Gostei. Adoro protestos criativos, principalmente contra o (In) Feliciano

 

Máscara com a cara de Daniela Mercury é usada em protesto

Da Redação de A TARDE

  • Manifestantes usaram a cara da cantora para pedir a saída de Marco Feliciano

Boa Notícia! Pediram a cabeça do (In)Feliciano!

th_MegaphoneLíder do PSC diz que presidente da Câmara pediu renúncia de Feliciano

Deputado que preside Comissão de Direitos Humanos é alvo de protestos.
Henrique Alves se reuniu com André Moura, líder do partido de Feliciano.

veja mais no g1 -www.g1.com.br

Nota de Lauro Jardim mostra a “humildade” do (In) Feliciano, em seu site promocional.Que homem…

gaspar_animExemplo de humildade

O notório pastor deputado Marco Feliciano, depois de indicado para assumir a comissão de Direitos Humanos, negou o que sempre pregou: disse não ter nada contra homossexuais e que não é racista.

Agora, só falta se autodefinir um sujeito humilde.

Clicando no link “política” da página do seu site pessoal, abre-se a biografia de Marco Feliciano, assinada pelo próprio.

Além da trajetória acadêmica, religiosa e política do deputado pastor, há um arsenal de adjetivos que o classificam, praticamente, como um dos seres humanos mais espetaculares da face da Terra.

Exemplos: “Dono de uma inteligência admirável(…), de liderança nata junto com espírito de ousadia(…)” e “Suas ministrações são marcadas por revelações profundas e grande conhecimento da Palavra, (…) referencial para uma geração de pastores”.

Mais adiante, Feliciano deleita-se sobre si mesmo:

– Antes de ser cativado pela simpatia pessoal e pela simplicidade de trato que caracterizam Marco Feliciano, a oratória surpreendente marca sua pernalidade (sic).

Pernalidade? Sim, é o que está escrito, seja lá o que signifique.

Tem mais:

– Todos que tem (sic) a oportunidade de ouvi-lo ficam impressionados com a vastidão de seus conhecimentos e as profundas convicções humanistas defendidas com afinco.

Mas no final, a cereja do bolo, Feliciano explica por que está em Brasília:

– A nação evangélica clama por Feliciano como seu representante no Congresso Nacional.

FONTE – COLUNA RADAR – VEJA ONLINE – Por Lauro Jardim

Quando a gente parar de rir, comenta a frase do pastor? “Me desculpe se eu agredir os seus ouvidos, mas o reto não foi feito para ser penetrado. Não sou contra o homossexual, sou contra o ato homossexual. Todo cristão é contra o ato homossexual”.

MARCOS FELICIANO, O SENHOR NÃO É MEU PASTOR!

OLHA A FRASE, ENTRE OUTRAS, DO INFELIZ QUE QUEREM COLOCAR PARA PRESIDIR A COMISSÃO DE DIREITOS HUMAOS DA CÂMARA:

“Me desculpe se eu agredir os seus ouvidos, mas o reto não foi feito para ser penetrado. Não sou contra o homossexual, sou contra o ato homossexual. Todo cristão é contra o ato homossexual”.

PODIA IR DAR UM POUQUINHO, NÃO?822upset

Foco

Cotado para presidir comissão de minorias nega ser homofóbico

DE BRASÍLIACogitado pelo Partido Social Cristão para presidir a Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara, o pastor Marco Feliciano (PSC-SP) diz que não é homofóbico, mas é contra o ato sexual entre pessoas do mesmo sexo.

A confirmação do nome do deputado para o colegiado deve ser feita hoje. A comissão recebe e investiga denúncias de violações de direitos humanos e discute e vota propostas na área. E é o presidente da comissão quem determina a pauta dos projetos que devem ser votados.

“Não vou recuar, e se meu partido recuar vai ser muito feio”, disse o pastor. Ele afirmou que foi alvo de “infâmia, perseguição e até ameaça de morte” depois que foi sondado para assumir o posto.

Entre as polêmicas geradas está o histórico de declarações do deputado sobre os homossexuais. Questionado pela Folha, Feliciano respondeu: “Me desculpe se eu agredir os seus ouvidos, mas o reto não foi feito para ser penetrado. Não sou contra o homossexual, sou contra o ato homossexual. Todo cristão é contra o ato homossexual”.

Em 2011 ele declarou no Twitter que os “africanos descendem de ancestral amaldiçoado por Noé”. Depois, disse que foi mal compreendido: “Minha família tem matriz africana, não sou racista”.

Crítico à indicação do pastor, o deputado Jean Wyllys (PSOL-RJ) teme pelas minorias: “Uma pessoa com uma mentalidade dessas estar à frente da comissão [de direitos humanos] é o máximo do contrassenso”.

(ERICH DECAT)