#ADEHOJE – O ESTADO É TERRIVELMENTE LAICO, SENHOR!

#ADEHOJE – ESTADO É TERRIVELMENTE LAICO, SENHOR!

 

SÓ UM MINUTO – Repitam comigo para ver se acabam ouvindo: O ESTADO É LAICO, O ESTADO É LAICO, O ESTADO É LAICO.

Na verdade, que preguiça que dá até criticar as falas desse homem que nos desgoverna, vai saber até quando e onde vai chegar com esses abusos, absurdos. Que história é essa de que vai indicar um ministro para o STF terrivelmente evangélico? Que declaração é essa? ”O Estado é laico, mas nós somos cristãos”. Quem ele pensa que é? Haverá reação? Espero que sim, inclusive do próprio STF. Porque isso é um tabefe cara de todos os brasileiros, de todas as religiões, de todos os credos

Reforma da Previdência sendo votada como uma novela. Posso estar enganada, mas algo me diz que esse resultado não vai ser legal. Bem, para mim, pessoalmente, que estou precisando me aposentar, já não é legal. Tudo parado no INSS.

Morre Paulo Henrique Amorim, que lembro como um jornalista que tinha bom humor. Todas as vezes que o encontrei, achei ele bem engraçado. Descanse em paz. Morreu ainda o sociólogo Chico de Oliveira, um dos fundadores e hoje era um crítico, do PT. Mês difícil.

#ADEHOJE – GRANDES PERDAS DE NÓS TODOS. EXIGIMOS RESPEITO

#ADEHOJE – GRANDES PERDAS DE NÓS TODOS. EXIGIMOS RESPEITO

SÓ UM MINUTO – Semana esquisita, como têm sido nossas semanas. Nesta, a perda de grandes nomes da música, Beth Carvalho, e do Teatro, Antunes Filho. E a bobageira das redes sociais continua solta, com críticas absurdas até aos sentimentos que temos com relação aos grandes mestres. É um tal de criticar o pensamento político, de desmerecer os grandes feitos, de tentar exterminar a cultura e a educação de nosso povo. O que está acontecendo? Temos de deter esse avanço da ignorância, de qualquer forma.

Na Venezuela, ampliam-se as dúvidas de como será o desfecho da queda de Maduro. Cinco mortos nas manifestações dessa semana.

 

#ADEHOJE – Morte de Boechat uniu pontas desfiadas há anos

#ADEHOJE – Morte de Boechat uniu pontas desfiadas há anos

 

SÓ UM MINUTOBoechat ficaria orgulhoso em ver a união de todos em torno de seu nome e do jornalismo nacional.

O JORNALISMO NACIONAL ESTÁ HÁ MUITO TEMPO ACUADO, ATACADO, VILIPENDIADO, DESPRESTIGIADO. De repente, a morte de um de seus principais expoentes, Ricardo Boechat, um dos mais duros e diretos defensores de direitos, de justiça, e uma praga contra políticos corruptos, foi o que uniu a todos. Pena que mais uma vez na tristeza. Pelo menos nessas primeiras 24 horas não houve direita ou esquerda – houve a tristeza pela perda de um voz que sabia como ninguém falar ao povo. As ondas do rádio serenaram. O noticiário de tevê ficou sombreado.

#ADEHOJE – TRAGÉDIAS SE SUCEDEM NO PAÍS. LULA FICA LÁ.

#ADEHOJE – TRAGÉDIAS SE SUCEDEM NO PAÍS. LULA FICA LÁ.

 

Só um minuto – Mais um dia de tristezas nos cenário nacional. Passam de 300 os mortos na tragédia de Brumadinho, rompimento da barragem da Vale. E no Rio de Janeiro fortes chuvas na noite de ontem já causaram seis mortes. Foram desmoronamentos, deslizamentos, o horror que se espalhou por toda a cidade. Em São Paulo, os viadutos e pontes estão assustadores, todos com problemas graves, emendas, buracos, rachaduras. As cidades largadas à própria sorte. Para piorar, perdemos Carlos Fernando, um grande músico, vocalista do Nouvelle Cuisine. Ah, vocês já devem saber: o sitio de Atibaia rendeu mais doze anos e 11 meses de prisão para o Lula… A defesa deve recorrer.

 

25 anos. ♥ Edison Dezen ♥. Uma ausência que trago em meu coração, bem vivo

edison 3 001Edison 1 001

NÃO CONSIGO FALAR MUITO MAIS DO QUE ANO A ANO VENHO FALANDO NESSA DATA.

ESSAS FOTOS FUI PROCURAR HOJE. SÃO DE UMA VIAGEM ÚNICA, INESQUECÍVEL, ONDE O LORD ME MOSTROU LONDRES.

LÁ DEVE ESTAR ELE, QUE ADORAVA AQUELA CIDADE. DEVE ESTAR ALIMENTANDO OS ESQUILOS.

EU, AQUI, ALIMENTO MEU ETERNO AMOR, AGRADECIMENTO E CARINHO.

PARA VOCÊS QUE TAMBÉM TIVERAM A HONRA DE CONHECÊ-LO, NÃO É BOM VÊ-LO POR AQUI?

edison 2 001

ARTIGO – Começar. De novo e de novo. Por Marli Gonçalves

(CLIQUE NAS IMAGENS, SE QUISER VÊ-LAS EM MOVIMENTO)

Todo dia a gente não faz tudo igual, até porque estão tão rápidas as mudanças que 24 horas é tempo para chuchu, inclusive para mudar de ideia e rumo. Precisamos nos renovar e reinventar o tempo inteiro, e assim, aos soquinhos e pulinhos, vamos levando a vida. E tudo isso dá música, dá um samba danado, para vivermos dançandotumblr_lwm8c8h0gU1qg39ewo1_500

Começar de novo, cotidiano, superação, vida. De tudo quanto é jeito e ritmo, música e literatura já exploraram esses momentos sempre muito ricos. Há horas em que este assunto apenas se torna pouco mais aflitivo, quando a cobrança de todos os diabinhos e anjinhos que habitam dentro de nós vira uma espécie de guerra particular. Às vezes até bem violenta, quase mortal, sempre dilacerante.

Consegue se reconhecer? Como lida com isso? É fácil, difícil? Como faz quando precisa? Joga tudo para cima? Lamenta ou se arrepende? Faz que não é com você?

acid_eyeNuma semana de perdas importantes de pessoas marcantes, depois de um mês de agosto em que todo mundo tem um bom desgosto para contar, confesso, amigos, um cansaço terrível e até certo desânimo, principalmente nos assuntos que dependem da coletividade, da consciência social, do sentido de união e reconhecimento. O que fazem ao país acaba se refletindo diretamente no nosso mundo particular – mudando planos, impondo desafios e também muitas impossibilidades. Fatores externos atrapalham demais nossos movimentos, sonhos e planos – esses, para quem ainda consegue planejar, verbo que a cada dia acho mais lindo e distante.

A gente não sabe se vai ter Terceira Guerra, se vão continuar matando cruelmente, fuzilando, deixando criancinhas se debatendo, se ocorrerão tornados, terremotos, tsunamis ou ciclones. Se a gasolina vai aumentar ou se o dólar continuará subindo. Se o tal pré-sal sai lá de baixo, das profundezas. Se as manifestações e protestos surtirão efeito, ou se a coisa vai piorar. Se a nossa primavera aqui vai continuar esse inverno e secura. Não sei se eu estou pirando ou se as coisas estão piorando. O refrão continua o original, de Rita Lee: “Não sei se eu vou ter algum dinheiro ou se eu só vou cantar no chuveiro…”

Ligamos o velho foderaizer? Deixamos o vento bater nas velas içadas? Seremos mais um do rebanho?

Para quem tem inconformismos, nenhuma das opções anteriores. Só que não há outras opções em jogo.

O mundo gira e alguma coisa vai acontecer para nós lembrarmos da eterna namoradinha do Brasil, Regina Duarte, ou do chiclete de Ivan Lins – Começar de novo e contar comigo/ Vai valer a pena ter amanhecido / Ter me rebelado, ter me debatido/ Ter me machucado, ter sobrevivido/ Ter virado a mesa, ter me conhecido /Ter virado o barco, ter me socorrido.

animation-art-born-this-way-born-this-way-lady-gaga-gaga-Favim.com-298127_largeAmanhece e anoitece, invariavelmente. O tempo não se limita a existir; passa. O mistério está em como começar de novo sempre, driblando as nossas próprias certezas, aquelas que a gente pensava que existiam, derrubadas dia e noite.

Anda mesmo difícil até filosofar, jogar um pouco de conversa fora, nesses tempos de resistências minadas – e quando tudo o que se diz não chega aos ouvidos moucos.

“Você é tão velho como a última vez que mudou de ideia”.

É perfeita essa frase de Timothy Leary (1920-1996), adorável maluco que habitou a Terra propiciando milhões de viagens lisérgicas. Olha só um exemplo: quem provou dessa fruta, LSD, sabe que a viagem pode mesmo começar de novo a qualquer hora. Assim, de repente.

tumblr_lpoyl2SsNZ1qbsxmqo1_400Basta um clique, uma lembrança. No campo da realidade, coragem.

(Dedico esse texto à amiga Rosi Mallet, que era sempre a primeira a fazê-lo rodar o mundo quando os recebia, me apoiando com a sua enorme generosidade)

 

São Paulo, 2013

 

Marli Gonçalves é jornalista De vez em quando gostaria mesmo é de ter sido filósofa.

********************************************************************
E-mails:
marli@brickmann.com.br
marligo@uol.com.br

Tenho um blog, Marli Gonçalves, divertido e informante ao mesmo tempo, no https://marligo.wordpress.com. Estou no Facebook. E no Twitter @Marligo

tumblr_mhges6VJOG1rnmgi3o1_400

E lá se vai Realinho

DO ESTADÃO, MATÉRIA DO MAYRINK. VEJA LINK MAIS ABAIXO.

Jornalista Reali Júnior morre em SP

Reali foi correspondente em Paris durante quase 38 anos. Colaborou para o ‘Estado’

José Maria Mayrink – O Estado de S. Paulo

Morreu neste sábado, 9, em São Paulo, aos 71 anos, o jornalista Elpídio Reali Júnior. Reali Júnior morreu às 8h, em casa, de enfarte. O velório será às 19h de hoje, na rua São Carlos do Pinhal, 376, Bela Vista, em São Paulo. O corpo será levado, às 15h deste domingo, para o crematório Vila Alpina.

Correspondente em Paris durante quase 38 anos, Reali Júnior começou a trabalhar como repórter da Rádio Jovem Pan aos 16 anos de idade. O adolescente que entrava no gramado para entrevistar os jogadores de futebol com um enorme gravador nas mãos ganhou o apelido de Repórter Canarinho que logo lhe deu projeção Brasil afora. Nascido em 1939 em Bauru, onde passou os primeiros anos da infância, sempre manteve elos com a cidade natal. Foi ali que conheceu Pelé, o menino Édson Arantes do Nascimento que se destacava no Baquinho, time infantil do Bauru Atlético Cube. Reali era filho de pai de raízes italianas e de mãe descendente de baianos, família de costumes rurais na fazenda Tibiriçá, sustento da família.

Depois de fazer o primeiro ano do curso primário em Santos, onde seu pai, Elpídio Reali, delegado de polícia e mais tarde secretário estadual de Segurança trabalhou, Reali mudou-se para São Paulo, na Vila Nova Conceição, então um bairro de chácaras de legumes e flores. “Minha turma era da pá virada”, contou o jornalista em depoimento a Gianni Carta em gravação para o livro Às Margens do Sena (Ediouro, 2007), lembrando a disputa da criançada na caça aos balões que caíam num eucaliptal da Avenida Indianópolis. Era o goleiro do time de futebol de rua – “não era um craque, mas era o dono da bola”.

Reali tinha 14 anos e Amélia tinha 13, quando começaram a namorar. Estudavam em Higienópolis – ele no Colégio Rio Branco e ela no Sion – saíam para um cineminha e comer um macarrão no centro da cidade, naturalmente escondido dos pais. “O primeiro beijo foi na bochecha”, recordou Reali, mais de 50 anos depois. “Até hoje estamos namorando”, acrescentou. Ao conseguir o emprego na Jovem Pan, então Rádio Pan-Americana, já estava pensando em se casar. Casaram-se em janeiro de 1961 e já tinham suas quatro filhas – Luciana, Adriana, Cristiana e Mariana – quando se mudaram para a França.

Reali era repórter de rádio, mas trabalhou também em jornais e participou de programas de televisão. Seu primeiro jornal foi o carioca Correio da Manhã, sucursal de São Paulo. Depois foi para a sucursal de O Globo e escreveu para os Diários Associados, sem nunca abandonar a Jovem Pan. Na madrugada de 1.º de abril de 1964, no golpe militar, estava ao lado do governador Ademar de Barros no Palácio dos Campos Elísios – um dos poucos repórteres que conseguiram entrar. Nos anos seguintes acompanhou todos os principais fatos políticos do País, ao mesmo tempo que cobria outros assuntos.

http://www.estadao.com.br/noticias/nacional,morre-em-sp-o-jornalista-reali-junior,704026,0.htm?p=1