#ADEHOJE- SÓ UM MINUTO – LAMA, LÁGRIMAS, LEIS. LUTA.

#ADEHOJE- SÓ UM MINUTO – LAMA, LÁGRIMAS, LEIS. LUTA.

 

SÓ UM MINUTO – Segue a tristeza, o dramas, o acompanhamento dramático das histórias que envolvem a morte de centenas de pessoas no rompimento da barragem de Brumadinho, em Minas Gerais. Hoje prenderam engenheiros e responsáveis pelo atestado anterior que estava “tudo bem” com a barragem. Sinto cheiro de peixes pequenos pegos na rede. Acho ainda muito cruel falarem em sobreviventes, dentro do que sabemos, e do que nos mostram diariamente as cenas de horror. Palmas para o trabalho hercúleo das equipes de salvamento.

Bolsonaro segue na UTI após mais de sete horas de cirurgia para a retirada da bolsa de colostomia. O porta-voz, Otávio Rego Barros, estreou ontem. Adoraria não estar de má vontade com ele, mas achei desastrosa sua fala sobre a obra de arte dos cirurgiões, entre outros detalhes. Fora, também, ter “combinado” que Bolsonaro reassumirá o governo amanhã, quarta, de manhã. Até cirurgias bem menores exigem mais expectativa… Vamos acompanhando.

ARTIGO – Em seu nome, Brasil. Por Marli Gonçalves

EM SEU NOME, BRASIL

Marli Gonçalves

Quantas já se fizeram em seu nome, quantas aprontaram! Pelo Bem da Pátria, como desculpas, porque você é lindo, promissor, tropical, seu povo é cordato, isso e aquilo. Quanto já se prometeu e pouco se cumpriu. Mas de esperança em esperança lá estamos nós de novo. Desta vez, ou melhor, mais uma vez, tateando no escuro, buscando onde é que está o botãozinho da luz, o nosso Ponto G coletivo

Meu povo, Brasil, já vivi para ver de um tudo, de bom, de ruim. Eu mesma nasci no sensacional ano de 1958, pelo qual tenho grande simpatia, e ainda além de mim mesma, que cheguei no pedaço.

Vivemos períodos novos, interessantes, violentos, estressantes, de crescimento e de queda, de orgulho e de vergonha. Já acreditei em promessas e me frustrei. Não acreditei e fui surpreendida. Não estava nem aí – e nem aqui, para falar a verdade – quando o caçador de marajás caçou foi o dinheiro do cofrinho de todos. Como naquela frase …como eu não tinha nada, não me importei… Assisti de camarote aos caras pintadas nas ruas. Feliz porque tinha ali gente a fim de participar ativamente – podíamos descansar um pouco, depois dos anos 60,70, e 80 – esses de tanta vontade represada, que o tal “novo” daquela ocasião acabou eleito, e deu no que deu.

E assim foi, de passo em passo até chegarmos ao primeiro Governo Lula, ao segundo… e ao desastre total e irrestrito do terceiro, gerado com aquela interposta pessoa que ainda tive de ouvir muitas cobranças de que eu devia apoiá-la por ser mulher. Lá fomos nós às ruas, bandeirinha verde e amarela em punho pelo impeachment e ao mesmo tempo uma desconfiança muito grande com o que também já era possível observar e se juntava ali, agora ovo chocado. Deles, grupos ali no meio e nas pontas das avenidas, ouvíamos xingamentos, grosserias, cânticos e palavras de ordem estranhas, enviesadas, desconexas, que viam vermelho em tudo. Alguns batendo continência.

Mas pensávamos que nada poderia ser pior na sequência. Ah, pode sim.LABRASIL0219

Agora, trancos e barrancos chegamos às vias de fato, do fato que nessa eleição se coloca tão clara e vergonhosamente. Antes, pediram uma mulher, veio uma; agora pedem uma simbiose Frankenstein e assim foi moldado. Na panela, o caldo mexeu: um político há 30 anos “que não é político”, “elite zóio azul”, careta e conservador, jovem, fala igual ao povo, cara de machinho, aparenta coragem, casado com mulher, filhos, e é temente a Deus. Tem outros temperos nessa receita, mas me permito não enumerar agora.

(Olho para os seus olhos e me inquieto. São vagos, sem brilho, mexem irrequietos e fugidios, desviam-se seguidamente do interlocutor.)

No fundo, nada vai ficar muito diferente no patamar cotidiano de Governo, enquanto houver as interdependências e as dependências dos Poderes.

O que assusta é que foram abertas cavernas e poços, onde se escondia um outro caldo de uma alma nacional não gentil, e que vem jorrando, manchando o solo.

Em seu nome, Brasil, vão cantar muito o Hino Nacional, manterão suas hipocrisias em soluções para problemas que mais uma vez não será dessa forma que serão resolvidos. Talvez até sejam ampliados. Precisaremos manter-nos firmes em nossos barquinhos nessa correnteza. Que o vento sopre a nosso favor, sereno.

O voto é nacional. A maioria ganha. Quem perde, se reorganiza. Quem pode, pode; quem não pode se sacode.

OFERECIDA E BRASILEIRA

________________________________

Marli Gonçalves – jornalista. Qualquer coisa a desculpa sempre será a mesma; em seu nome, Brasil.

marli@brickmann.com.br e marligo@uol.com.br

2018 se define

CONVOCAÇÃO: Vamos! Todos pensantes! À luta contra Bolsonaro e tudo o que representa – o pior

Só fala em religião – SOMOS UM ESTADO LAICO

Só fala em armas – Não, violência não!

Não tem noção de política, nem de economia

Quer se garantir dizendo que é coronel do Exército!

IMAGINEM O QUE SERIA UM GOVERNO DESSE INDIVÍDUO!

NÃO PRECISAMOS DE OUTRO JÂNIO QUADROS!

NÃO PRECISAMOS DE OUTRO FERNANDO COLLOR!

Precisamos é de avidamente buscar novos nomes e enquanto é tempo!

Esses que estão aí beiram o lamentável

 

Boa pergunta do colunista Cláudio Humberto: onde anda Rose Noronha?

lupa nos negócios de PalocciComo pode a sonda Beagle2, desaparecida há 13 anos, ter sido encontrada em Marte, e ninguém ainda ter encontrado Rosemary Noronha? A amiga muito íntima de Lula é acusada de corrupção e tráfico de influência quando trabalhou na Presidência da República.

Uma coisa Maria Antonieta.

bate cabeçaConcidência
A Presidência da República está contratando,
por R$ 11.500,00, uma empresa para manutenção
de refiladoras e de perfuradoras de
papel e, ainda, para afiar as lâminas de guilhotinas
do Palácio do Planalto.

Por ironia, nos próximos dias começam
a rolar as cabeças nos diversos escalões
do governo.

fonte: nota da coluna Confidencial de Azia Ahmed – O POVO/rj

Adoro essas informações de detalhes que mostram tudo. Presidência gasta mais de 52 mil em herbicidas. Que pestes! Mas a gente até gastaria mais se soubesse que iria exterminá-las, não? No Congresso…

frogs20Plantando, dá

Ervas daninhas devem estar atacando os jardins da Presidência da República, que gastou R$ 52,8 mil em herbicidas.

 

fonte: diário do poder