#ADEHOJE – CARNE CARA, E O MUNDO DA LUA DO PRESIDENTE

#ADEHOJE – CARNE CARA, E O MUNDO DA LUA DO PRESIDENTE

 

SÓ UM MINUTO – O presidente fala uma coisa e logo é desmentido. Parece que vive no mundo da Lua, alheio, e só interessado em polêmicas de direita e esquerda. A Ministra da Agricultura, Tereza Cristina, botou na panela um ingrediente forte ao afirmar com todas as letras e números que a carne vermelha, que aumentou 35% nos últimos dias, não vai voltar ao patamar. Por conta de exportações, da China, do raio que o parta. Há campanhas nas redes apoiando o boicote ao consumo, e troca por ovos, frango, carne suína. O presidente tinha afirmado que era coisa momentânea.

Enquanto isso, na Bahia, o escândalo no Judiciário continua. Hoje foi presa a ex-presidente do Tribunal de Justiça, Maria do Socorro Barretos Santiago, na Operação Faroeste, que investiga suspeitas de vendas de sentenças em grilagens de terras na região oeste da Bahia.

Árvores! Em Santa Catarina assassinaram uma árvore rara de 535 anos para fazer cerca. Em São Paulo, elas caem às centenas. #árvorenãoélixeira, pelo amor de Deus!

Imagem relacionada

#ADEHOJE – SEMANA DE TUDO. PARADO. TENSO. CONFUSO

#ADEHOJE – SEMANA DE TUDO. PARADO. TENSO. CONFUSO

 

SÓ UM MINUTO – Semana será curta em dias, mas longa em possíveis emoções. No Congresso, as decisões referentes à discussão da Reforma da Previdência que estão empacadas e parece que empacadas permanecerão. Depois da canelada de Bolsonaro em cima da Petrobras – e é bom lembrar que deu prejuízo de 32 bilhões à marca em apenas um dia os técnicos vão tentar abrir aquela cabeça para que entenda que os preços dos combustíveis são baseados nos preços internacionais, que vivemos hoje em um mundo totalmente globalizado. Enfim, que a presidência não é a Casa da Mãe Joana com seus três filhos. Agora está se metendo com o Ibama, e acaba defendendo madeireiros da extração ilegal!

Já são 11 mortos e 14 desaparecidos na queda dos dois prédios no Rio de Janeiro. Quando nos entregarão a cabeça dos chefes das milícias responsáveis pelos desastres e por muito mais?

#ADEHOJE – O BRASIL DESABA? NO MÍNIMO, EXPLOSÕES DIÁRIAS

#ADEHOJE – O BRASIL DESABA? NO MÍNIMO, EXPLOSÕES DIÁRIAS

 

SÓ UM MINUTO – Dois prédios desabam no Rio de Janeiro, e até o momento duas mortes e vários feridos. Os prédios, construídos irregularmente em áreas ambientais, são de quem? Da milícia, que parece que é o que governa o Estado e tenta se implantar no país, com violência, truculência e aparato paramilitar. Todo dia temos noticiários alarmantes sobre as condições que se encontram vários equipamentos públicos. O de hoje é o hospital do Servidor Público Municipal, e as imagens de baratas correndo pelas paredes da cozinha, além do prédio caindo aos pedaços em cima dos pacientes, também caindo aos pedaços, nos corredores.

Enquanto isso, percebeu a intervenção direta do presidente em cima da Petrobras? Proibindo, com medo da greve dos caminhoneiros, a alta do preço do diesel? Já vimos esse filme no Governo Dilma e sabemos o final da história.

imagem: hospital do servidor público municipal - São Paulo - condições

 

ARTIGO – Ninguém está falando… Por Marli Gonçalves

E precisamos pensar e falar de tantas coisas. Ninguém tem mais tempo nem de falar, nem de ler, nem de ver tudo o que circula, muito menos de ouvir. Quer dizer, ninguém, ninguém, não é bem assim. Tem quem tenha tempo para tudo isso, inclusive para preferir enviar por tudo quanto é canto nas redes sociais vídeos que gastam mais tempo e dados para serem baixados do que para saber do que se trata.

“… O Sol nas bancas de revista. Me enche de alegria e preguiça. Quem lê tanta notícia?“ …Imagine se o Caetano Veloso  profetizava isso lá há 50 anos, em Alegria, Alegria, como tanta coisa mudou até hoje. Nas bancas de jornal, de um tudo, impressionante, cada dia empurrando mais para lá os jornais e revistas. Outro dia vi uma que vende consertos de sapatos. Viraram pequenos mercadinhos nas esquinas da vida. Melhor que lá no Posto Ipiranga.

Aliás, postos que cada vez também são menos frequentados com o preço sideral da gasolina e outros combustíveis na bomba que estoura nos nossos tanques e bolsos. Aumentando o preço e a temperatura de tudo o que consumimos e que, como vimos recentemente, chega no lombo dos caminhões.  Reparou que o abastecimento ainda não está nada normalizado? Que os preços estão siderais?

É muito louco, meio esquizofrênico. Passamos dias e dias tendo overdose de alguns assuntos. De repente eles somem como num passe de mágica. Foram atropelados por outros sem que tivesse sido concluído o anterior. Exemplos, essa história do frete e preços e os coitados sobreviventes do incêndio no prédio do centro de São Paulo, que continuam lá. Talvez você não saiba, estão lá naquela mesma praça, sem banco,  amontoados em barracas, esquecidos, tendo de roubar banheiros químicos de outros lugares para usar, porque o Governo demorou mais de um mês para lembrar desse detalhe.  Uma situação horrorosa, dramática, vergonhosa.

Ah, e a cada dia é maior o número de pessoas vivendo em barracas, nas ruas, canteiros, praças, avenidas, viadutos e buracos (literalmente) que encontram. Ou vestidas com caixas de papelão, sacos de lixo, jogadas pelas ruas como se lixo fossem. Eles não têm representação política, não são de esquerda, não votam, aliás, nem no PT, nem são vistos pelos aparelhados Movimentos sem alguma coisa. São nômades, não invadem, ocupam; mas as ruas. Não são nem gente, parece; e aquelas crianças já têm seu futuro altamente comprometido.

Pronto, chegamos a mais um assunto que nos fez, vejam só, invejar a Argentina essa semana! As proles. Lá, ao menos está havendo a discussão parlamentar sobre a descriminalização do aborto, com possibilidade até de aprovação de uma lei sobre o assunto.  Adianta sentar em cima do assunto? Não!

(Não me venham falar – acusando-os de não usarem- em métodos contraceptivos, informação, bibibibododó. Essas pessoas não têm o que comer. Muitas são analfabetas. Aliás, acaso você aí já precisou comprar remédios populares nas farmácias? Pois é, simples não é. E as pessoas que cito agora não têm nem identidade, literalmente. Muito menos receitas).

Mais um #precisamosfalar. Descriminalização da maconha.  Fechar os olhos? Tampar o nariz?  Só assim para não perceber que a cada dia corre mais livre por conta própria, em todos os lugares, todas as idades, além das pesquisas sérias sobre seu uso em medicina.

Não aguento hipocrisia, nunca aguentei , e é uma das coisas que mais me aborrecem nesse pais. Esse atraso, essa cegueira moral que tentam impingir – ou com leis que não são e nunca serão cumpridas, repressão errada , ou simplesmente esquecendo o assunto- a toda uma sociedade que precisa avançar sob o risco de acontecer o que já vemos se aproximar, o retrocesso.

Não dá para falar aqui de todos os assuntos importantes, os verdadeiros direitos humanos, atropelados nas estradas da vida e, inclusive, na imprensa que, coitada, esmorece, atacada, pobre, manipulada. Até desbancada.

Estamos precisando fazer de novo uma publicação que até hoje tem seu nome marcado na história para ser usado de novo: Realidade.

Precisamos falar sobre isso, sobre ela, a realidade, nua e crua.

_______________________________________

Marli Gonçalves, jornalista – Enquanto isso, a bola está rolando lá longe, quase do outro lado do mundo.

 São Paulo, 2018

marli@brickmann.com.br e marligo@uol.com.br

ARTIGO – A nossa dança do passinho. Por Marli Gonçalves

Ora, como assim, você não percebeu que estamos todos numa pista dando cambalhotas, rodando no chão, pulando alto, passinho pra frente, dois pra trás, voleios e malabarismos? Que de passinho em passinho continuamos embalados ao ritmo de uma dancinha que por vezes chega até a ser bem macabra, toda desconjuntada?

É assim: quando a gente acha que está indo, não vai, volta. Escuta que a inflação está controlada e vai péquipéquipéqui (som dos passos) ao mercado ou na feira e pula a cada produto que vai verificar o preço. Aquele da semana passada aumentou, e sempre haverá um álibi que darão para explicar, a safra, o tempo, o transporte e agora até o perigo do roubo de cargas, contratação de seguranças. Tudo é a gente que paga, porque somos legais e não queremos que ninguém mais tenha prejuízo, não é mesmo?

Aí saltitamos correndo para procurar alguma seção de ofertas que ultimamente até que estamos tendo colher de chá com produtos quase vencidos. Os cotovelos se movem para tirar as outras pessoas do caminho e tentar resgatar algo para levar para casa. Senão, dançamos miudinho. Mais ainda.

Rebolamos. Rebolamos para driblar os boletos malditos que – incrível – conseguem sempre atravessar ruas, avenidas e cidades para chegar em dia, naquela coreografia que acompanha o som do papel entrando debaixo da porta, ou na caixa de Correios, que pra isso funciona que é uma beleza. Já os pagamentos, os depósitos no banco, as transferências, o atendimento às nossas urgências, esses chegam ao ritmo de valsa, pura valsa. Rodam, rodam até a gente ficar tonto e parar de importuná-los.

Sabemos onde o sapato aperta. Mas não conseguimos tirar as unhas encravadas que estão doendo tanto enquanto estão no poder. Batemos palmas para alertar aos amigos sobre os erros que incorrem em acreditar nos cantores boquirrotos do mal, que querem repetir a tragédia desoladora que já vivemos anos atrás. Ou melhor, que, grande maioria desinformados, pensam em entrar numa roda de dança perigosa, como se brincadeira fosse jogar o destino nas mãos de péssimos coreógrafos. Alguns, no momento, até com os seus passos totalmente bloqueados ou vigiados.

Como se precisasse, ou se ainda havia os que duvidavam, agora surgem documentos que provam para o mundo o horror que durante 21 anos acabou com a nossa alegria e espontaneidade, levando muitos de nossos competidores, fazendo-os desaparecem como num passe de mágica errado, que mata o coelho e a pombinha branca. Nada, no entanto, que ainda impeça uma besta fera que tira a e veste farda a seu bel-prazer de dizer que isso tudo foi apenas um “tapa no bumbum”. E o outro de verdinho que diz que foi tudo mentira. Eles têm de dançar um dia, e para fora de nossos salões.

Precisamos afinar nossas violas e aprender com os repentes a elaborar improvisos cantados nas violas que nos motivem a dançar mais juntos. Com os pés no chão. Conscientes que nossa criatividade pode ser um grande sucesso e que o tempo urge que nos apressemos nos acordes dessa ciranda.

Na nossa dancinha misturaremos os ritmos, para evitar marchas que até agora só mancharam nossa história.

Será hora de combatermos certo nacionalismo bobo que tenta se infiltrar, espalhando a nossa bandeira como se ela fosse enfeite em avenidas, pontes, viadutos. E agora usada numa versão oficial de propaganda de governo que é de doer profundamente: Ordem é Progresso. É o quê? Que ordem? Quem é que ordena e quem é que ordenará nossos passos? A que custo?  O que é essa ordem? Como se fôssemos carneirinhos alinhados lado a lado, quando tudo o que queremos é saltar nos sonhos de todos.

——————————————-

Marli Gonçalves, jornalista – Acostumada a dançar conforme a música. Implorando que ela seja boa de ouvir e seguir.

Brasil, 2018

marligo@uol.com.br/ marli@brickmann.com.br

——————————————————-