ARTIGO – Substituídos, por Marli Gonçalves

   chevaux-63Vivemos vendo ser feito, toda hora. Também fazemos. E até nós próprios acabamos sendo substituídos, ou substituindo – coisas, atos e hábitos, pessoas. A cada vez a velocidade é mais alucinante. O que nos leva quase a ser descartáveis, recicláveis. Tem um lado bom. chevaux-04

Uma coisa trocada por outra. Uma pessoa trocada por outra. Nada mais é indispensável? “Ninguém é insubstituível” é uma das máximas mais cruéis que conheço. Tanto que tem até livro de autoajuda para quem se sentir largado não sofrer tanto, e pelo que vi vendeu igual água. Nele se encontram pérolas como “Se os seus projetos não saturarem a sua emoção, você não terá perseverança para executá-los”. Enfim, como cada um entende mesmo o que quer do que lê…

Na doidivana loucura do cotidiano esse assunto entrou na minha pauta, acreditem, quando passaram por mim dois PMs motorizados. Imediatamente lembrei-me da cavalaria e do garbo com que seus cavaleiros desfilavam, mesmo quando estavam correndo atrás da gente em passeatas contra a ditadura. Havia certa nobreza que adorávamos ver desfeita jogando bolas de gude para que escorregassem e se esborrachassem. Parávamos um pouco de correr deles só para dar uma boa risada de deboche; depois, sebo nas canelas!

Hoje há poucos montados. Montam em motos. E isso não só a polícia, como a população deste país e seus rincões. Cavalos trocados por bicicletas, depois por motos, carros, até chegar ao suprassumo dos enormes utilitários que inundam as ruas como símbolo de prosperidade. Os jegues, coitados, vêm sendo largados à sorte, nas estradas, famintos, um dos novos dramas particularmente lá no Nordeste. Outro dia, inclusive, vi um documentário que mostrava famílias inteiras amontoadas em cima de uma moto, até cinco pessoas e pessoinhas, sem qualquer proteção, causando congestionamento, mas de números de acidentados nos hospitais. Problemas que não há Mais Médicos que resolvam.family-dog-india-motorcycle-bike-1364575869c

chevaux-53A vida é uma sucessão de substituições. Esposas são trocadas por amantes que, esposas, acabam substituídas (ou substituindo). Tem muita gente trocando cachorro por gato, que dá menos trabalho. Por aí vai longe: conversas olho no olho são trocadas por celulares e outras traquitanas, algumas até com visor. Lembram quando pensávamos como seria quando pudéssemos ver a cara da pessoa do outro lado da linha? Parecia distante. Pois não é, foi?

Lembrei de quantas coisinhas mais do dia a dia foram substituídas sem que ninguém chorasse muito por elas: fusíveis, videocassete, LPs, CDs, fita cassete. Mudamos tudo, trocamos as coisas, às vezes até pensando em ajudar o planeta. O porco deve estar atento com seu focinho já que até as tomadas foram substituídas. Daqui a pouco vai ser tudo movido por digital, íris, força do pensamento. Toque por tique. Alhos por bugalhos.

olhinhosVAMPETAOs vidros já foram substituídos por plásticos. Os sabores e ingredientes reais por corantes e aromatizantes. Lá se foram velhos hábitos, até como o de ler jornais e revistas no banheiro, trocados por joguinhos infernalmente viciantes, ou momento para participação nas redes sociais – coisas permitidas pelo desenvolvimento do Wi-Fi que também acabou por libertar muitos das cadeiras e dos computadores fixos. Aliás, no banheiro houve muitas substituições: papel higiênico por mangueirinhas, sabonete em barra por espumas espumantes de limpeza, buchas por cremes esfoliantes.

É. Nada tem mesmo tem muita garantia de ser insubstituível. Nem ratinho de laboratório. Nem ator, atriz, tantos dublês prontos por aí. Técnicos são substituídos igual como se troca de cor de camisa – no futebol é uma loucura. Por aqui até médicos brasileiros vêm sendo substituídos, além de veteranos virando novatos, palavra em voga nos últimos tempos.

vovo lobo mauPor falar nisso, as palavras também foram substituídas. Nada mais é vendido; é comercializado. Fora o terrível “inicializando” dos sistemas de informática. Mas, se até – eu pelo menos não vejo faz tempo – muitos aposentaram as velhas palavras cruzadas!

Só que tem coisas que é bom ficar bem atento, e que estão galopantemente sendo substituídas.

Como os argumentos, trocados por ataques. Ou o caráter agora trocado pela competitividade desmedida para tentar ser o melhor entre os melhores aqui da terra, para debaixo da qual todos nós vamos (ou virando pozinhos, cremados, como quero ser). Momento quando seremos realmente substituídos. Mas talvez, dependendo do que fizermos, substituídos, sim, mas jamais esquecidos.

São Paulo, 2013

Marli Gonçalves é jornalista A crise faz que com várias substituições ocorram, às vezes até coisas trocadas por outras bem mais simplezinhas

********************************************************************
E-mails:
marli@brickmann.com.br
marligo@uol.com.br

2hrhekh

ARTIGO – A maldição do país sem foco, por Marli Gonçalves

Puxa, já passei de meio século vendo isso e nem preciso ser doutora para perceber que há algo errado com a gente, quando continuamos fazendo igual, errando e pisando em cima, sujando a sola do sapato. Já vimos coisas assim nos tempos escuros, quando eles precisavam encobrir mortes e atentados à liberdade. Agora os mesmos que deveriam lembrar disso também querem calar a massa, enevoar seus olhos, acenando com bondades que logo podem se voltar contra os feiticeiros e enfeitiçados

Qual será a de hoje? Todo dia de manhã, logo ao acordar, abro a porta sonolenta e pego o jornal para ver bem qual será – ou já foi – a bondade que o governo despejou no país que anda ao passo do Deus-dará. Anuncia-se medidas, mudam-se as regras, fazem troca-troca de letras, como quem assoa o nariz, tira piolho da cabeça, cospe no campo de futebol. O resultado, o planejamento, a criação de condições para o desenvolvimento e independência, o foco e compasso com o resto do mundo ficam para algum dia, talvez, quem sabe?

Esta semana vimos estarrecidos o anúncio da abertura de mais algumas porteiras para o caos das grandes cidades. À beira de uma importante conferência, a Rio + 20, onde poderíamos (deveríamos) tomar a dianteira com medidas interessantes e particulares de preservação, de vida, de melhores condições, o homem que cuida da Fazenda libera crédito para carros populares, propondo com cara de pão sem manteiga que assim o país fluirá.

Meu bem, meu bem! Supondo que eu seja uma pessoa boa, tanto quanto você que me lê: por acaso isso vai realmente, de verdade, ajudar alguém, claro, além da indústria automobilística? Pobres largarão tudo que estão fazendo e acorrerão em massa às concessionárias, com cartas de crédito dadas facilmente pelos bancos?

Mas a ideia que passa é a da palavra que já está me dando urticária: inclusão. Vou dizer logo que tipo de inclusão. Inclusão de mais malandros no mercado político; manutenção de outros tantos, pelo populismo; inclusão de mais gente devendo as calças nos sistemas, ou vendo onde vai dar para roubar mais, para se incluir também. Inclusão de mais possibilidades de criação de uma bolha grande, grande, pronta a estourar, e que somada a outras bolhas, como a de imóveis, crise de combustíveis, de vergonha na cara, pode acabar incluindo é todo o país numa barafunda.

Ora, se dava para baixar impostos incidentes, porque eles estavam tão altos até o presente momento? Porque já não podíamos produzir, incentivando a indústria, em níveis mais decentes? É mais ou menos assim, como diria minha mãe em sua popular e direta sabedoria mineira, aperta, aperta, aperta, que ele solta um pum.

Também não pensem que vai sobrar bronca só para o governo federal, que nada! Todo dia recebo mensagens, por exemplo, de como a segurança pública paulista está maravilhosa, como baixaram todos os índices – assaltos, roubos, seqüestros, latrocínios, teretetê – e ainda sobre quantos milhares de homens reforçarão o efetivo nas ruas. Só que no mesmo jornal que pego na soleira de minha porta, também todo dia leio sobre casos os mais escabrosos, assaltos mirabolantes, caixas eletrônicos explodindo, balas perdidas por aí. Agora, arrastão rola até em prédios de gente que tem menos, provavelmente, até do que quem assalta.
Tanto que os caras levam até o cachorro, como fizeram essa semana, deixando o dono inconsolável. Daqui a pouco vão levar o quê? As crianças? As empregadas, que são produto em falta? Comida da geladeira, produtos de limpeza?

Mas tudo será investigado rigorosamente, logo que der. Pegou a senha? Senta e espera.

Aí, não bastasse, chegam as ideias, algumas até internacionais (mas impraticáveis por aqui), de jerico. E toma leis para implantá-las! Que tal essa, do motorista que não respeitar a regra de manter o carro a pelo menos um metro e meio de distância dos ciclistas levar multa de mais de 500 reais? Vocês não estão vendo – desde já – os sabiás e bemtevis do trânsito com fita métrica por aí? Como temos grandes e largas avenidas, ruas, estradas, com espaço de sobra, organização social, educação e nada para fazer, podíamos também implantar leis que proibissem os malditos pombos de voar na nossa frente, ou atravessar a rua a pé como fazem, que proibissem as moscas de bater no parabrisa. Poderiam aproveitar e proibir também, enfim, que os motociclistas barbeiros continuem fazendo ultrapassagens pela direita, e que eles se mantenham, obrigatoriamente, a mais de 5 metros dos carros, poupando assim nossos retrovisores.

Se é para dar ideia estapafúrdia, podem contar comigo. Tenho um rol delas. A de incentivar o uso de bicicletas nas ladeiras de São Paulo, alugando-as por uma puta grana, sinto muito, já roubaram e implantaram dia desses.

São Paulo, campo fértil, 2012Marli Gonçalves é jornalistaQueria muito saber por que ninguém planeja mais nada. E também vai tocando o barco como pode, tentando seguir a procissão, carregando o andor.

************************************************************
E-mails:
marli@brickmann.com.br
marligo@uol.com.br
ATENÇÃO: Por favor, ao reproduzir esse texto, não deixe de citar os e-mails de contato, e os sites onde são publicados originalmente http:// http://www.brickmann.com.br e no https://marligo.wordpress.com
Navegar é preciso. Estou no Twitter, @MarliGo, Facebook, e no blog : Clica aqui, para ir lá no blog! Visite o site MARLI GONÇALVES – Onde você encontra tudo e muito mais
No Twitter, siga-me! “www.twitter.com/MarliGo
Aqui você encontra todos os artigos anteriores:www.brickmann.com.br