ARTIGO – Lufa-lufa, corre-corre, olé! E que venha 2013! Por Marli Gonçalves

animated-gif-happy-new-year_9Desde 1987 não acontecia de um ano ter quatro números diferentes, não repetidos. A Serpente de Água regerá 2013, pelo horóscopo chinês. O planeta é Saturno, o senhor dos anéis. Orixá regente? Há controvérsias, mas tendem a ser reconhecidos entre alguns dos mais velhos e sábios, Xangô, Obaluayê, Nanã. E o que tudo isso tem a ver com você? Sei lá!

Não vai ser bissexto. Então, prepare-se para comemorar 364 desaniversários. O seu aniversário será o de menos no agitado ano que se prenuncia ali na linha do horizonte. Mas resolvi parar, colocar um turbante, me concentrar, fortemente, para dizer algumas coisas que prevejo como certas. Claro, além de todas as boas coisas que já estou vendo que acontecerão em sua vida.

Para começar, você vai ouvir muito falar de água, de quinua e de Matemática. Um monte de artigos, reportagens, festejos, medidas (se forem no Brasil, serão provisórias, como tudo o que parece que instalam nesse país) serão publicadas e anunciadas aos quatro cantos do planeta. A ONU pode não mandar muito para acabar com as guerras mas, para estabelecer datas, estou para ver instituição melhor do que ela. 2013 será o Ano Internacional para a Cooperação pela Água, com tudo o que isso quiser dizer, e resumindo: tamos secos e mal pagos!

Pela FAO, Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação, decidiram finalmente prestigiar a quinua – alguém precisava fazer isso. Sabia que a quinua é um alimento completo, com tudo que é essencial, aminoácidos, microminerais e vitaminas, além de não conter glúten? E que a bichinha floresce e se multiplica, mesmo em situações adversas, como em solos pobres, na seca e em diferentes alturas? Pois, então, viva a Quinua! Palminhas para a quinua!Três hurras! Alimentação é coisa séria¸ e toda redenção é positiva.NYbaby

Aí, a Unesco, que não gosta de ficar atrás, instituiu 2013 como Ano Internacional da Matemática no Planeta Terra. Tomara que aprendam logo a calcular com quantos paus se faz uma canoa, com quantos políticos se faz um Congresso sério, qual a probabilidade de esse país dar certo, com tanta gente metendo a mão.

Peraí, que agora estou vendo que vamos receber aqui no Brasil muita gente de fora. Prevejo que muitos novos casamentos advirão disso porque quem há de resistir ao povo brasileiro, à brasileira? Será que esses estrangeiros entenderão que não temos culpa por eles sempre terem uns perrengues por aqui, porque a gente ainda não se acostumou à globalização?

Vamos ter muita bola rolando (além das jogadas na corrupção desenfreada) na Copa das Confederações, pelo que entendi um “esquenta” da Copa do outro ano lá, daqui a pouco já na ponta do nosso nariz, que o tempo está cada vez mais rápido, o tal lufa-lufa. Coração na mão, para o time não fazer vergonha, no mínimo.

Por falar em coração na mão, mão no coração, vamos ver e ouvir exemplos de fé e hordas de orações – que clamem por nós – vindas da juventude, que se reunirá aqui na Jornada Mundial da Juventude, com Papa e tudo. Isso quer dizer que haverá forçadas e forçosas pressões de todos os lados debatendo feio por temas que nos são tão caros que deveriam ficar a salvo das religiões: o amor entre pessoas do mesmo sexo, o sexo para o prazer, o direito ou não de procriar e decidir sobre seu próprio corpo, e a liberação, apoio, incentivo e empurrão para o avanço das pesquisas livres sobre células-tronco.

Quem sabe a gente não consiga? E se você pensou que esse sonho é tão alto que, se fosse realizado, o mundo acabaria, saiba que há novas datas, problemas, previsões que podem contribuir para tal evento. Pensou que tinha se livrado, depois do chabu dos maias?

Em maio de 2013 pode haver uma tempestade solar devastadora, que pode deixar você mal, sem internet, sem luz, sem – imagine! – Facebook, Twitter, Google, fofocas sobre celebridades e games. O fim do mundo, hein?

Mas também tem uma: você só chegará lá se não houver um tal arrebatamento e chegada do Senhor Jesus, como vi que prognostica uma seita religiosa.

baby01Ou, ainda, pior, se tiver sobrevivido ao “tranco” que a Terra pode dar, meio que brecando, já que também tem maluco dizendo que as rotações da Terra estão diminuindo, mais lentas, e que ela pode parar de girar.

Esses zinhos também dizem que os dias já estariam maiores, com mais de 38 horas de duração, na verdade. Isso porque eles não estão na nossa pele! De qualquer forma, cumpre-me informá-lo de que esses caras também previram (em 2011) que a tal rotação vai parar totalmente em 16 de janeiro de 2013, o que segundo eles resultará em um dia permanente de um lado do globo e noite permanente sobre o outro.

Como eu ia dizendo, se o mundo brecar mesmo, acho que quem vai achar umas brecadas somos nós. Nem preciso prever. Use marrom.

São Paulo, momento Nostradamus, 2012-2013Marli Gonçalves é jornalista– Seja o que for, temos de viver para ver. ( …)”Para ganhar um Ano Novo / que mereça este nome, /você, meu caro, tem de merecê-lo, tem de fazê-lo novo, /eu sei que não é fácil, /mas tente, experimente, consciente. /É dentro de você que o Ano Novo /cochila e espera desde sempre” (Carlos Drummond da Andrade)

 

magi-kings02-source_c1l

Achei essa, do Chico Buarque. Clique aqui

************************************************************
E-mails:
marli@brickmann.com.br
marligo@uol.com.br
ATENÇÃO: Por favor, ao reproduzir esse texto, não deixe de citar os e-mails de contato, e os sites onde são publicados originalmente http://www.brickmann.com.br e no https://marligo.wordpress.com

ARTIGO – “Se o mundo não acabar, desejo”. Por Marli Gonçalves

0038   gif_reveil_6Digo tchau, que foi bom. Dá, sei lá, que os maias estejam certos. Melhor a gente já se despedir agora. Mas, se o mundo não se acabar, o que parece muito mais sensato, abro meu saquinho de bondades para desejar um monte de coisas para você. E para mim, que também sou filha de Deus

Se o mundo acabar, que seja em melado, para a gente ficar docinho. Que seja em pudim, para além de ficar docinho, ser macio. E, sei lá por que, pensei em churros – gosto deles, seus malvados!

Mas não vai acabar não, porque temos muitas contas a pagar, e os banqueiros não iam deixar acontecer uma situação dessas. Fora que a gente ainda tem de viver para ver o penta jogando, ouvir novas previsões catastróficas do Apocalipse e de uma Besta qualquer, sofrer com o aquecimento global, procurar vida em outros planetas, entre outras atividades. Acabar com a corrupção, ver um país mais justo, moderno e ordenado, não digo – porque é ruim desejar coisas impossíveis. Se isso acontecesse é porque, então, o mundo já teria acabado e se esqueceram de nos avisar.

Dizem que as palavras são como flechas, que são poderosas, o que certamente explicaria o horror que temos de pragas rogadas. E também a fé que temos em orações. Certamente vivas para quem escreve, as palavras carregam mesmo uma grande energia, e algumas são mais belas e imponentes que outras. Umas mais fortes e significativas; tem as feias, as grosseiras, as divertidas, as proibidas, as esquecidas, muitas. Outras, as que eu bem gosto de encontrar, são as mágicas, que são aquelas que procuram – e muitas vezes conseguem – deixar mais felizes quem as usa, quem as lê, quem as ouve.

Quero desejá-las. A chuva depois da seca. O frescor do cheiro da terra. Que todas as estações sejam férteis, e se forem de rádio, que toquem boas músicas. Que tenha meias macias e quentes para os pés no frio (e cobertor para as orelhas), chinelinhos para descansá-los no calor, sapatos confortáveis para trilhar as estradas, e que estas sejam sempre de boas idas e boas vindas. Nenhum prego ou caco no caminho se decidir seguir descalço. Quero que você não encontre quinas para bater esses seus pés, nem os dedinhos, nem buracos para tropeçar.gif_coucou

Que inventem martelos inteligentes para fixar os pregos onde poderá pendurar a arte que quiser ver e conviver nas suas paredes. Que possa abrir as janelas para o ar puro entrar e renovar.

dfjc24adQue o acesso seja livre. Por ar, mar, terra, seja em qual veículo decidir viajar – ônibus, metrô, bicicleta, carro, moto, balão, avião, navio ou submarino. Ou via pensamento, pelos livros. E que todos os combustíveis sejam limpos e seguros. Enfim, que possa flanar por aí, ou parar, se quiser, para ver as belezas do mundo com os olhos límpidos e precisos, e que você aprenda a piscar e olhar daquele jeitinho cativante e envolvente, como fazem cães e gatinhos, e assim consiga que lhe digam sim.

Que consiga desatar o nó que te prende a uma coisa que não quer mais e solte suas amarras. Ou que consiga jogar uma âncora se quiser aportar. Que tenha uma graciosa fita para o laço bonito de juntar.

Que só fique invisível quando quiser. Fora isso que as imagens de tudo que viver e viveu sejam registradas em fotos coloridas, escolhidas, ângulos que você já lembre na ordem revivendo os bons momentos que elas registrem.

Que conheça o orgasmo, muito prazer, possa estar sempre com a sua pessoa amada. Que tenha flores para cuidar. Valores a zelar. Uma criança para ver sorrir – ou lhe oferecendo as mãozinhas para serem guiadas por este mundo que não se acabou.

Não custa também desejar, se o mundo não se acabou, que a gente possa comer o que quiser, incluindo os tais chocolates todos, e a nossa pele, os cabelos, o corpo se regenerem continuamente. Vaique…animated-gifs-submarines-001

Se o mundo não acabar, desejo que não falte nada para a gente, dentro de possibilidades que sejam iguais a todos, com as moedas tilintando ouros. Ouros que podem ser impalpáveis, inclusive na forma de grandes ideias e realizações que transformem esse mesmo mundo que sobreviveu em um lugar melhor para se viver.

E, já que ele não se acabou… Que possamos beijar muito e continuar cantarolando por aí.

fair-city-21…”Anunciaram e garantiram/Que o mundo ia se acabar/ Por causa disso/Minha gente lá de casa/ Começou a rezar… E até disseram que o Sol/ Ia nascer antes da madrugada/ Por causa disso nessa noite/ Lá no morro/ Não se fez batucada…/Acreditei nessa conversa mole/ Pensei que o mundo ia se acabar/ E fui tratando de me despedir/ E sem demora fui tratando/ De aproveitar…/ Beijei a boca/ De quem não devia/ Peguei na mão/ De quem não conhecia/ Dancei um samba/Em traje de maiô/E o tal do mundo/ Não se acabou…/ Chamei um gajo/Com quem não me dava/ E perdoei a sua ingratidão/ E festejando o acontecimento/ Gastei com ele/ Mais de quinhentão…/ Agora eu soube/ Que o gajo anda/ Dizendo coisa/ Que não se passou/ E, vai ter barulho/ E vai ter confusão/ Porque o mundo não se acabou…

Já ouviu essa música do Assis Valente, com a Carmem Miranda? Corre, antes que, sei lá. Vaiqui…

Aproveita e veja que beleza; ouça que beleza. Clique aqui

São Paulo, 2012-2013, calendário romanoMarli Gonçalves é jornalista– No dia 21 de dezembro espera dar muita risada.

gif_date%20ban************************************************************E-mails:
marli@brickmann.com.br
marligo@uol.com.br
ATENÇÃO: Por favor, ao reproduzir esse texto, não deixe de citar os e-mails de contato, e os sites onde são publicados originalmente http://www.brickmann.com.br e no https://marligo.wordpress.com

Vai ter sim a festa do Fim do Mundo. Para gozar com quem achava que ia acabar. E, claro, se não acabar mesmo

Vivos, enfim

E agora, chega de coisas esquisitas: jornalistas, intelectuais, boêmios e até políticos organizam o Almoço do Fim do Mundo, num dos restaurantes mais agradáveis e charmosos de Brasília: o Stella Grill. No almoço, dia 21 de dezembro, vão comemorar o fracasso das profecias da moda de que o mundo iria acabar.

Para alguns, até que acabou. Mas aí já não é profecia, é sentença judicial.

FONTE: COLUNA CARLOS BRICKMANN