nova, o Fino da Bossa, os festivais da canção, protestos em forma de vaias).

A coisa só foi piorando e aos 11 anos, já em outra escola e morando em outra rua, as tais sombras nos envolveram de forma ainda mais tenebrosa. Vi amigos mortos pela Rota 66. Em uma semana matavam o Marighella que ainda fui ver, caído e baleado em um Fusca, na esquina de cima, cercado por homens que, para mim, em minha memória, usavam xadrez, paletó xadrez. Já devia até ter um pouco de jornalista no sangue, coisa que puxei de minha mãe, sempre curiosa. Tanto que dias depois, da janela ela assistia sem querer ao tiroteio, na esquina de baixo, em um dia de feira. Era o “justiçamento” (a esquerda chamava assim) de Henning Albert Boilesen, do Grupo Ultra, financiador da repressão que comia o couro de quem enfrentasse a ditadura.

Bombas explodiam. Deixadas em esquinas, enviadas pelos Correios. Ameaças eram comuns, alcaguetes se criavam como ervas daninhas. Primeiro prendiam, depois arrebentavam, depois perguntavam. A tirania, o desrespeito.

PEACRDLW_animadoFoi esse ambiente que, porque nasci em um ano de glórias, 1958, enfrentei. Não é de admirar que com pouco mais de 17 anos eu também já estivesse na luta, pelos direitos das mulheres, pela anistia ampla geral e irrestrita, pelas eleições diretas, pela volta dos que foram, com o movimento estudantil, nessa que foi a segunda fase antes do fim da ditadura. Menos cruel, e até mais vitoriosa porque levou, enfim, à abertura.

31 de março de 1964 não é data que se comemore. É data para que nunca mais, nem em pensamento, nada daquilo retorne, aconteça o que acontecer. Nosso país já nunca mais será o mesmo, nem que se retorne à gloria de uma seleção campeã, que possa se sobressair.

Perdemos 20 anos de nossas vidas, que não voltam jamais. Nem para quem ainda nem nasceu.

São Paulo, 2014 ARROW_animado

Marli Gonçalves é jornalista Escreveu esse texto com um terrível aperto no coração.

********************************************************************
E-mails:
marli@brickmann.com.br
marligo@uol.com.br

Mais esta: gás brasileiro faz o mundo chorar. Sabia que exportamos as belezinhas, com bandeirinha?

http://platform.twitter.com/widgets/hub.1324331373.html

fonte: Blog do Gabeira – www.gabeira.com

Brasil e a exportação da morte, por Fernando Gabeira

Deputados e senadores estão de férias. Não podem ouvir o ministro Fernando Bezerra sobre as chuvas, nem perguntar por que o Rio construiu apenas uma das 75 pontes quebradas.

Mas não podem também se informar sobre uma denúncia publicada hoje no Globo, em matéria assinada por Rasheed Abou-Alsamh.

Segundo ela, o gás lacrimogêneo exportado pelo Brasil matou um bebê no Bahrein e está aterrorizando a oposição xiita que luta por uma monarquia constitucional.

O gás brasileiro, produzido em Nova Iguaçu, pela Condor Tecnologias não Letais, vem numa lata prateada e ostenta a bandeira nacional.

A empresa nega que seu produto seja venenosa e afirma que as negociações são controladas pelo Ministério da Defesa e das Relações  Exteriores.

São dois ministérios respeitáveis. No entanto, no que diz respeito à exportação de produtos bélicos são também muito fechados.

Percebi isso, na luta contra a exportação das chamadas bombas cacho(cluster) que produzem inúmeras mortes de crianças, porque parecem brinquedos e nem sempre explodem quando lançadas.

Tanto o Itamaraty como o Ministério da Defesa são reticentes em especificar as exportações brasileiras, afirmando que isto preserva também a segurança dos clientes.

Há um certo orgulho em exportar gás lacrimogêneo pois a bandeira do pais está exposta na lata. Outro tema que merecia ser melhor discutido.

Não falamos sobre essas exportações abertamente, mas elas saem daqui com a bandeira nacional.

Possivelmente, as bombas de gás foram exportadas para a Arábia Saudita e de lá ganharam o Bahrein. Quem nos garante que as bombas cluster, condenadas mundialmente, não fazem também trajetos sinuosos e imprevisíveis?

Ser acusado da morte de projeteis   ostentando a bandeira nacional não é bom para o Brasil. Mas quem responde pelo pais, nesse caso? O Congresso está de férias, o governo às voltas com as enchentes.

A única saída é registrar isto e afirmar mais uma vez sobre esse tipo de política externa: não em meu nome. Esse Brasil com a bandeira na bomba de gás é o pais da maioria, dos ministros blindados, da sede de exportar, mas nem sempre me representa.

COMENTÁRIO MEU:

A mim também não representa, caro amigo.

E lá se vai Realinho

DO ESTADÃO, MATÉRIA DO MAYRINK. VEJA LINK MAIS ABAIXO.

Jornalista Reali Júnior morre em SP

Reali foi correspondente em Paris durante quase 38 anos. Colaborou para o ‘Estado’

José Maria Mayrink – O Estado de S. Paulo

Morreu neste sábado, 9, em São Paulo, aos 71 anos, o jornalista Elpídio Reali Júnior. Reali Júnior morreu às 8h, em casa, de enfarte. O velório será às 19h de hoje, na rua São Carlos do Pinhal, 376, Bela Vista, em São Paulo. O corpo será levado, às 15h deste domingo, para o crematório Vila Alpina.

Correspondente em Paris durante quase 38 anos, Reali Júnior começou a trabalhar como repórter da Rádio Jovem Pan aos 16 anos de idade. O adolescente que entrava no gramado para entrevistar os jogadores de futebol com um enorme gravador nas mãos ganhou o apelido de Repórter Canarinho que logo lhe deu projeção Brasil afora. Nascido em 1939 em Bauru, onde passou os primeiros anos da infância, sempre manteve elos com a cidade natal. Foi ali que conheceu Pelé, o menino Édson Arantes do Nascimento que se destacava no Baquinho, time infantil do Bauru Atlético Cube. Reali era filho de pai de raízes italianas e de mãe descendente de baianos, família de costumes rurais na fazenda Tibiriçá, sustento da família.

Depois de fazer o primeiro ano do curso primário em Santos, onde seu pai, Elpídio Reali, delegado de polícia e mais tarde secretário estadual de Segurança trabalhou, Reali mudou-se para São Paulo, na Vila Nova Conceição, então um bairro de chácaras de legumes e flores. “Minha turma era da pá virada”, contou o jornalista em depoimento a Gianni Carta em gravação para o livro Às Margens do Sena (Ediouro, 2007), lembrando a disputa da criançada na caça aos balões que caíam num eucaliptal da Avenida Indianópolis. Era o goleiro do time de futebol de rua – “não era um craque, mas era o dono da bola”.

Reali tinha 14 anos e Amélia tinha 13, quando começaram a namorar. Estudavam em Higienópolis – ele no Colégio Rio Branco e ela no Sion – saíam para um cineminha e comer um macarrão no centro da cidade, naturalmente escondido dos pais. “O primeiro beijo foi na bochecha”, recordou Reali, mais de 50 anos depois. “Até hoje estamos namorando”, acrescentou. Ao conseguir o emprego na Jovem Pan, então Rádio Pan-Americana, já estava pensando em se casar. Casaram-se em janeiro de 1961 e já tinham suas quatro filhas – Luciana, Adriana, Cristiana e Mariana – quando se mudaram para a França.

Reali era repórter de rádio, mas trabalhou também em jornais e participou de programas de televisão. Seu primeiro jornal foi o carioca Correio da Manhã, sucursal de São Paulo. Depois foi para a sucursal de O Globo e escreveu para os Diários Associados, sem nunca abandonar a Jovem Pan. Na madrugada de 1.º de abril de 1964, no golpe militar, estava ao lado do governador Ademar de Barros no Palácio dos Campos Elísios – um dos poucos repórteres que conseguiram entrar. Nos anos seguintes acompanhou todos os principais fatos políticos do País, ao mesmo tempo que cobria outros assuntos.

http://www.estadao.com.br/noticias/nacional,morre-em-sp-o-jornalista-reali-junior,704026,0.htm?p=1

Reynaldo de Barros, ex-prefeito morreu. Soube só pelo blog do Eduardo Reina. Nossa!

 

O ex-prefeito de São Paulo Reynaldo Emygdio de Barros morreu na última sexta-feira, dia 4, aos 79 anos. Ele estava internado no Hospital Sírio Libanês. Sobrinho do ex-governador Ademar de Barros, Reynaldão, como era conhecido, também foi secretário municipal nas gestões de Paulo Maluf e Celso Pitta. Administrou a capital no período de 1979 a 1982. A família de Reynaldão preferiu o silêncio. Seu corpo foi cremado na própria sexta-feira.

http://blogs.estadao.com.br/eduardo-reina/2011/02/15/morre-o-ex-prefeito-de-sp-reynaldo-de-barros/

Enquanto isso, no Rio de Janeiro…

Texto do Blog de Fernando Gabeira, hoje.

No meio do caminho, uma cabeça cortada

Carros queimados, onda de arrastão, uma cabeça cortada na rua: indícios de que a segurança pública no Rio enfrenta um novo desafio e o governo, como sempre, conta com uma certa apatia política para se fingir de morto.

Uma das principais características desse novo momento é o componente terrorista. Tanto os carros incendiados, como, principalmente, uma cabeça cortada, são mensagens de terror. Muitos vão dizer: afinal era a cabeça de um traficante chamado Parazão, por que se preocupar com isto?

Acontece que conheci muitos relatos de cabeças cortadas no Haiti e elas têm sempre o objetivo de aterrorizar. Num momento determinado, apareciam na porta de escritores, políticos. Não é o caso no Brasil. Mas aqui também se queria intimidar, de forma mais ampla, com a repercussão na imprensa. Se o governo não vivesse também essa letargia política, iria tratar esses novos casos, sobretudo o da cabeça cortada, como um ato de terrorismo.

Perceber que o tráfico está usando táticas de guerrilha e usando o terror como forma de luta, significa modificar suas próprias táticas, usar inteligência, antecipação. Mas sobretudo pedir ajuda. O Brasil não tem uma sofisticada política contra o terrorismo mas é consenso de que é também uma questão nacional. Por que não articular com os órgãos federais?

As UPPS tiveram êxito, não questionamos este aspecto. Mas toda política bem sucedida ou não costuma implicar em efeitos colaterais. Isto é válido também para a atividade manual e cientifica dos seres humanos. Daí a presença constante na literatura do mito de Pandora, a deusa da invenção.

Pandora foi enviada a terra por Zeus, para punir a transgressão de Prometeu. Pandora ao mesmo tempo em que inspira grandes talentos, pode produzir novos fenômenos. Daí a expressão, Caixa de Pandora, que se refere aos efeitos colaterais da invenção humana que, às vezes, espalham dores e medos.

As UPPs são uma tática correta mas a cabeça cortada saltou da Caixa de Pandora. Daí a necessidade de, pelo menos, reconhecer um novo momento. Sem isso, fica no ar apenas o terror.

http://www.gabeira43.com.br/index.php/category/blog/