ARTIGO – Banhos. Por Marli Gonçalves

 

Mesmo que não exatamente de água tomamos banhos todos os dias, sejam de espirros de água fria em nossos desejos, jatos quentes das decisões que tomam por nós, ou que por nós precisam ser tomadas. Duchas geladas em muitas esperanças que acabam varridas. Mas também tem os bons banhos, e os que podemos preparar para esquecer tudo isso

Nada como um bom banho para esfriar a cabeça. Os últimos dias têm sido verdadeiramente horríveis de acompanhar e digo isso olhando para todo o planeta e para o microcosmo mais próximo; nosso país, nosso Estado, nossa cidade, meu bairro, minha vida, e isso não é slogan governamental da área de habitação. Tudo isso esquenta a cabeça, estressa, dá fios brancos nos cabelos, angústias. Pela profissão, no meu caso, não posso desligar os comandos, me abster de saber, acompanhar e, claro, me preocupar muito com a ignorância que avança de forma tão célere entre aqueles que apenas ouvem o galo cantar por aí e acreditam que já é amanhecer; e esse galo ou mente total, ou cacareja só pedaços das histórias que alardeia, seja de direita, esquerda, esteja no telhado ou em cima do muro. Temo sempre é a ameaça do anoitecer, se é que me compreendem.

E em um desses dias de apreensão tive necessidade de me esquecer mais um tempo debaixo do chuveiro, como se aquele ambiente isolado fosse o único que pudesse me resguardar de todo o resto. Nada que prendesse, nua, sem censura. Só o barulho da água, não querendo sair dali nunca mais, me peguei brincando de desenhar no embaçado do box, desejando apenas pensar que trocaria aquele momento por outro, mas que seria muito parecido. No caso, dentro de uma banheira, objeto de desejo sempre. Ai, meu sais! Olhos os potes e penso que não há como usá-los em chuveiros. Continuo desenhando no vidro do box, corações imaginários que ali abrem janelas para o mundo externo.

Banhos, quantas formas, sorte de quem tem um canto, um tempo, uma maneira para ele, seja uma vez ao dia, sejam os especiais. De balde, bacia, rio, lago, cachoeira, riacho, mar, piscina, frio, quente, morno. De gato.  Ainda tem o de assento…

banhando-seDe Lua, de Sol, ouro, Sete Ervas, rosas, lavanda, alfazema, de cheiro. Sal grosso do pescoço para baixo. Turco, vapor bem quente, seguido do choque gelado, ou o grego, com aromas de chocolate e café. O japonês, do ofurô, que acalenta sonhos.

Os banhos podem ter muitos sentidos, além de limpeza corporal. Individuais ou coletivos. Pode purificar, como nas religiões, algumas com batismo feito com o mergulho do batismo nos braços de um pastor, a criança batizada na pia da igreja, ou aquele bem louco, junto a outras milhares de pessoas como nos rios da Índia. Com roupa, sem roupa, pouca roupa. Mas sempre pode ser muito bom, por isso, inclusive, quem já ficou internado em hospitais sabe que dele ali não se foge pela manhã. Banho de leito, como chamam as enfermeiras que em geral atacam, sem dó, em duplas, logo após o café da manhã.

Tá bom. Cozinhei vocês em banho-maria até agora. Mas foi para suavizar.

Está tudo muito chato. É que é tanta coisa acontecendo ao mesmo tempo, que quando a gente acaba de formar opinião sobre uma, é atropelado por alguma outra informação, notícia, desastre, tragédia, ameaça. Desairosas, cabulosas, cheias de barbaridades, como as falas, ideias e ações propostas pelo presidente nesse governo sinuoso, destrambelhado, e ainda tem os que agem em nome do pai. Ou teimosas, como as de uma estranha oposição que, dirigindo-se apenas aos seus iguais não consegue conquistas, adesões, novos líderes. Vindas da Justiça que brinca com os homens em seus vaivéns.

Só abrindo a torneira. E deixando tudo fluir pelo ralo se, repito, me entendem. E a vontade de mandar um monte de gente ir tomar banho, uma delicada forma de sai-pra-lá, que eu vou passar?banho

_____________________________

MARLI GONÇALVES – Jornalista, consultora de comunicação, editora do Site Chumbo Gordo, autora de Feminismo no Cotidiano- Bom para mulheres. E para homens também, pela Editora Contexto. À venda nas livrarias e online, pela Editora e pela Amazon.

marligo@uol.com.br / marli@brickmann.com.br

____________________________

ME ENCONTRE
 (se republicar, por favor, se possível, mantenha esses links):
https://www.youtube.com/c/MarliGon%C3%A7alvesjornalista
(marligoncalvesjornalista – o ç deixa o link assim)
https://www.facebook.com/BlogMarliGoncalves/
https://www.instagram.com/marligo/

#ADEHOJE – SÓ UM MINUTO – CENSURA, SAI PRA LÁ!

#ADEHOJE – SÓ UM MINUTO – CENSURA, SAI PRA LÁ!

SÓ UM MINUTO – Por favor, todos atentos. Quem resolve o que quer ou não quer ver somos nós! Por ordem do excelentíssimo senhor Governador Wilson Witzel, a exposição “Literatura Exposta” que estava na Casa França-Brasil , no Rio de Janeiro, foi encerrada um dia antes do previsto. Uma performance do coletivo de artistas És Uma Maluca, utilizaria a nudez feminina e referências à tortura durante a ditadura militar no Brasil, encerraria a mostra. Inventaram mil desculpas para dizer que não era censura. É censura, sim. A obra “A Voz do Ralo É a Voz de Deus”, também do coletivo És Uma Maluca, já havia sido vetada pelo diretor da Casa França-Brasil, Jesus Chediak. Jesus!

Adorei. Consulesa da França em SP fica nua por campanha pró-meias/agasalhos

Danilo Verpa/Folhapress

aplauso3Consulesa da França tira a roupa por causa filantrópica de doação de meias

( FONTE: COLUNA Monica Bergamo – Folha de SP)

 

Quando Alexandra Loras foi chamada para ser a embaixadora do Projeto Meias do Bem, não pensou duas vezes antes de aceitar o convite. “Meu pai foi morador de rua e eu tenho muita empatia por essa questão”, explica a consulesa da França em São Paulo, que achou a premissa do projeto filantrópico –que transforma meias usadas em cobertores para depois doá-los a moradores de rua e entidades– também sustentável.

*

Partiu dela a ideia de ficar nua para a foto, feita em sua casa. “Normalmente sou contra a hiper-sexualização da mulher negra, mas acho que temos que usar o mesmo tipo de armas da publicidade para chamar atenção para causas sociais.”

 

ARTIGO – Me abana? Por Marli Gonçalves

graphics-fan-964637Esta semana arrasei. Cada dia da semana postei no Facebook uma foto “selfie”, posando com um dos leques de minha modestinha coleção. Tão modesta que já mostrei toda ela, em poucos dias. Foi um sucesso, com um monte de “curti”, fiufiu, elogios. Já estou até pensando o que vou aprontar agora, mas o problema é que não gosto muito de usar roupa; sangue de índio. Uma parte do corpo por dia? Posso mostrar? E se me censuram? O negócio está preto, não pode facilitargraphics-fan-122807

Está tudo muito seco, opressivo, quente, e a gente precisa de um ventinho. Então eu me abano com os meus leques mesmo, que ventilador e ar condicionado gastam energia e energia é dinheiro. O calor de um verão não aproveitado, no entanto, frita os miolos, tira forças e até pensar fica difícil, imaginem escrever. Mas estou apenas disfarçando para entrar no assunto que quero expor, sério, uma vez que não sei receita de bolo: a censura que nos ronda, sopra um hálito quente aqui, ali. Na nossa nuca. Como diz um amigo, um dia censuraram X e eu não fiz nada; no outro, Y e eu não fiz nada; depois fui eu e eu não tinha a quem recorrer, parafraseando Martin Niemöller.

Todo santo dia ficamos sabendo de alguém punido e banido pelos controladores das redes sociais. Essa semana foi o genial fotógrafo Gal Oppido a vítima. A conta dele no Instagram, com milhares de seguidores e onde ele diariamente posta verdadeiras obras de arte, fez puff! Sumiu, sem explicações. Provavelmente, desconfio, por causa de “alguém” (covardes nunca se apresentam) não gostou de algum pedaço de pele negra que viu de um dançarino maravilhoso que ele coincidentemente fotografava para um trabalho especial dele. A gritaria foi geral e a conta voltou.

graphics-fan-141829Só que não é só na rede que a tesourinha anda cortando, editando. Não é que o Ministério alterou a classificação do pueril Confissões de Adolescente de 12 para 14 anos? Não é que esses pastores políticos de quinta categoria toda hora vociferam contra alguma charge, piada, filme, cena de tevê, e ameaçando jogar hordas moralistas babando em cima de nossas canelas?

Sou do tempo da ditadura. Cresci sob sua égide, sem poder ler o que queria nem falar tudo o que pensava, nem fazer o que queria. Cresci aprendendo a olhar para os lados, sabendo que tudo estava sendo registrado, mesmo que mal e porcamente, tanto que hoje os arquivos desapareceram, por aqueles homens que nos cercavam, sempre em seus ternos baratos, listrados, óculos escuros, e que mais pareciam bandidos que tiras. Com 15 anos um dia vi um ônibus chegando e levando embora quase uma centena de amigos roqueiros presos. Lembro apenas de ter agradecido a Deus esses minutos que me atrasei – eles ainda teriam de me explicar, menor de idade que era. E já bastava o corre-corre: um deles estava com uns 50 ácidos e não teve dúvida: jogou na boca dos amigos o mais rápido que pode. O resultado foi certamente uma das prisões mais engraçadas daqueles tempos negros, já que todos começaram a “viajar” ao mesmo tempo. Apenas um jornal fez esse registro – a foto desse bando de malucos – imagem que guardo na memória – esse lugar ainda indevassável, nosso mais valioso cofre.graphics-fan-886453

“Eles”, os inimigos, também tentavam outros disfarces: casais namorando no muro, mendigos, sempre perto das janelas para gravar as conversas. Mas, enfim, ainda disfarçavam.

Agora não. O tiro é direto. Cortam – às vezes a gente nem fica sabendo, porque o que os olhos não veem o coração não sente. O que pretendem?

Teimam em nos ensinar. Querem voltar as nossas cabeças para que vejamos apenas um lado, que ainda explicam, como se fôssemos todos uns imbecis de marca maior como se falava antigamente. Lembram aquelas cenas de filmes “eróticos” que o cara falta arrancar a cabeça da mulher, empurrando, para obrigá-la ao sexo oral.Creature_on_fan

O jornalismo, pobre jornalismo, editorializado. Para um lado, para outro. As cenas do cinema nacional, o que um crítico apontou outro dia, são chatas porque são expressas- ele andou até ali, viu? Pegou o copo. Bebeu. Caiu. Era veneno (e faltam mostrar aquele caveirinha com os ossos cruzados para terem certeza se você entendeu). Criam assim gerações de autômatos, preguiçosos, jovens de olhar vazio, como alguns que tenho encontrado. Como os que estão nas ruas sem saber para o quê.

Deixem-nos em paz. Deixem-nos pensar, formar opinião. Sem cabresto. Estamos em outros tempos e devíamos estar construindo uma moral, sim, mas mais aberta e condizente.

Deixem os pensamentos serem ventilados. Com eles não dá para usar leques.

São Paulo, fevereiro 2014, e peitos e bundas aflorarão logo mais de todos os cantos. Fan-03-june

Marli Gonçalves é jornalista Vou posar só de leque. Acho chique demais. Já aprendi a abri-los como o fazem as espanholas, com aquele barulhinho. E vou torcer para que as tevês contratem moças para cameraman. Aí talvez a gente possa ver que nas escolas de samba também passam corpos masculinos dignos de escultura. Isto é: se elas não forem censuradas, claro! graphics-fan-915599

********************************************************************
E-mails:
marli@brickmann.com.br
marligo@uol.com.br

Tenho um blog, Marli Gonçalves, divertido e informante ao mesmo tempo, no https://marligo.wordpress.com. Estou no Facebook. E no Twitter @Marligo

Naturistas, salvem a Praia do Pinho. Mantenham nossas praias vivas e os corpos nus.

 RECEBI hoje um apelo relacionado a um dos temas importantes para esse blog que prega a liberdade individual: o NATURISMO.

A praia do Pinho, localizada no município de Balneário Camboriú, Estado de Santa Catarina – Brasil, a cerca de 80 km de Florianópolis, está em

 

PERIGO!

Invadida, mal cuidada, ela sofre justamente por ter sido uma das primeiras, por ser uma das que têm melhor acesso e grande divulgação.

Conheci há alguns anos, e ela jpa andava com problemas sérios, mas agora a coisa parece que piorou. Veja os relatos que vêm sendo passados por frequentadores.

 

 

Infelizmente, também estamos afastados da Praia do Pinho há quase dois anos. A última vez que estivemos por lá foi
no mínimo constrangedora. Pessoas vestidas na praia, mulheres de biquini e homens de sunga,que nem deram bola
quando insistimos que aquela área era para nudez , sem contar o fato de que os “homens da montanha” , como se diz,
ficavam invadindo a área das pousadas, chegando inclusive a entrar na varanda da nossa cabana . Para piorar, eu e minha
esposa estávamos dormindo,quando uma mulher ( drogada ou maluca) abriu a porta do quarto e ficou  alucinada,
parecia que estava procurando ver alguma coisa “errada” … depois dessa, minha esposa não quis mais ir para lá. Fomos
a locais naturistas no Nordeste e no Caribe . No Pinho? Não sei se arriscaremos novamente, embora isso nos entristeça,
pois fomos frequentadores por mais de dez anos…

Paulo

Naturista do Sul”

Caros Amigos do Jornal Olho Nu,

em primeiro lugar quero parabenizá-lo pelo jornal e pelas matérias e divulgações do Naturismo e no mundo. O trabalho de vocês é realmente fantástico! Sempre acompanho as noticias para manter-me informado sobre o mundo naturista, que é algo que gosto muito. No entanto o tempo para mim ainda é curto para desfrutar do naturismo como eu gostaria, mas um dia chego lá.

Me chamo Paulo Sérgio Rosa, sou de Camboriú SC e frequento sempre que possível a Praia do Pinho. Porém, há quase dois anos que não tive mais tempo disponível para ir devido as correrias de trabalho no setor turístico. Este final de semana finalmente tive o sábado livre e um belo dia de sol, o que me fez ir até a praia na esperança de tomar um sol e banho de mar. No entanto me decepcionei com a situação do local. Muitas pessoas na praia, porém todas vestidas. Além do mais encontrei um clima bastante pesado de gente curiosa vestida seguindo as poucas pessoas nuas que lá se encontravam, como se nunca se tivessem visto uma pessoa nua, os classifico como um bando de tarados literalmente. Tão intensa era a situação que me senti muito mal no local, retirando-me logo da chegada e observando de longe a atuação das pessoas no local, tanto os curiosos quanto as pessoas responsáveis pelo local. Quando alguém se aproximava da área familiar, em seguida via pessoas vindo ao encontro recepcioná-los, atendê-los com a maior presteza, enquanto a outra parte era uma verdadeira zona.

Daí vem minha questão: Por que tanto cuidado do lado das famílias e desleixo e pouco caso do outro lado se ao entrarmos na praia todos pagamos os mesmo valores para entrar na portaria? E se o recinto é para a prática do naturismo por que ninguém dá a mínima bola e não se interessa em manter a ordem no local?

Há alguns anos atrás era bem diferente, era um lugar agradável para se estar. O que aconteceu que o lugar de repente se transformou numa verdadeira baixaria dessas?

Achei muito triste que o local tenha tomado este rumo de praia dos curiosos e depravados onde 90% dos presentes naquele dia eram apenas pessoas causando constrangimentos aos que curtem o naturismo verdadeiro. Saí da praia sem ter desfrutado o local, não tomei sol como sempre fazia, pois não me senti bem no meio daquele bando de curiosos.

Escrevo-lhes este e-mail para que vocês ligados à essas áreas possam fazer chegar essa noticia àqueles que realmente cuidam desses locais para que possam dar a devida atenção e ordem para que todos possam desfrutar do local em paz e harmonia como alguns anos atrás.

Trabalho na área de turismo e infelizmente a Praia do Pinho hoje é um lugar “não recomendável” às pessoas do bem, um lugar onde hoje, na situação que pude presenciar passou a ser um ambiente que classifico como “revoltante”, simplesmente me deu nojo ver o que vi.

Por favor, façam algo pelo local. Resgatem a paz, harmonia e o bem-estar da Praia do Pinho!.

Atenciosamente,
Paulo Sérgio Rosa
Camboriú – SC

(enviado em 6/11/11)
 

CONCORDO COM O SR. PAULO. É TRISTE VER TAL SITUAÇÃO EM “TODAS” AS ÁREAS DO LOCAL.
É PRECISO AÇÃO IMEDIATA.
O QUE SE PODE FAZER PARA CORRIGIR ISSO?
QUEM PODE FAZER?
A QUEM INTERESSA ESSE ABANDONO AO NATURISMO LOCAL?
FALTA PARCERIA?
A ONG NÃO ESTÁ ATUANTE? OU ESTÁ SEM APOIO,
VAMOS ACOMPANHAR MAIS DE PERTO, APOIAR SUGESTÕES, DIVULGAR.

THOMAS.

MANTENHAM VIVA A PRAIA DO PINHO E TODAS AS OUTRAS

MAIS SOBRE NATURISMO, AQUI E AQUI

ASSUNTO PROIBIDO? Para o Temer? Ou proibido pelo Temer?

Assunto proibido para Temer

Ficou no aperitivo

Peemedebistas que acompanharam os bastidores e até conversaram com Michel Temer sobre o assunto avaliam que a pressão familiar deve ter sido determinante para fazer com que Fernanda Tedeschi desistisse de posar nua na Playboy.
Assim que veio a público (Fernanda diz que assinou contrato sem falar com ninguém), o assunto causou constrangimento para Temer e a família da sua mulher, Marcela, irmã de Fernanda.
De qualquer forma, desde que a notícia do litígio foi revelada por VEJA, nem o mais chegado dos aliados teve coragem de tocar no assunto com Temer. Diz um cacique peemedebista:
– É um tema muito constrangedor, de ordem muito pessoal.

Por Lauro Jardim – COLUNA RADAR – VEJA

MAIS MARCELA e FERNANDA: AQUI