Recebi esse “SOS BIXIGA!”. De um cidadão que não aguenta mais o barulho e a inação da Prefeitura. Como sei o que é isso, atendo ao pedido de espalhar. Patrulhinha urbana em ação.

 

boxe06 SOS BIXIGA!

Adoniran, meu camaradinha, esse clima cordial nessa briga que você relata no “Samba no Bixiga” não existe mais! Veja como está seu bairro querido:

Desde dezembro de 2013, venho sendo enlouquecido diariamente por um arremedo de bar, localizado na Rua Santo Antonio nº 1005 (quando este para, seu   vizinho no nº 1009,, denominado ironicamente como “Bar dos Amigos”) recomeça.  Assim que acordam – 9 horas, 10 horas da manhã -, seus proprietários ligam o som no último volume, com aquele repertório que nem o capeta mais pecaminoso agüenta. E isso prossegue até a final da tarde, porque à noite eles tem quem assume o som: os bares da Rua 13 de Maio nºs 37, 57 e por aí vai, porque é um ao lado do outro até a Rua Manoel Dutra, cada um com um repertório e disputando o som mais alto.

É DE ENLOUQUECER QUALQUER JÓ!  Agora entendo e concordo quando alguém tem seu dia de fúria!

sample_gong

E o que é mais estranho é, apesar de ser tão explicito que eles não têm alvará para funcionar nem como porta aberta, e a Prefeitura não faz absolutamente nada! Quando reclamei isso nas reuniões da Conseg Bela Vista, da qual participo mensalmente, a justificativa do represente da administração municipal é que não há fiscais suficientes. NA MAIOR CIDADE DA AMÉRICA DO SUL! Mas no domingo passado, um estabelecimento comercial na Av. São Luis estava emparedado. Para isso há fiscal suficiente?! Provavelmente porque há maior visibilidade.

parler_beaucoupMoro desde 1970 na Av. Nove de Julho, mas meu apartamento, no fundos, dá de cara com o ângulo formado pela 13 de Maio com Santo Antonio, que eu chamo de Baixo Bixiga (da Rua Manoel Dutra para baixo, até Rua Santo Antonio). Quando digo baixo, não me refiro ao significado glamouroso que este termo deu à Rua Augusta. Mas é baixo pela falta de decência, pela sujeira, indigência, violência, que não havia até há pouco tempo atrás.

Numa recente edição da Vejinha, o cronista Ivan Ângelo comentou o prazer de passear pelo seu bairro, cumprimentar os vizinhos, apreciar o entorno. Meus Deus! Isso ficou completamente impossível nessa Bela Vista, onde a gente cumprimentava a nona na sua janela, que conversava animadamente com  aquele crioulo. funcionário de alguma cantina. Onde a origem italiana se mesclou harmoniosamente com o negro. Onde pontua a Vai-Vai, uma das mais tradicionais Escolas de Samba de São Paulo.

Mas o problema não é apenas a oferta infernal do sons disparando infernais decibéis de sub-música ininterruptamente. A sujeira assusta ao mais indigno submundo. Outro dia ouvi o ótimo âncora Haisem Abaki expor no excelente jornalismo radiofônico “Estadão no Ar” sua indignação com a sujeira que observou no trajeto de sua casa, de Mogi das Cruzes até a Marginal Pinheiros. Me desculpe, Haisem, mas não pude deixar de escapar um sorriso amargo. Pois essa sujeira faz parte desse meu habitat! Ah, se por acaso você enviar um jornalista para verificar, avise para ele se precaver, pois aqui as pessoas não levam seu lixo até a calçada, mas atiram do fundo de seus cortiços.

Meu SOS é porque que não sei mais a quem recorrer. Para se ter uma idéia, na R. Santo Antonio, em torno do nº 1000, havia uma ‘agência de viagens’  camuflada por um bar. Além de vender passagens, no final da tarde de sábado e na manhã de domingo, os ônibus atravancavam a via para estacionar e recolher passageiros. Em 2006, depois de reclamar para várias entidades, passei um e-mail para a ANTT (Agência Nacional de Transportes Terrestres). Quando me responderam que deveria solicitar ao ‘agente de viagens” seu RG e ICMS, perguntei se era uma pegadinha. A ‘agência de viagens’ não existe mais, mas os ônibus continuam conturbando o trânsito da Rua Santo Antonio, sob os olhos cegos da CET, que é tão vigilante para multar.

 ESPALHE ESSE SOS, POIS NÃO TENHO MAIS A QUEM RECORRER!

Zedu Lima

José Eduardo Pereira Lima

R.G. 2.974.927-2

Tel. (11) 9 96859854fatiguer