ARTIGO – Somos todos pedestres.

 Por MARLI GONÇALVES 

O assunto está na boca do povo, mas ainda não atingiu as mentes dementes dos motoristas nem a dos pedestres que continuam dando sopa ao azar e pensando que estão mesmo em um lugar civilizado   

Meu grande amigo de visual punk sempre atravessava a rua apressado, impositivo, quase se jogando suicida no meio do violento trânsito de São Paulo. Quando estávamos juntos, eu ficava louca e ao mesmo tempo boba de ver os carros parando, educados e solícitos, como se ele fosse o próprio guarda de trânsito encarnado com bloquinho na mão ou fosse as demarcações de faixas dos países onde isso funciona – você põe o pé para fora da calçada e os carros param. “Você acha que alguém vai querer me atropelar? Já pensou o furdunço que ia ser?” – e caía na gargalhada. Funcionava.

Passado o tempo, não sei se ele ainda faz isso, mas sei que está bem, lindo e diferente, com seu cabelo espetado e tatuagens em todo o corpo, sempre aprontando alguma coisa especial – agora são festas que libertam o fetiche interior de cada um. Lembrei-me dele também porque nos últimos dias o assunto pedestre anda fervendo. Por vários motivos. Por causa da campanha a favor, das multas milionárias impostas a quem é pego sacaneando, e por causa de pesquisas que dizem que a maioria dos brasileiros se locomove é a pé, ao contrário do que podíamos pensar. Pensei também por causa das muitas marcas de sangue nos asfaltos da vida – o moço inteligente que voltava para casa a pé e foi atropelado por uma Land Rover desgovernada, uma professorinha aposentada atropelada na faixa e dezenas de outros anônimos, que não voltaram, todos mortos no espaço de um tempo de atravessar, de uma calçada a outra. Será menos perigoso atravessar um rio de jacarés?

Ser pedestre é mesmo uma das coisas mais perigosas e também uma das mais democráticas. Todo mundo é pedestre. E uma hora atravessa a rua, ou alguma coisa. Igual aquela velha piadinha que perguntava “Por que o frango atravessou a rua?” – seguida de várias respostas. Uma criança: Por que sim. Aristóteles: É da natureza do frango cruzar a avenida. Marx: O atual estágio das forças produtivas exigia uma nova classe de frangos, capazes de atravessar a rua. Martin Luther King: Eu tive um sonho. Vi um mundo no qual todos os frangos serão livres para cruzar a estrada sem que sejam questionados seus motivos. Einstein: Se o frango atravessou a rua ou se a rua se moveu sob o frango, depende do ponto de vista. Tudo é relativo. Heloisa Helena: A culpa é das elites estelionatárias,caucasianas e aristocráticas que usurpam a população de frangos e mostra a sua capacidade de luta em defesa dos seus direitos.

A infâmia sobrou até para o Paulo Maluf: O meu governo foi o que construiu mais passarelas para frangos. Quando for eleito novamente vou construir galinheiros deste lado para o frango não ter mais que atravessar a rua. E um pouco para o Lula e sua sabedoria: Atravessou porque queria se juntar aos outros mamíferos.

Não importa como, por que, onde, contra quem. Um dia atravessamos. Pedestre pode ser estátua, soldado do Rio de Janeiro, e até a linguagem rasteira. Mas há uma guerra nas ruas, isso há. No momento em que o pedestre vira motorista, do motorista que esquece que também é pedestre -há um pega pra capar. O cara do carro de trás que buzina, chato, e que acha que você o está atrasando na vida porque deu passagem ao velhinho, e parou para não matar. E nessa guerra, também democrática, há o próprio pedestre que vem maluco ao seu encontro, para te atropelar como se fosse ele uma jamanta de lata, ou um blindado. Ou mero suicida. Deviam aprender com os viralatas mais espertos que só faltam apertar o botão do semáforo.

Ouvi dizer que vão vender a “mãozinha” em miniaturas, no comércio popular. A mãozinha é uma, de papelão ou plástico, como um tchauzinho na ponta de uma vara, que alerta com um PARE e que está sendo usada nos cruzamentos paulistanos – uma bem grande – para conscientizar a população dos dois lados.

Mas esse personagem da cidade, o pedestre, é sui generis. Nunca vi fazerem teste de bafômetro em alguns, mas deveria ter. Nunca os vi serem multados por atravessarem fora das faixas, na diagonal, falando ao celular, mandando SMS (isso eu já vi!), mascando chicletes, olhando para a sua cara cinicamente, balançando a bunda, andando com roupa toda preta no escuro, surgindo de trás de postes e árvores. Também nunca vi pais, mães, babás serem multados por primeiro colocar os coitadinhos na frente, como se o carrinho dos pequeninos fosse armadura.

Também são eles, os pedestres, e assim somos nós todos, que são assaltados, que se machucam nas calçadas, que viram o pé, escorregam, tropeçam e se estabacam nas mal cuidadas vias e infinidades de minas terrestres das grandes cidades, onde até bueiros voam pelos ares, cachorros podem morder, e portões de garagem podem abrir ou fechar nas suas cabeças.

Mas nem tudo é ruim assim, não. Andando, o pedestre consome mais calorias e emite menos gás carbônico na atmosfera desse mundo tão horrivel. Andando, pode observar melhor as belezas dessa vida e virar o pescoço quando uma dessas passa, também pedestre, com um bom rebolado, e isso até pode virar uma composição de sucesso – olha que coisa mais linda, mais cheia de graça, é ela, menina, que vem e que passa…

Pode ir devagar, ou ligeiro, correndo, andando. Mas, solto, nesta solitária atividade, também pode encontrar um amor como nas propagandas de tevê, onde isso é comum. Pode encontrar um amigo. Dar chance à vida. Uma chance que só ocorrerá quando todos lembrarem que é só uma questão de tempo e espaço. Há quadrúpedes inveterados. Mas todos somos pedestres.

São Paulo, lufa-lufa, 2011(*) Marli Gonçalves é jornalista. Pedestre. Não gosta que peguem no pé. Motorista. De vez em quando esquece de por a flechinha quando vai virar.

************************************************************E-mails:
marli@brickmann.com.br
marligo@uol.com.br
ATENÇÃO: Por favor, ao reproduzir esse texto, não deixe de citar os e-mails de contato, e os sites onde são publicados originalmente http:// http://www.brickmann.com.br e no https://marligo.wordpress.com// Aqui você encontra todos os artigos anteriores:www.brickmann.com.br
Estou no Twitter, @MarliGo, Facebook, e no blog : Clica aqui, para ir lá no blog! Visite o site MARLI GONÇALVES – Onde você encontra de tudo e muito mais
No Twitter, querendo seguir e ser seguida: “www.twitter.com/MarliGo

Aplausos para essa reclamação do Ricardo Kotscho. E digo mais: qualquer hora vou saber que meu pai “sentou” a bengala num motorista desses…

ACABO DE LER ESSA COLUNA do meu querido amigo Ricardo Kotscho, lá no Balaio. Trouxe para cá correndo (mas parando na faixa).

Amei. Moramos perto um do outro. E eu vejo isso todo dia. Tem mais: se eu, como motorista, for fazer a gentileza de deixar passar o pedestre, posso virar alvo da ira dos motoristas, que te xingam!!!

Não te deixam mais nem ser gentis aqui em São Paulo!

Todo dia ouço reclamação do meu pai que, aos 92 anos de idade, tem sérios problemas para atravessa a OSCAR FREIRE, NA ESQUINA DA RUA ROCHA AZEVEDO, EM FRENTE AO PÃO DE AÇÚCAR. Portanto um lugar onde muita gente atravessa.

Soube pela moça que cuida dele que outro dia ele, meu pai, tentou dar uma bengalada tipo Yves Hublet num safado que  não parou nem por decreto.

BOA, RICARDO! MAS SE PUDER FALAR COM O DR. ABILIO DINIZ,  TE AGRADEÇO. EM NOME DO PAI.

 

O risco de andar a pé em S. Paulo

Apesar de tudo, sobrevivemos… Se não chover demais, comemoramos nesta terça-feira os 457 anos de São Paulo _ a maior, mais rica, mais poluída e desumana cidade do país. Como costuma acontecer nos feriadões, quem pode pega o carro e viaja para qualquer lugar. Quem não pode, fica aqui e, se sair às ruas, corre o risco de morrer atropelado na primeira esquina.

Muito cuidado com a faixa de pedestres! É aí que mora o maior perigo. Talvez não haja nenhum exemplo mais emblemático de incivilidade paulistana e do predomínio da máquina sobre o homem, do carro sobre o pedestre e do vale-tudo sobre a urbanidade do que estas faixas brancas pintadas nos cruzamentos mais perigosos da cidade.

É simplesmente como se as faixas não existissem. Nenhum motorista lhes dá a menor bola. Os policiais de trânsito nem lembram para que serve. Fica lá como um enfeite sobre o asfalto, sem sentido nem função.

O perigo maior é para o cidadão que vem de fora, de algum lugar mais civilizado, onde os carros não avançam quando há um pedestre pisando sobre a faixa.

Já me aconteceu várias vezes de esquecer que ninguém respeita faixa de pedestres em São Paulo. A primeira vez, já faz muito tempo, foi quando voltei da minha temporada de correspondente do Jornal do Brasil na Alemanha, no final dos anos 70 do século passado. Lá, por incrível que pareça, os motoristas já respeitavam os pedestres.

Mal acostumado, quase fui atropelado na rua Augusta, no dia seguinte à minha volta, ao atravessar numa faixa que tinha até farol de pedestres, o que é muito raro em São Paulo. Além do susto, ainda fui xingado porque estava atrapalhando o trânsito.

A única cidade brasileira, que eu conheça, onde todo mundo respeita o pedestres, é Brasília. Depois de trabalhar lá por dois anos, e me habituar a este bom costume, ao voltar a São Paulo quase que minha família toda foi atropelada num cruzamento da Oscar Freire, a rua mais badalada do nobre bairro dos Jardins.

Com carrinho de bebê, outras crianças pequenas, uma senhora idosa, todos atravessando a rua juntos na faixa de pedestres, nada foi capaz de fazer o assassino motorizado diminuir a velocidade: do jeito que veio, acelerou e virou com tudo na Haddock Lobo, e eu dei um grito de puro pavor. Vocês podem acreditar: o cara parou o carro logo adiante, desceu e me fuzilou com todas as letras:

“Que foi, seu filho da puta??? Tá pensando que tá em Londres???”

Juntou mais alguns palavrões, entrou no carro e seguiu em frente.

Mais recentemente, passei um bom tempo sem andar a pé pelo bairro por problemas de saúde e acabei ficando preguiçoso. Agora que voltei às caminhadas, antes de ser convidado a correr no concurso de Rei Momo, me dei conta que andar a pé em são Paulo ficou ainda mais perigoso.

Os valentes ao volante dobram as esquinas e entram direto sem cimimnuir a velocidade, alguns até cantam pnseus _ ou seja, estão absolutamente certos da impunidade, são os donos das ruas. Como é impossível colocar um guarda em cada esquina, poderiam pelo menos deixar o farol vermelho para os dois lados nos cruzamentos o tempo suficiente para que a gente possa atravessar a rua. É simples, não custa nada, mas ninguémn faz.

Foi esta a civilização que nós construimos nestas terras de Piratininga. A vida de pedestre por aqui está valendo muito pouco.

Com o céu azul e sem previsão de chuva, bom domingo a todos.