#ADEHOJE – AS PEDRAS SE MOVEM NO TABULEIRO

#ADEHOJE – AS PEDRAS SE MOVEM NO TABULEIRO

 

SÓ UM MINUTO – Bolsonaro quer que o COAF – Conselho de Atividades Financeiras – volte ao Banco Central. Talvez enciumado, o presidente tira das mãos de Moro cada vez mais poder, e lhe dá menos importância, especialmente em uma semana na qual Moro sofreu derrotas em várias áreas, no Pacote do Crime, nas gravações interceptadas reveladas, na história de mudar Lula de cadeia. Mas Moro se mantém ainda com aprovação maior do que a do presidente. E a Lava jato balança, mas não cai. Treme, mas continua.

Aliás, fora ela, há uma operação em andamento muito interessante, atrás do cerne do poder do PCC: o dinheiro, as movimentações financeiras e o tráfico de drogas. Parece que está indo bem, inclusive porque não estamos vendo – graças – a reação dos criminosos, como houve anos atrás, inesquecível, nas rus de são Paulo, e que deixaram mais de uma centena de mortes, inclusive inocentes, atingidos nas ruas. O pavor.

E está andando a ridícula indicação de Eduardo Bolsonaro para embaixador em Washington, e nessa estrada um monte de cargos e liberação de verbas…EUA aceitaram. Era o que nos faltava.

#ADEHOJE – MAFIOSOS, BOLSONARO, FRIO…E PERDAS

#ADEHOJE – MAFIOSOS, BOLSONARO, FRIO…E PERDAS

 

SÓ UM MINUTO – Meu João Gilberto foi embora. Muita tristeza.

Foram presos no litoral paulista dois mafiosos italianos, pai e filho. Coisa grande, eram responsáveis, dizem, por 40 % do tráfico internacional de drogas, e aliados ao PCC também chamado eufemisticamente pela imprensa de organização criminosa com ramificações em presídios e em outros s países. Taí, PCC na Itália. Organização chama-se Ndrangheta

Saiu pesquisa Datafolha sobre o Governo Bolsonaro – 6 meses desse governo de desgovernos: 33% acham ótimo/bom; 31% regular; 33% ruim ou péssimo. De ponto em ponto vamos vendo a coisa cada vez mais dividida, comparável só ao Governo Collor que bem sabem o que deu.

A reforma anda um pouquinho. O frio congela no Sul e Sudeste.

E a gente perdeu o poeta da cidade, Paulo Bomfim, o jornalista Salomão Schwartzman, a técnica de som Tunica, e o mágico maquiador Duda Molinos… Xô, que fim de semana!

#ADEHOJE – UMA É BOA. O RESTO, POUTPOURRI DE NOTÍCIAS DE VIOLÊNCIA

#ADEHOJE – UMA É BOA. O RESTO, POUTPOURRI DE NOTÍCIAS DE VIOLÊNCIA

Só um minutoIGNÁCIO DE LOYOLA BRANDÃO ELEITO PARA A ACADEMIA BRASILEIRA DE LETRAS. Poltrona 11. Orgulho do amigo e mestre.

Aí vem a sequência de loucuras nacionais e internacionais. Adolescente de 17 anos é suspeito de ter participado do massacre na escola em Suzano. Polícia investiga web profunda e ligação com o PCC. O ex-PM e miliciano Ronnie Lessa, acusado de ser quem atirou em Marielle Franco e Anderson Gomes recebeu 100 mi reais em sua conta meses depois do crime. Explode loja de armas em Ribeirão Preto. Na Nova Zelândia, um país que sempre se orgulhou da paz em seu território, um jovem australiano de 27 anos lidera ataque simultâneo a duas mesquitas que resultaram em 49 mortes e outros tantos feridos, alguns em estado grave. Se apresenta como fascista e anti imigrantes.

O fascismo e os pensamentos da direita e de dominação se expandem de forma alarmante em todo o mundo.

#ADEHOJE – SÓ UM MINUTO – CEARÁ EM CHAMAS E O MEDO NAS RUAS E NAS CASAS

#ADEHOJE – SÓ UM MINUTO – CEARÁ EM CHAMAS E O MEDO NAS RUAS E NAS CASAS

Quem passou por aqui ou estava em São Paulo em maio de 2006, quando os ataques do PCC fizeram mais de cem vítimas sabe o que o Ceará está passando nesses últimos dias. É um terror indescritível. Você não sabe o que pode acontecer a cada passo. Se vai conseguir chegar ou sair, trabalhar, buscar filhos, viver. Hoje, lá, com a chegada da Força Nacional, os ataques estão ocorrendo no interior do Estado. Aqui em São Paulo, o bate-cabeça da segurança pública continua. Ontem, plena tarde de domingo, uma perseguição policial de mais de 12 quilômetros acabou com um bandido morto, mas dois pedestres que estavam passando em frente a um shopping foram baleados. Houve ainda mais um caso na Zona Leste, e uma grávida acabou atingida. Mas também dentro de casa as mulheres que deveriam estar sob leis de proteção continuam sendo mortas.

CAIU! UFA! CAIU O SECRETÁRIO DE SEGURANÇA DE SÃO PAULO. DO G1

 

Secretário da Segurança Pública de São Paulo deixa o cargo

Antonio Ferreira Pinto deixa a função em meio à onda de violência.
Nesta madrugada, sete pessoas morreram na Grande São Paulo.

Do G1 São Paulo

O Secretário de Segurança Pública de São Paulo, Antonio Ferreira Pinto, pediu exoneração do cargo nesta quarta-feira (21), segundo a TV Globo. A mudança no gabinete de Segurança acontece no momento em que o estado passa por uma onda de violência. Ainda segundo a TV Globo, o ex-procurador geral de Justiça Fernando Grella Vieira assumirá o cargo.

A assessoria do Palácio dos Bandeirantes, sede do governo paulista, ainda não comentou o fato.

Entre a noite desta terça (20) e a madrugada desta quarta-feira (21), sete pessoas morreram na capital paulista e em Itaquaquecetuba, Guarulhos e Osasco, na Grande São Paulo. Quatro dessas vítimas foram mortas em ataques feitos por criminosos em motos. Um ônibus foi incendiado na Zona Leste – ninguém ficou ferido.

O número de mortes nesta madrugada é superior à média diária de assassinatos no mesmo mês do ano passado, que foi de 6,6 vítimas (veja tabela).

Em Guarulhos, uma pessoa morreu e quatro ficaram feridas após homens em motos atirarem contra elas. Segundo a Polícia Militar, o caso aconteceu às 21h49 na Rua Domingos Araújo de Almeida, local conhecido como ponto de venda de drogas.

Em Itaquaquecetuba, três pessoas morreram em um crime semelhante. Segundo a PM, elas estavam conversando por volta da 0h30 quando foram atingidas por um atirador de moto. Uma quarta vítima foi levada ao Hospital Santa Marcelina e, até a madrugada desta quarta, seu estado de saúde era considerado grave, segundo a PM.

ARTIGO – Desgovernados, por Marli Gonçalves

Se contar ninguém acredita. Não tem dia que você tem vontade de esfregar muito o olho para acreditar no que vê? Ou pensa em enfiar bem forte um cotonete no ouvido para ter certeza que não está entupido, e que você não está louco, não? E me diga se essa semana não bateu recorde, e se o número de sandices ditas pelas autoridades não ultrapassou os limites. Mais do que isso já poderemos decretar calamidade pública! Enchente de saco! Salvem-nos desses governantes!

Eu gosto. Gostaria de poder escrever com mais frequência sobre coisas leves e divertidas, ligadas a comportamento, costumes, mas quem disse que dá? Não dá para escrever sobre flores. Sobre crianças, só se for para recomendar que tampem seus ouvidinhos e não aprendam nada com esses tipos que declaram as coisas nas nossas caras e a gente tem de enguli-las. Tipo fala que eu engulo.

Por onde eu começo? Pelo governador atarantado ou pelo ministro desmedido com cara de sério?

Você, claro, ouviu, viu, leu – foi notícia internacional, para nossa vergonha – que o ministro da Justiça do país chamado Brasil declarou, em alto e bom som, tipo declaração bombástica, que preferiria morrer a ficar preso em uma de nossas cadeias? Pois foi! Ele fez isso. Sendo que, primeiro, as cadeias – realmente péssimas, entupidas, horrorosas – estão sob sua alçada há pelo menos dois anos, e, depois, há dez anos estão nas mãos da sua turma, e ele esse tempo todo ali, firme, sem dar um pio sobre o assunto, que a cada dia só se agrava. Inclusive gerando a onda de violência a que estamos assistindo, e que agora se espalha de São Paulo para outros Estados e até acontecendo em pequenas cidades. O horror dos horrores, tocado por um poder paralelo. E de dentro dos presídios.

Portanto, se eu fosse ele, o ministro, o próprio, com tudo que ele já botou de dedo na cara de outras pessoas, tipo justiceiro padrão, destratou interrogados em CPIs, e pelo conjunto da obra, também não ia querer ir para o presídio, não. Os caras iam realizar a parte que diz que ele preferiria morrer.

Há muitos anos vem se formando nas barbas do governo federal – e há quem acuse até de um certo conluio partidário, mas isso eu não acredito – uma ideologia de justiça paralela, com uma constituição própria, leis duras e que se fazem ser cumpridas a ferro e fogo, organograma de trabalho e agilidade em comunicação. Os caras têm até um vocabulário próprio, com personalidade e sangue tão naturais que gera sem parar palavras e expressões que estão nos raps, nos hips e nos hops da música que já invade nossas casas. Ou alardeada por alto-falantes potentes dentro de carros que apavoram nas ruas das cidades, fazendo até tremer a janela. Uma das palavras mais temidas é o “Salve”. E o “Salve geral”.

“Salve” é a ordem. De todos os tipos. Inclusive para matar, como confessou um integrante essa semana. Simples assim: ele devia 10 mil reais. Trocou a dívida pelo cumprimento de um assassinato de policial. Ainda declarou que ligou antes para saber se servia se ele matasse um policial civil que achou, ou se tinha que ser militar. Salve geral é ordem para todos os comandados, e não dá para sobreviver dentro do presídio se não o for. Vira uma legião de anencéfalos, zumbis, sem o que ganhar. Sem o que perder mais.

Isso não lembra a vocês certos partidos e movimentos da Europa no século passado, que acabaram por dizimar muitos milhares? Não lembra certo bigodinho? Na imprensa já se fala abertamente no Exército do crime, embora ainda se refiram ao PCC, como aquela “organização criminosa que controla os presídios”. Para não fazer marketing.

Aí, como íamos dizendo, com tudo isso, o ministro vai e dá o caldo da canja, tentando sensibilizar o povo em favor dos amigos coitadinhos, aqueles do Mensalão, que já deu o que tinha que dar.

Ah, se fôssemos um país organizado e com vergonha na cara! Ouvi por aí que caberia agora legalmente um monte de ações possíveis, começando uma por improbidade administrativa. Até os criminosos poderiam tentar alguma coisa alegando falta de direitos humanos – já que os mandam para lugares tão infernais assim, como reafirma e admite o ministro.

Mas até agora não ouvi nem vi nada, a não ser tiros, e aqui na esquina de casa. A oposição está dormindo profundamente no seu bercinho cheiroso e seguro. Mamãe só olha e faz cara feia.

Haha! Pensaram que eu esqueci do governador tucano e atarantado de São Paulo que em dois dias poderia vencer o prêmio “Sem Noção” do ano, ou dividi-lo com o ministro? Não! Esse merece o Oscar do desconsolo e falta do que dizer para justificar que o secretário da Segurança ainda esteja lá sentado na cadeira falando em es-tra-té-gi-as, como se a situação não estivesse pegando fogo agora, periclitante! Fora isso, para o governador, o número de mortes, de chacinados e policiais, está dentro do padrão porque somos, segundo ele, em São Paulo, maiores que a Argentina. (?). Os telefones celulares pelos quais são dadas as ordens de dentro das cadeias não podem ser bloqueados – não conseguem. (?). E, inclusive – juro que ele falou isso, pode procurar -, esses celulares são importantes porque servem às investigações, quando são grampeados. (?).

Quer dizer: eles até sabem os números, a quem pertencem, e solicitam – não é chique? – que sejam grampeados, para ouvirem a conversa. Cortar a conversa, a comunicação, o que seria correto, dizem que não dá. Vou contar: sabem que chega a 20 mil reais o preço de um celular que entra no pedaço, dependendo do “lugar” e “prestígio” dos meliantes? Quem será que leva? Por que será que não dá para bloquear?

Hein?Hein? Governo, para que governo? Se hay Gobierno, soy contra! Mas busquei umas frases definitivas. Olha só:

– “Para mim, governo ético não é não roubar e não deixar roubar, isso é obrigação, é ridículo. Para mim, governo ético é eficiente.” (Geraldo Alckmin)

– “Se o governo vai bem, todos vão bem. Se vai mal, afundamos juntos.” (Luiz Inácio Lula da Silva)

– “O governo da demagogia não passa disso: o governo do medo.” (Ruy Barbosa)

São Paulo, cidade tensa, 2012

Marli Gonçalves é jornalista Fora as bobagens do pessoal da economia do governo. Eles deviam ir fazer umas compras no mercado.

************************************************************
E-mails:
marli@brickmann.com.br
marligo@uol.com.br

ATENÇÃO: Por favor, ao reproduzir esse texto, não deixe de citar os e-mails de contato, e os sites onde são publicados originalmente http://www.brickmann.com.br e no https://marligo.wordpress.com

NÃO FALEI? RECORD NÃO SABE “BEM” QUEM É O PM ASSASSINO QUE BOTOU NO AR. LEMBRA O CASO DO GUGU. VEJA NOTA DA SECRETARIA: ELES ESTÃO P…DA VIDA COM A EMISSORA

FONTE: ASSESSORIA DE IMPRENSA SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA DE SÃO PAULO

NOTÍCIA ANTERIOR, AQUI

Record admite não ter identidade de suposto PM assassino

Numa reportagem exibida na noite desta quarta-feira (14 de novembro) pelo Jornal da Record, a Rede Record de Televisão cometeu um grave erro de jornalismo ao expor a entrevista de um suposto policial militar que afirma ter matado cinco ou seis pessoas num também suposto esquema de vingança contra as mortes de PMs ocorridas neste ano.

O pecado jornalístico a que nos referimos é o fato de a emissora ter admitido, em ofício de seu departamento jurídico e também na reportagem, sequer ter a identificação da suposta fonte de informações. Ou seja, um repórter da Record foi escalado para entrevistar uma pessoa que confessa o crime, mas esta entrevista é veiculada sem que o Departamento de Jornalismo da emissora cheque a veracidade da identidade da “fonte”.

Assim que a emissora exibiu trecho da entrevista na manhã desta quarta-feira, a Corregedoria da Polícia Militar instaurou inquérito policial militar e solicitou formalmente à emissora a identificação do suposto PM, para que este fosse preso e investigado.

O Departamento Jurídico da Record recusou-se a fornecer a informação, alegando que só o faria mediante decisão judicial. No final da tarde de quarta-feira, o juiz Luiz Alberto Moro Cavalcante, Corregedor Permanente da Justiça Militar do Estado de São Paulo, determinou que a emissora fornecesse à PM cópia da matéria que seria exibida e a identidade do suposto PM.

Apesar da ordem, o Departamento Jurídico da Record limitou-se, somente, a divulgar a cópia da reportagem. E alegou, para omitir o nome do suposto policial, que os “jornalistas da emissora responsáveis pela matéria (…) não possuem tais informações”.

Qualquer manual de redação reza que informações, e principalmente denúncias, devem ter a origem e a veracidade checadas antes de serem publicadas ou veiculadas.

São conhecidos dos jornalistas e telespectadores brasileiros episódios em que entrevistas com criminosos foram forjadas para fazer frente à guerra de audiência.

Nesse caso da Record, não se pode fazer tal ilação, uma vez que a empresa sequer conhece o entrevistado que utilizou para embasar uma grave acusação.

Frente a este procedimento que fere o bom senso, a Polícia Militar e a Secretaria de Estado da Segurança Pública avaliam quais serão as providências jurídicas e policiais para: esclarecer os supostos crimes noticiados pela “fonte desconhecida” e buscar eventual responsabilização pelas informações divulgadas.