Mandingas contra a Dilma

Saravá, mangalô três vezescowfax

Retirado por seguranças do Palácio do Planalto, onde
foi tentar falar com a presidente, o babalorixá Pai Uzêda
disse que é fã de Dilma Rousseff, que ela está desprotegida
e precisa ser mais humilde. E fez revelações sombrias,
afirmando ter identificado três trabalhos contra a
saúde da petista, sete contra ministros e duas macumbas
com caveira de burro em frente ao Palácio da Alvorada,
residência oficial da Presidência.

Nota da coluna de 30/03 , de Aziz Ahmed

Até pai de santo já entra na Casa da Mãe Joana. Ops! Palácio do Planalto, de Dilma…Para alertar contra um inimigo de ambos, pai de santo e Dilma

FONTE – COLUNA RADAR – POR LAURO JARDIM – VEJA ONLINE

SÓ PUXANDO A ORELHA DESSES CARAS!

Dilma e Cunha: pendenga espiritual

Depois do deputado Cabo Daciolo (leia mais aqui), hoje foi a vez de um pai de santo dirigir-se à portaria do Palácio do Planalto e pedir para falar com Dilma. Dizia ter uma carta para entregar.

Sabe-se lá por quê, o pai de santo foi encaminhado à Secretaria de Relações Institucionais. Foi recebido por uma secretária. Explicou o pai de santo, apontando para a Praça dos Três Poderes:

– Dilma tem que se proteger. Vim aqui falar isso com ela. Todo mundo aqui faz batuque.

Diante da surpresa da secretária, o pai de santo completou:

– A Dilma tem que se proteger do Eduardo Cunha.

Preocupada, a secretária interrompeu a conversa e, discretamente, telefonou para a segurança. Oito homens subiram até o quarto andar, onde fica a SRI, a Casa Civil e a Secretaria-Geral. Gentilmente, o pai de santo foi convidado a se retirar.

A secretária fez um apelo aos seguranças, indagando por que o pai de santo foi autorizado a subir. Eles tentaram tranquilizá-la, dizendo que já havia um alerta contra ele no terceiro piso, andar onde fica o gabinete de Dilma.

Ou seja: nenhum alerta no quarto andar. Te cuida, Mercadante.

Por Lauro Jardim

OLHA ESSA! DESCOBRIRAM QUE NINGUÉM TRAZ A PESSOA AMADA TÃO RÁPIDO…DO CLAUDIO HUMBERTO

Missão impossível

A Justiça do Rio condenou um pai-de-santo a cinco anos no semiaberto pela promessa de “trazer a pessoa amada em três horas”. Trazer de Paris em 24h o governador Sergio Cabral seria demais