#ADEHOJE, #ADODIA – FOI DADA A LARGADA

#ADEHOJE, #ADODIA – FOI DADA A LARGADA

Aqui do meu posto de observação, além de desejar um Feliz Ano Novo a todos, quero pedir calma. É muito chato: qualquer coisa que a gente fala vem alguém dizer que estamos falando mal do novo presidente Jair Bolsonaro. Amigos!!! O mundo é maior do que isso. Como disse, unha encravada não é culpa do Bolsonaro. O salário mínimo péssimo que ele sancionou já era péssimo. Mas precisamos ficar atentos aos discursos que foram feitos durante a posse, alguns belicosos e sem sentido (socialismo? Onde?). Michele Bolsonaro foi a estrela da festa. Legal. Mas vamos acompanhar, porque mais masculino do que esse governo está difícil de ver. Enfim, foi dada a largada. Os ministros tomaram posse.

ARTIGO – Mergulhe. E volte sempre à tona. Por Marli Gonçalves

 

Talvez chova, talvez faça Sol. As previsões para 2019 são, um pouco como todas as previsões, poços de esperança para a gente mergulhar. O que encontraremos só saberemos vivendo, tentando manter a cabeça fora d`água para respirar. O ruim é que quase sempre tomamos um caldo no caminho

Lembro de pequena – na época era assim, na marra, a tal educação – minha mãe me levar para perder o medo do mar. Praia de José Menino, Santos, São Paulo. Até hoje penso no medo, e o que é pior, na forma com que ela, assim agindo, conseguiu foi me dar mais medo ainda. Num instante, me deu o tal caldo, mergulhou minha cabeça, certamente contra minha vontade. Foi horrível. Aquela água salgada que engoli, mas voltando à tona e reagindo. Levei anos, muitos, para me livrar desse medo, finalmente aprender a nadar, e mesmo assim não costumo me aventurar muito para longe do solo mais seguro, a areia.

Mas fiquei esperta para a vida, as marés, as águas salgadas, os mergulhos, tantos que ao longo da vida todos nós encontramos, e de onde temos de fazer tudo para sair da melhor maneira possível, mesmo que com alguns arranhões. Há um paralelo entre esse fato e tudo o que enfrentamos ano após ano, e que acaba sendo aprendizado de sobrevivência.

SEREIA NADANDOTemos de enfrentar, ir, mergulhar, percorrer, senão como saber? “Se não fui acho que deveria ter ido”; depois pode ser tarde. A vida é imprevisível tanto quanto pode ser. Penso se não é essa angústia que aparece nessa época, de final de ano, entrada de outro.

A gente pensa se vai de roupa nova, qual cor, a cor da calcinha, faz listas de metas e decisões, e revisa o que fez exatamente da mesma forma no final do ano anterior. Se alegra com o que obteve, repete na lista atual o que faltou, acrescenta desafios. Meia noite, uma hora da manhã por aqui nesse horário de verão que muda o tempo, depois de saber que o resto do mundo já chegou no Ano Novo. Corre! Depois de poucos dias, engolidos pela realidade, algumas metas passam a ser de tempos menores, um mês, uma semana, 24 horas. Nadando para alcançar alguma margem segura.

Lá vamos nós. Será um ano de novidades, especialmente pela chegada de um novo governo com muitas pessoas diferentes das habituais, e das quais temos poucas referências, e algumas que temos são bem preocupantes para quem já tomou um caldo. Já teve a cabeça mergulhada. Resta apenas que a gente espere. Mas agora, com mais segurança, com a sabedoria de quem já viveu para ver e até pouco se surpreender com o quanto tudo ainda pode ser possível. Pro bem e pro mal. Mais: com esperança e olhos abertos. Otimismo e olhos abertos. O de sempre e olhos abertos.

Outro dia me toquei que logo entraremos nos Anos 20 deste século, quando há pouco falávamos apenas sobre a história dos Anos 20, 30 do século anterior, sobre aquelas conquistas, os comportamentos, as guerras, a arte. Como passa rápido a existência!

Vamos a ela.

Que os próximos trezentos e tantos dias sejam de Paz, boas notícias, que não percamos nunca a força de enfrentar a maré e voltar à tona. Inclusive fazendo ondas, inventando modas e nos reinventando.

ANIMERMERMAID

_____________________

Marli Gonçalves, jornalista – Um beijo em cada um, e a certeza de que estaremos juntos acompanhando o horizonte.

São Paulo, do futuro, e do passado e do presente, 19

marligo@uol.com.br / marli@brickmann.com.br

ME ENCONTRE (se republicar, por favor, mantenha esses links):
https://www.youtube.com/c/MarliGon%C3%A7alvesjornalista
(marligoncalvesjornalista – o ç deixa o link assim)
https://www.facebook.com/BlogMarliGoncalves/
https://www.instagram.com/marligo/?hl=pt-br
www.chumbogordo.com.br
https://marligo.wordpress.com

Gatófilos! Olhem só essa! I-PAD para diversão dos bichanildos


ACHEI ESSA MATERINHA NO SITE DE TECNOLOGIA

Game for Cats para iPad: um review feito por gatos

Publicado por Henrique Martin em 20/12/2010 )

 O iPad, além de companheiro digital (acho que essa é sua melhor definição) para humanos, é um excelente passatempo para seus gatos. Baixei o Game for Cats e mostrei pros felinos da casa. Resultados a seguir:

 

– Mia, 7 anos: ignorou as duas fases do jogo.

– Tico, 5 anos: se divertiu por alguns minutos.

– Sem nome (ou Bilu, o bebê da foto acima, 3 meses): ficou mais de 15 minutos alucinado com o jogo, fez gazilhões de pontos até subir com duas patas na tela e trocar de fase sem querer.

O Game for Cats tem duas fases: a do rato correndo em um queijo (!) e a com um laser pointer. Definitivamente, a do rato é bem melhor avaliada pelos felinos. A vítima emite um som característico quando leva uma patada do gato.

Fiz um vídeo rápido demonstrando o pequeno jogando Game for Cats (ele perdeu a atenção no fim porque viu outro gato, muito mais interessante que o iPad):