ARTIGO – Procura-se. Por Marli Gonçalves

 

Prepare-se. Há uma missão a ser cumprida pessoalmente nas ruas. Não dá para botar anúncio. As cidades ficariam entulhadas de cartazes se pudéssemos neles expressar tudo o que andamos perdendo ou só procurando; aliás, precisando desesperadamente procurar. E achar, mais urgente ainda. Sem recompensa.

Procura-se. Um presidente. Não é para agora, já, assim tipo tão imediatamente. Ainda temos alguns meses, mas são poucos – calcula – dá pouco mais de 500 dias. E vamos precisar procurar em tudo quanto é buraco para ver se surge alguém que preste, novo, um quadro político sério que surja depois desse expurgo geral a que assistiremos esquentar a brasa nos próximos dias com a revelação do conteúdo das delações.

Surgirão detalhes, cenas dantescas, certamente degustaremos algumas muito saborosas quando envolverem nossos desafetos, aqueles que a gente sempre achou que tinham culpa no cartório porque já enxergamos escrito Culpado na testa deles, como uma estranha tatuagem invisível que aparece só quando se joga a luz.

Ouviremos falar de valores inimagináveis até para quem habitualmente os tem, mas que não saberiam usá-los de forma tão irresponsável e imatura quanto alguns dos corruptos, esbanjando, se melecando vergonhosamente. Saberemos detalhes de suas compras, suas viagens, e especialmente saberemos para o que foram pagos, o que foi que venderam, o que fizeram para nos prejudicar para ganhar tanto. Qual foi o preço todo.

Não vai sobrar pedra sobre pedra. Só temo que seja tanta e tão volumosa a informação que virá que pode se perder despedaçada por domesticados e vorazes lobos da informação. Já vi acontecer. Pior é que também não dá mais tempo dessa saga ser lançada em capítulos, porque não temos mais esse tempo mantendo a cabeça fora da água para respirar com ondas tão agitadas.

Assim, voltando ao megafone: procura-se! Povo perplexo procura. País saqueado procura. Gatos escaldados procuram.

Procura-se também, aliás, um povo mais atento em quem elege. Daí o apelo para ligarmos todos os radares em busca de novos quadros que ainda possam vir a ser burilados nesses poucos dias que nos restam até as próximas eleições de 2018. Não podemos deixar que só vivaldinos, figuras execráveis como essas se apresentem com seus discursos de ilusões, vingança, grosseria, lero-lero. Eles já estão pondo as manguinhas de fora, mesmo ainda com a roupa cheia de lama respingada. Não queremos mais olhos esbugalhados, moralistas, reacionários, militaristas, bocudos, aventureiros, moscas mortas, sem vergonhas.

Temos de ter alguma chance de encontrar alguém. Pelo menos um rumo.

Aí você me pergunta por que eu não disse primeiramente “fora homi”. Porque creio que isso não vai acontecer; se acontecesse já iria ser a substituição do ruim que ficou no lugar da péssima, sendo trocado pelo pior ainda, dada essa atual linha de sucessão que se impõe no momento.

Para o tratamento de emergência, no entanto, depois de colecionar as sandices ditas ultimamente pelo atual e empertigado presidente, sobre todos os assuntos importantes e fatos que necessitariam de sua atuação e compreensão, culminando nessa da mulher no supermercado e no lar, proponho uma solução. Esparadrapo. Ampla distribuição e orientação para que preguem em suas bocas, em X.

Em boca fechada não entra mosquito. É melhor prevenir do que remediar. Ladrão de tostão, ladrão de milhão. Sucintos e sábios ditos populares.prcura se

20170227_154333Marli Gonçalves, jornalista – Por onde começamos?

São Paulo, 2017

__________________________

marligo@uol.com.br

marli@brickmann.com.br

@MarliGo

Anúncios

ARTIGO – Mulheres, sempre à beira de algum abismo. Por Marli Gonçalves

tumblr_n22lpobkUP1sltk8co1_500Muitas vão ler isso, virar a cara, fazer muxoxo, espernear, negar, dizer que estou exagerando, que não é tudo isso, mas nunca na frente de um espelho. A mais nova ridiculice, misto de tolice com ridículo, é ficar discutindo se qualquer tititi que tem mulher no meio é feminismo ou não. Aliás, ultimamente se afirmar feminista – e eu, já adianto, sou, até porque sei do que se trata – é equivalente a ser uma bruxinha. Errado

Pois repito: mulheres, sempre à beira de algum abismo. Sempre tendo que fazer uma escolha, tendo que se desdobrar especialmente mais, com a corda esticada no limite. Não pensem que é fácil falar tão duro, mas de novo essa semana vamos ouvir muito aquelas frases construtivas que inventaram dizer em nossos ouvidos e só não tão piores como as que aparecerão no Dia das Mães, que aí o jogo é mais duro ainda. O Dia Internacional da Mulher, 8 de março, não foi criado para vender rosas nem batons. É dia nosso, mas em outros sentidos, quando devíamos todos contemplar a situação, inclusive a sua própria situação, se for mulher. Só isso. Não é nem feriado; é simbologia. É dia criado para nunca esquecermos quando outras mulheres antes de nós começaram a se impor. Não precisa mudar nada se achar que está tudo bem. Ok? Calma. Ninguém quer brigar.

walking-woman

É certo ainda que novas formas sexuais híbridas começam a se apresentar bastante influentes, e mudando a paleta de cores do que é ser homem ou ser mulher. Há variações. No caminho o povo vai se acomodando onde lhe aprouver, tantos homens quase mulheres e mulheres quase homens, numa interessante gradação. Que acomoda a todos.candystriper_pushing_pregnant_woman_hg_clr

Mas repito: ser mulher é mais complexo, essa coisa de ser geradora, fabricante de outros humanos, importa sim. Mas não é fundamental, até porque entre nós há as que não querem fazer ninguém. É mais complexo na coragem, na força que tira sabe-se lá de onde quando acuada, nas escolhas de sofia que faz praticamente todos os dias, nem que seja escolhendo o cardápio da casa, ou a cor de seus sapatos. Se vai prender ou soltar os cabelos. Cheguei à conclusão de que as mulheres sempre têm muito mais o que decidir. O dia inteiro, toda hora. Sinto na pele.

A mulher tem de sobreviver, nascer, crescer, ter orgasmos, ser feliz, bonita e disponível, compreensiva, dedicada, delicada, ao mesmo tempo que está na máquina de moer carne do mercado. Ainda tem que esperar que percebam que é dona absoluta de seu próprio corpo, não está disposta a assédios brutos. Sem autorização, jamais toque numa mulher, nem pegue nos seus cabelos – ela pode se transformar em uma onça. Eu, pelo menos, até afio as garras.

womanHá muitos paralelos. As meninas do movimento #vaitershortinho nos lembram vagamente o que foi a polêmica da minissaia, os 20 centímetros acima do joelho que mudaram uns rumos, desnorteando revolucionários. Hoje são outras coisas as solicitadas e fundamentais. Vamos lá. Outras igualdades, se é que ainda poderá haver algo igual a outro analisado do ponto de vista de gênero.

3d animasi woman playing violin animated human animation could be wallpaper and screensaverVamos organizar melhor essa batucada.

Outro dia li e fiquei muito contente com a notícia de que a Marilia Gabriela vai fazer um novo TV Mulher, reeditar a ideia básica. Vai sair coisa boa daí. Multifacetada, ela acompanhou todo esse tempo a que me refiro, que não é muito, mas já são décadas. Vamos poder conversar melhor – espero que façam as mesmas boas pautas de outrora. As sexólogas também deverão ser muito mais arrojadas do que eram a Marta Suplicy e outra famosa da época, também Matarazzo, a Maria Helena, que lembro como mais conservadora.

Vamos, por favor, continuar comentando, observando, fazendo. Nos encontraremos todas à beira de nossos abismos pessoais, e onde acabamos sempre por mergulhar, no mínimo para ver no que dá.
Mulher é curiosa.

SP, 2016 programmer_woman

Marli Gonçalves, jornalista Estamos em um momento muito pulsante, que não requer divisões, mas homens e mulheres com atitude. Ah, outra coisa, antes que esqueça: se me xingar de feminista eu gamo, entendeu?

********************************************************************
E-MAILS:
MARLI@BRICKMANN.COM.BR
MARLIGO@UOL.COM.BR

POR FAVOR, SE REPUBLICAR, NÃO ESQUEÇA A FONTE ORIGINAL E OS CONTATOS

AMIZADE? ESTOU NO FACEBOOK.
SIGA-ME: @MARLIGO

———————

Só para registrar que a presidente mulher pouco nos adiantou, a nós, as mulheres

Nota da coluna de Aziz Ahmed – O POVO-rj

Casas da Mulher

women35

Woman_boxer_2

A informação é da Agência Lupa (@LupaNews). Assim
como Eduardo Paes, que prometeu e não criou as
Casas da Mulher voltadas para as vítimas da violência,
a presidente Dilma, em agosto de 2013, disse que
pretendia construir 27 casas, “uma em cada unidade
da federação”.

Só que, até hoje, apenas duas foram
construídas: uma em Brasília, e a outra em Campo
Grande.

ARTIGO – Deputada, faça-me o favor. Por Marli Gonçalves

mulherzinha espertamulherzinha rebola com bandeiraVou te contar, viu? Tanto sangue derramado, tantas e tantos mártires, ainda falta tanto para a gente, nós, mulheres, nós, homens, conseguirmos, todo dia, tanta coisa para olhar e uma deputada dessas perde tempo para mobilizar outras e pedir lei ou regra de costumes para proibir decote? Minissaia? Impor até cor de tênis? Ah, vá se catar.

Um desserviço para a causa feminina, qualquer que seja ela.

Vá se catar! Vão, vão se catar todas as outras múmias que apoiam esse projeto ridículo da tal Cristiane Brasil, do PTB do Rio de Janeiro! Pior: ainda tentam explicar. Aproveitem e levem com vocês aqueles moralistas do pau oco que ousam ocupar o Parlamento como templo. Ficam lá pondo as mãos para cima e saudando o Senhor de um lado, e roubando a senhora de outro. (Duplo sentido necessário). Não esqueçam os de cabelos acaju, que vocês também devem achar um horror! Proíbam-se os cabelos acaju no recinto!

A gente brigando para que mais mulheres se interessem pela política, tragam suas ideias e contribuições e me aparecem essas zinhas preocupadas com outras que andam malemolentes nos mesmos tapetes que elas pisam? Façam-me o favor! O lodaçal mancha os carpetes verde e o azul do chão do Congresso Nacional, com grande parte de seus membros na berlinda, e vocês estão preocupadas com os peitos e a bunda, o umbigo e os pés e as pernas de quem transita aí. Estão malucas? Aliás, Dona Cristiane, como vai seu pai, o Senhor Roberto Jefferson? Já foi consertada a tornozeleira eletrônica que ele quebrou outro dia tomando banho em casa, onde cumpre prisão domiciliar? Por que tanto esforço para se distanciar deste seu entre vírgulas? “Cristiane Brasil, filha de Roberto Jefferson”… Vai ser sempre isso, porque não será com ideias como essa de agora que você vai sair da sombra dele e muito menos virar líder política respeitada. Também não adianta aquela cara de loura simpatiquinha de meia tigela que exibe nos comerciais, dos quais se apossou, do seu partido, que um dia foi até importante, mas agora nem mais graça tem, nem honra sua história.women40

Idiota, não percebe que a liberdade é nosso bem maior? Pergunta aí pro coroa, veja o valor que deve dar a ela e à vida- ele é bem mais interessante e antenado do que você, quase posso garantir. Acorda, vê se ainda dá tempo de fazer alguma coisa que presta aí. Faça por merecer ao menos carregar Brasil no nome.

Detesto moralistas. Porque me parecem sempre pessoas com uma reguinha na mão tentando medir o mundo pelos seus olhos podres e desfocados. Fora isso, puxa, tanta coisa importante para as mulheres deixadas de lado. O direito ao seu próprio corpo, o mais importante, como vai passar por parlamentares mesquinhas, que não querem ver nem a pele das outras, numa discussão séria?

O exemplo chato está sendo dado por uma presidente que cada vez que se mete em encrenca, como faz dia após dia, dá um jeitinho de informar ao distinto público que é mulher e que por isso é combatida. Bota até saia e passa batom nessa hora.

Fica chato. Não misturem essas coisas, por favor.

Mulheres importunadas, violentadas, assassinadas, sem assistência para si nem seus filhos. Mulheres ainda ganhando menos que homens na mesma função. Meninas exploradas e traficadas. E você preocupada com as roupas que as “gostosas” daí usam?

Dignidade feminina não é isso. Tenham alguma, deputada, deputadas.

womenSão Paulo, setembro de 2015.

Marli Gonçalves é jornalista Fica brava quando vê gente que pode fazer não fazendo.

********************************************************************- E-mails:
marli@brickmann.com.br
marligo@uol.com.br

POR FAVOR, SE REPUBLICAR, NÃO ESQUEÇA A FONTE ORIGINAL E OS CONTATOS

Siga-me: @MarliGo

ARTIGO – Vamuquivamu. Por Marli Gonçalves

Walking graphicsAntes, quando me perguntavam se estava tudo bem, respondia habitualmente até sorridente: “Tudo sob controle”. Achava que definia bem, nem bem sendo a Poliana, nem bem sendo Cassandra. Um meio termo. Ultimamente não dá mais, porque não há nada nada sob controle a não ser a própria imprensa, de certa forma. Então passei a responder: “Vamuquivamu, vamuquivamu”. Diz tudo, né? Se quiser adotar também, fique à vontade. Não vou cobrar.Tudo bem por aí? Sinceramente estou aqui torcendo para que a sua resposta seja que sim, está tudo bem. Mas por mais otimista que eu seja – e sou – temo muito que a partir de agora você também vai é pensar bem e usar e começar a responder vamuquivamu. É educado, tem até certo humor, embute, mas não aceita, uma resignação do momento nacional. O “fazer o quê”? É o que temos no momento. Mudar requer esforço e está todo mundo cansado dos mesmos e mesmas, inclusive dos mesmos assuntos que parecem jamais ter solução – ano após ano. Parece que somos movidos a manivela. Quebrada. Descarrilhada, inclusive; tem coisas que, ao invés de melhorar, progredir, modernizar-se, estão andando para trás com assustadora rapidez.Walking graphics

Eu mesma me sinto a própria Penélope tecendo o pano da vida de dia e desmanchando depois, mas o meu próprio sudário, sempre à espera do grande amor, do meu “Ulisses”, enquanto isso mergulhando e emergindo de relações frustrantes, navegando. São muitas primaveras, verões, outonos, invernos, aguardando. Vamuquivamu, mas Vamuquivamus! Tem movimento. Ação. O ir. O mexer o traseiro, tirá-lo da cadeira, ligar o motor.

Nosso país, aí, sempre enrolado em sua própria história. À espera de que o bom senso recaia sobre a mente humana, e que todos se deixem ao menos viver em paz. Mas não param de surgir guerras, estúpidas, algumas íntimas entre quatro paredes, outras gritadas aos quatro cantos e sete ventos, tentando chamar a nossa atenção, nosso olhar.

Coisas assim. Não podemos calar sabendo todo santo dia que uma mulher, ou várias mulheres, porque agora tem dia de sabermos de mais de duas, três, foi assassinada com requintes de maldade porque disse não, não quero, vou embora. Esquartejadas, apedrejadas, espancadas, massacradas. O noticiário diariamente apenas chama de crime passional, ou seja, crime motivado pela paixão (e por total falta de controle emocional). Se esquece o assunto quase como se o crime então tivesse uma justificativa. Pergunto: que paixão é essa que extermina? Tanta luta pela independência da mulher, por busca de espaços, pela liberação da sexualidade, para ainda ver tanto sangue, tanto preconceito, violência, tanta discriminação, ouvir tantas bobagens? Como saber de homens achando que mulheres vendendo-se por moedas podem ser sinceras com os que as pagam para se submeter, e que isso seria ideal? A mulher ainda sendo vista como cidadã de segunda classe? Pior é que maio é mês de aguentar firme tudo quanto é tipo de pieguices à mulher relacionadas. Toma Dia das Mães e bochechas rosadas e risonhas; rios de perfume barato como sugestão junto com eletrodomésticos, para que ela se mantenha domesticada. Toma Mês das Noivas com todo aquele ritual que diz sim e casa junto com os nubentes, alegrias, gastos e gastos, finais nem sempre felizes.Walking graphics

Ter que aguentar tontas famosas – como é que é, mesmo dona? A tal Paglia que se diz feminista que não é feminista, coisa confusa parecida, vir falando em obrigatoriedades de ser mãe, carinhos, nheco-nheco, pi-ri-ri. Que mulher deve ser maternal e parar de culpar o homem? Essa estudou, estudou, para não entender é nada.

Isso é outra coisa que anda me enchendo. Os que acham que porque podem ficar praticamente a vida toda estudando, mestrando, doutorando, são melhores, superiores aos outros, que estão na prática, pisando no chão, e já quase respirando por aparelhos, com máscaras. Quantas vezes passam por mim insistentes teses, o que dá vontade danada de mandar, bem, deixa para lá, melhor não dizer para onde. No jornalismo que se esfacela a olhos vistos isso tem sido comum. Lindas “formulações” em inglês entre pessoas que mal sabem falar e escrever o português, mas ficam discutindo “a utilização racional da semiótica aplicada à convergência comum das mídias e à estratificação dos parâmetros para o tabelamento digital de tecnologias múltiplas e multifacetadas”.

Podiam catar coquinhos, ou se quiserem ser mais “internacionais” podem ser coquiles.

Mas vamuquivamu. O show sempre deve continuar. A gente tem de conseguir sair desse atoleiro gigantesco, providenciar soluções, executá-las.

Para poder logo, o mais rápido que nos for possível, voltar a responder ao cotidiano Tudo bem? – Tudo sob controle. Relativo. Mas sob controle.

E que possam começar a surgir novidades, aparecerem novas propostas e desafios, convites, para podermos voltar a usar o vamuquivamu! para algo bem melhor.

São Paulo, maio despontando, 2015

 Marli Gonçalves é jornalista – – Totalmente passional. Pela vida. Pela alegria. Pela liberdade. Por ideias arejadas.

2 de março, a partir de 19 hs, Bar Balcão, Sp. Anotou? Encontro com Solange Padilha, uma mulher fantástica e poemas de uma vida intensa

Convite Solange (1)

 

” Los poemas de Solange Padilla contienen desvíos inesperados.

Incitan a volver sobre la letra armando nuevos sentidos, bifurcaciones, suspensos. 

Se asemejan al fluir de una memoria legendaria que atesora esquirlas de lo vivido. 

Hay en ellos precisión, anhelo, palabras conceptuales escogidas al ritmo

de una melodía de salvaje ternura.

 “Que quieras dejarme de querer /

 no es culpa tuya / 

ni mía / 

escapa al dicernimiento / 

escapa porque es grande.”

 Escrita labial seduce por su compleja armonía hecha de inspiración y cautela

en un estilo cuasi onírico.

 “Pensando el cambio de paradigma /

 un nombre de clara textura /

 sin sobrenombre / 

sin erudición /

 así / 

destraba(n)do la lengua.

 

  • Felicitaciones querida Solange!”

Liliana Heer

ESCRITA LABIAL PROSA E VERSO O GLOBO DE 27 DE DEZEMBRO DE 2014