ARTIGO – Quer entrar na minha balsa? Por Marli Gonçalves

Noah__s_Ark___Animated_by_Mirz123Não quero fugir daqui não. Não. Tivesse eu, sei lá, alguns bons anos a menos, uma situação equilibrada, resolvida economicamente, menos problemas sociais, familiares e gente dependendo de mim, saúde melhor e disposição, além de uma boa dose de calma para enfrentar ignorâncias, enfim, se tivesse tudo isso, o que faria era cair na vida e liderar um movimento amplo, geral e irrestrito pelo paísNoahs-Ark

Sinto muito. Dei a ideia, mas não vou. Vou não. Vão precisar achar outro, e não sei se tem headhunter para isso; só sei que é urgente a necessidade de restabelecer alguma luz, formar lideranças e quadros, arejar as ideias e ideais. Não é nem por falta de querer. Mas prometo, daqui, continuar participando, batucando nas pretinhas. Tentando abrir olhos fechados, apontar injustiças.

Tá, mas se quiserem escrever algum manifesto, posso ajudar, claro. Sempre adorei escrever manifestos. Creio que tenho, vai ver, alma de revolucionária, ou talvez tenha sido uma em vida passada e tenha resquícios. Esse pensamento “Pasionaria” anda aflorando mas já afastei a chineladas. Se não estou aguentando nem comigo, como é que vou poder ajudar alguma coisa?storyboard-manage

Óbvio que tenho mil ideias de como poderia ser. E seria bonito, porque juntaria as torcidas no que elas têm de melhor, colaria esses mil pedaços que viramos, aproveitaria as boas ideias e intenções que vejo deslocadas em extremos bobos, em dialética atrasada. Não deixaria que o fígado se impusesse sobre o cérebro. Formaríamos um time só, como uma Seleção, capaz de por no mesmo campo tanto flamenguistas, quanto fluminenses, corintianos, palmeirenses, gremistas e atleticanos, todos jogando em seus campos de atuação. O Clube por um Brasil verdadeiramente melhor. Conheço muita gente que ia querer carteirinha.

Nosso movimento seria suprapartidário, alegre, propositivo. Simbolicamente teríamos muitos visuais. Também não escamotearíamos questões mais quentes, mais próximas de nós, umas que nos dizem respeito mais perto da pele, o que incluiria sexualidade, comportamento, drogas, terapias, cultura, educação e a já famosa sustentabilidade. Importante: inventaríamos logo novas formas de consulta, para evitar reuniões maçantes, ou mesmo muros, onde não é legal ficar se equilibrando.

communication-break-group-oIdealismo é bom e eu gosto. Sou tão a favor da diversidade real e absoluta, com ideias variadas, sem culpa e moralidades, que me tornei um ser diferente, esquisito, meio ET/OVNI, como sei que muita gente não fala – mas acha. Normalmente inofensiva, não ofereço perigo. Pelo menos não normalmente; e é melhor não atiçar.

Só que o sangue ferve nesses últimos dias, pasma de ver sábios virando ignorantes por causas políticas; e ignorantes virando sábios pelo mesmo motivo. Gente que não saiu dos cueiros falando em impeachment e velhos que deviam ter vergonha na cara defendendo essa tragédia tenebrosa que o grupo político do poder montou, e continuará montado em cima, galopando, como se estivessem acima de tudo e de todos, tentando eliminar quem não lhes quer bem a todo o custo.

Navegando nos meus sonhos, esse movimento que idealizo seria como uma balsa, uma arca como a de Noé, que recolheria do mar alguns dos seres de boa vontade que ainda vemos perdidos por aí tentando se salvar, mantendo a respiração com a cabeça do lado de fora, batendo o pé, agitados, para não afundar, não irem contra os seus princípios. Certos tipos ficariam de fora imediatamente. Os sem personalidade que usam a expressão coxinha. Os que ainda acham que essa coisa de direita e esquerda é legal e possa ser determinante, que propõem que a liberdade, seja de expressão ou qualquer outra, deva ter limites(!) Também de fora ficariam os preguiçosos mentais, maria-vai-com-as-outras, os ativistas arrivistas e bem pagos para atacar, inclusive seus próprios amigos. Se fosse eu a comandar essa expedição adoraria também chamar “pra dentro” um povo aí, também meio louquinho, excêntrico, exótico e colorido, para cerrar nossas fileiras. Nossa, como seria divertida nossa arca, nosso barco, nossa balsa!

GRUPOA coisa está chata. As incertezas empesteiam o ar, embaçando as mais delicadas bolas de cristal. Decisões confusas e mal ajambradas que ficam intocáveis porque são “moderninhas”, ou eles viram “lá fora”. Pouco importa se estão sendo feitas igual ao focinho. Nem sempre admito essa tese que diz que existir, mesmo que errado, mas começar, é melhor do que nada.

Não acho. Começo errado já é problema. Às vezes pode interromper o próprio Futuro, conformado, apequenado. Já vi esse filme, sei até as falas das cenas, tanto as dos vilões quanto as dos bonzinhos. Sonho em ainda ser a protagonista.

São Paulo, boa terra para esse time se jogar, 2014
vianoce060

Marli Gonçalves é jornalista – Um dia me perguntaram se eu não queria me candidatar, por exemplo, para vereadora. Não dá. Não consigo achar certo ficar prometendo antes, não fazendo depois. De qualquer forma, se eu topasse e ganhasse, minhas leis seriam legais. Acredite.

********************************************************************
E-mails:
marli@brickmann.com.br
marligo@uol.com.br

POR FAVOR, SE REPUBLICAR, NÃO ESQUEÇA A FONTE ORIGINAL E OS CONTATOS

17 de Maio, 15 horas, no Masp, Avenida Paulista, SP: Movimento de Mães em Luta pelo Brasil. Leia o manifesto. Se liga: é gente séria que convida.

maes em lutaO Movimento de Mães em Luta pelo Brasil nasceu assim: quatro amigas do mesmo bairro conversaram sobre a tristeza que sentiam de não verem futuro promissor para seus filhos. Os motivos principais dessa desesperança: a corrupção desenfreada; um sistema político arcaico e defeituoso (além de nada democrático); a falta de justiça igual para todos.

Desses três pontos, para elas, nasciam todos os problemas com os quais o país convive: educação péssima, saúde horrível, desigualdade social (enormes fortunas convivendo com muita pobreza!), falta de segurança, violência explícita, qualidade de vida injusta e inconcebível. Se houvesse (já, agora!) uma reforma política pra valer e não maquiagem de reforma política. Se os corruptos fossem varridos do mapa . Se a justiça fosse igual para todos (e mais rápida!). Se… Se… Muita conversa e o movimento foi nascendo. As quatro amigas chamaram outras três. E a primeira reunião teve o comparecimento de representantes do Voto Consciente. O Voto Consciente é um movimento que só tem feito bem ao país. Com ele ao seu lado as sete amigas se sentiram mais fortes. Elas são duas bibliotecárias, uma socióloga, uma jornalista, uma advogada e promotora pública, uma dentista, uma psicóloga. Fizeram reuniões, discutiram, traçaram planos, criaram página na internet.

E tocaram o bonde pra frente! Nasceu o Movimento das Mães em Luta pelo Brasil. Pensaram primeiro numa passeata. Depois numa caminhada. Em seguida num encontro. No vão do MASP, dia 17 de maio. Com início às 15 horas.

Primeira e mais firme decisão: ausência total de partidos políticos! Único partido no qual o movimento acredita é o partido do Brasil, esse país imenso e querido que precisa acordar e cujos filhos merecem futuro digno. Segunda decisão: o convite para que se unam às “mães em luta” gente de todas as tendências, de todas as raças, de todas as cores, de todas as preferências sexuais e religiosas. De todas as classes sociais. De todas as profissões. Também os sem profissões. Os que lutam pela igualdade social. Os que pedem respeito aos animais. Os que pedem respeito ao país. Teve gente que não acreditou nas “Mães em Luta pelo Brasil”.

Tem gente que não acredita, ainda. Há quem duvide das intenções. E quem ache que elas são sonhadoras. Daqui pra frente a voz é delas: “Não tem importância. Vamos em frente, pelos nossos filhos, pelos filhos de nossos amigos, pelos nossos netos, sobrinhos, afilhados.

Estamos começando uma luta e sabemos que essa mesma luta vem sendo travada por outros movimentos. Nossa intenção é a união com todos os que desejam um país melhor! Um país com transparência.

Sem políticos incompetentes e desprezíveis. Sem impostos abusivos. Com saúde e educação de primeiro mundo.

Com segurança para todos. Um país sem desigualdades. Sem corrupção. Um país alegre, feliz. E tem gente à beça querendo isso” !

NOSSO LEMA: FORA CORRUPTOS. REFORMA POLÍTICA, JÁ. JUSTIÇA IGUAL PARA TODOS!

Atrás disso vem o resto!

Agenda (1)Eu assino embaixo

compartilhe, por favor

manif