ARTIGO – Papai faria 100 anos. Por Marli Gonçalves

Parece título de Gabriel Garcia Márquez, mas na verdade é porque andei lembrando que o meu pai completaria 100 anos nessa próxima semana. Chegou só aos 98, cansado da vida que viu.  Um Século, e a sensação que agora estamos voltando, mas a um tempo errado

Imagem relacionada

Que século foi esse! Visto 100 anos para trás poderia parecer que o mundo ali entraria apenas em desenvolvimento e progresso, com a arte imperando, invenções importantes, um ciclo de glórias, inovações. Em paz, depois da tristeza da Primeira Guerra Mundial que atingiu em cheio a Europa, e que buscava renascer de suas cinzas. Os “Loucos Anos 20” eram vividos com alegria, com importantes transformações de costumes, e a vida parecia ter adquirido novos sentidos. Os Estados Unidos tornara-se uma das maiores potências e era também centro de irradiação de novidades em todos os setores.

O cinema florescia, a música – o jazz e o blues envolviam a exuberante vida noturna, a moda libertava mais o corpo da mulher, que deixava de ser mera coadjuvante. Já votava, se fazia presente e atuante nos acontecimentos, na opinião, na literatura, na pintura. Espetáculos, movimentos como o Surrealismo, o Dadaísmo, na moda, Coco Chanel. Foi a era das inovações tecnológicas, da eletricidade, da modernização das fábricas, do rádio e do início do cinema falado, entre tantas outras descobertas e avanços.

No Brasil, os reflexos são simbolizados na Semana de Arte Moderna, embora sempre seja a política um fator de atraso, e aqui não foi diferente. Mas havia a reação, as pessoas estavam felizes e parecia que um mundo novo chegaria, com igualdade, deixando pra trás a crueldade.

Triste sina. Com a quebra da Bolsa de Nova York, a 24 de outubro de 1929, deu-se a Grande Depressão e uma nuvem carregada pairou, finalizando o período dos sonhos. De lá para cá, outros vieram, foram, vieram, insistiram.

Mas as promessas de que os horrores das guerras não se repetiriam, que o desenvolvimento acabaria com a fome e com a miséria, que a ciência triunfaria, que os homens e mulheres se respeitariam, tantas promessas… vêm ficando pelo caminho. Que cessariam as perseguições por etnias, credos, raças, gêneros, que direitos civis e humanos seriam respeitados, quantas promessas! Estamos no espaço, mas destruindo a Terra que habitamos.

Tudo isso e muito mais passa diante de meus olhos quando lembro de meu pai, com quem convivi bem de perto nos últimos anos de sua vida. Hoje vejo por que ele era tão cético – já tinha vivido quase um século para saber, ter certeza, que os “papagaios de botina”, só assim se referia aos políticos e líderes, não têm palavra e pouco pensam no bem-estar geral. Com sua pouca cultura, mas muita vivência, acompanhou as ondas do tempo que chegou aos nossos dias.

Tristeza de ver o país disputado por toscos, de esquerda, centro e direita, que nos deixaram completamente sem opções em todas as esferas. Angústia de assistir ao desfile de falsos e hipócritas buscando manipular a opinião pública com moralismos, como se ela própria não pudesse ver e sentir com clareza o ambiente em que vive, não tivesse discernimento nem carregasse de memória a enorme lista do que precisa realmente de atenção e de construção.

Estamos voltando, regredindo, e diretamente ao que de pior houve nesses últimos cem anos.

__________________________________

 – Marli Gonçalves, jornalista – Como gostaria agora de ver os nossos Anos 20 com outro ângulo, para querer viver até os 100 e poder contar novas histórias de outras gerações.

marligo@uol.com.br / marli@brickmann.com.br

Brasil 2019, limiar

———————–

ME ENCONTRE (se republicar, por favor, se possível, mantenha esses links):

https://www.youtube.com/c/MarliGon%C3%A7alvesjornalista

(marligoncalvesjornalista – o ç deixa o link assim)

https://www.facebook.com/BlogMarliGoncalves/

https://www.instagram.com/marligo/

ARTIGO – Ordem e Progresso? Falta alguma coisa. Por Marli Gonçalves

bandeira BRPositivo operante. Estou numa saia meio justa e nem sei se justifica, porque ainda não tenho exatamente certeza do que acho mesmo desse lema adotado pelo governo que chamarei novo, mas só porque é novo, não por seus integrantes. Ordem e Progresso. Tem alguma coisa nele que já me incomodava ver estampado na bandeirabandeira BR

Amigo querido, conheço o publicitário Elsinho Mouco, e sua equipe, que foi quem bolou já começar o primeiro dia do governo Temer com uma nova simbologia, imagem, motivação. Achei perfeito terem pensado nisso, em um novo visual, que fosse astral. Foi ele quem encontrou a solução dentro de casa, rapidinho, nas imagens das manifestações de ruas com milhões de pessoas enroladas nelas, nas bandeiras brasileiras. Elas estavam nas ruas nas mais diversas aplicações, tamanhos, tecidos – e renderam dinheiro para os ambulantes. Se não é todo o mundo que conhece, certamente todos os brasileiros a conhecem. O verde de nossas matas, o ouro de nossas riquezas, as estrelas de nosso céu azul, e no seu meio, , o lema! Simples, compreensível, assimilável.

No novo símbolo que pretende substituir aquele horror da Pátria Educadora, que ficou só no discurso da posse da Dilma 2, a escolha caiu para o azul, em dégradé, o branco. O amarelo do ouro, aquela riqueza que a bem da verdade sumiu mesmo ultimamente, aparece só na faixa que circunda o globo que por sua vez se destaca, e parece pedir ordem e progresso em letras verdes, não tão garrafais, mas verdes. Bonito ficou. Ponto positivo. Uma coisa nacionalista. É, pode ser. Para recuperar um pouco do orgulho nacional. Sim, era preciso.

Aliás, passadas já algumas horas dos fervilhantes acontecimentos, podemos ver outros pontos positivos. Entre eles, a calmaria geral como se nada de diferente estivesse acontecendo, e como se houvesse, sim, um enorme alívio coletivo, interrompido apenas por murmúrios angustiados soluçando golpe, golpe, golpe, como se precisássemos bater nas suas costas para fazê-los desengasgarem. E o rebuliço das redes sociais, com seus militantes encastelados, de um lado e de outro formulando revoluções e resistências, ambos inúteis quando precisamos apenas de muita realidade. Até para entender o que foi isso tudo.

Horas depois da saída de um, já havia um outro governo entrando pela portinha quase que completo assumindo a direção – e até com símbolo! Isso eu achei genial. Tipo em horas trocamos tudo, bem, quase tudo – claro, cheio de resquícios esquisitos do passado recente e personagens que ainda nos deixam pasmos com suas incríveis capacidades de adaptação, troca de opinião e posição, e que colocam pedras e névoas em cima de seus passados. Se hay gobierno, yo estaré con él.

Voltando ao lema Ordem e Progresso preciso dizer que me incomoda ouvir isso e lembrar imediatamente de OSPB, Organização Política e Social Brasileira, que éramos obrigados a estudar como matéria. Literalmente, obrigados. Porque ensinava disciplinas, distribuía regras, obrigações e normas, disso e daquilo, uma coisa horrorosamente reacionária e limitadora. Pelo menos é assim que lembro, estudando no segundo grau no tempo da ditadura. Muita coisa que a gente precisava decorar. Eu odiava.

“O Amor por princípio e a Ordem por base; o Progresso por fim”. “O progresso é o desenvolvimento da ordem”. Ideais republicanos. Teoria positivista de Augusto Comte (1798-1857) foi a origem do Ordem e Progresso de nossa bandeira. Esse Comte era tão louco que chegou até a elaborar um calendário, para “desenvolver o espírito histórico e sentimento de continuidade”. Vejam só: a proposta era que o ano tivesse 13 meses de 28 dias, cada mês exatas quatro semanas, e um ano bissexto para a compensação. O dia restante no final de cada ano seria para a celebração dos mortos.

LABRASIL0219Nos anos bissextos, o outro dia que sobraria, seria para, ainda segundo a proposta dele, dedicar às Santas mulheres (?!?), ou a uma determinada mulher (?!?). Impressionante o tamanho da concessão, não? – puxa, que homem generoso com as mulheres!

Ah, vá! Mas o mais doido é que ele também propôs dar nomes aos meses, glorificando importantes da religião, literatura, filosofia, ciência e política, nessa ordem, e todos bem masculinos: Moisés, Homero, Aristóteles, Arquimedes, César, São Paulo, Carlos Magno, Dante, Gutenberg, Shakespeare, Descartes, Frederico II e Bichat, esse último nome, bem acentuado, e que foi um importante anatomista francês.

Foi saber disso para ficar ainda mais preocupada com o grupo de vetustos senhores – sem nenhuma senhora – que entrou na cabine de direção do Brasil e dessa Ordem e desse Progresso. Começo imediatamente a achar melhor propor para a gente ir cuidar das nossas vidas e de nossos costumes – do que nos é de mais precioso. Vamos dar um tempo para ver o que conseguirão fazer.

Mas enquanto isso, alertas, vamos voltar a dar atenção e cuidar de nossos avanços de comportamento, das conquistas que tivemos, lembrar das leis que derrubamos e nas que precisamos ajustar. Do que necessitamos para nossas ordens, para o nosso progresso. E, fundamentalmente, para conseguir a palavra que bem que poderia já ter vindo também estampada no novo símbolo, arejando, como lema: Liberdade. Tornaria a ordem e o progresso menos reacionários.

Senti muito a falta dela. Que isso nunca seja literal.

Marli Gonçalves, jornalista A ordem é mesmo sempre tão relativa.

São Paulo, 2016

___________________________________________________________________________
E-MAILS:
MARLI@BRICKMANN.COM.BR
MARLIGO@UOL.COM.BR
POR FAVOR, SE REPUBLICAR, NÃO ESQUEÇA A FONTE ORIGINAL E OS CONTATOS
AMIZADE? ESTOU NO FACEBOOK.
SIGA-ME: @MARLIGO

ARTIGO – Psiu, parem esse barulho dos infernos

Marli Gonçalves

Estão fazendo uma reforma no apartamento bem embaixo aqui do meu. É tanta marretada, porrada, descascada, derrocada em todos os recintos aqui embaixo dos meus pés, que a casa toda treme. Os quadros estão tortos, caem coisas pelo chão, os rejuntes dos azulejos estão abrindo. Tem a serrinha, cortando, com aquele barulhinho contínuo e agudo. E a lixinha fazendo chiquichiqui…

Eu não mereço. Juro que não. Poucas horas e dias de folga, oportunidade de ficar mais em casa, ler, escrever. Dormir. Queria pelo menos, sei lá, ficar pensando sossegada, tentar ouvir o silêncio. Mas aqui estou eu, ledo engano, sendo tocada de minha própria casa, sem conseguir pensar em mais nada a não ser esganar um, irromper no apartamento que está sendo – só pode ser – reconstruído, esticado e remodelado para virar um palacete. Parece que o nome é retrofit, mas estou mesmo é querendo xingar de outra coisa.

E se eu fosse lá? Eles vão se assustar com minhas olheiras. Acho que vou deixar o cabelo bem desdeganhado para parecer a mais maluca. Poderia amarrar um cinto bomba falso e ameaçar explodir tudo se eles não pararem.

E se eu ligar para o bispo? Sempre falam para reclamar com o bispo, quem sabe? Não é pecado fazer obras nesta época do ano? Ou será que deviam obrigar o dono a ficar junto o tempo inteiro também sendo torturado com o barulho igual faz aos vizinhos? Depois das primeiras reclamações consegui apenas – por um lampejo de bondade – que as obras recomecem meia hora mais tarde, dia após dia, que eles sempre dizem que estão acabando.

Vivo ouvindo que uma mulher na TPM é capaz de matar se instada e irritada. Nunca senti muito esse efeito, mas agora entendo como ele se passa. Também pode acontecer quando o caso é barulho. Um assunto que está tomando proporção assustadora – e que é bom que todos os lugares se liguem o quanto antes para também não virarem o inferno para os ouvidos. O barulho vai irritando, irritando, tomando conta do seu pensamento, como um círculo vicioso do qual você não consegue se livrar. Não dá para esquecer ele ali.

Foi constatado que o que as pessoas acham que mais piorou nos últimos três anos foi exatamente o ruído, o barulho, o som infernal, a zoeira constante. Passou batida nesse lufa-lufa de fim de ano essa pesquisa importante, não só para a cidade de São Paulo, onde foi feita, mas acho que para todos os lugares onde se pretenda criar algum tipo de civilização. E de civilidade, quando e enquanto ainda for possível conversar com os humanos. Está beirando o insuportável.

Veja, estamos falando que o barulho foi o item que piorou mais do que tudo. Mais do que o trânsito, educação, moradia, segurança – que também pioraram, mas nem tanto. Não há mais sossego para quem vive numa cidade assim, e isso faz muito mal inclusive para a saúde. Decibéis a mais fazem estragos horrorosos em nossos organismos. Por exemplo, acima de 70, que você mede em qualquer rua de tráfego intenso, já aumentam riscos de enfarte e até de infecções, entre outras doenças sérias, porque a nossa imunidade é afetada.

Barulho é definido como um som indesejável. O que é engraçado é que o critério é pessoal, individual, e sons até agradáveis para algumas pessoas podem ser completamente desagradáveis para outras. Vide alguns gêneros musicais que andam por aí.

Então, o julgamento do que é barulho é individual. Pode até ser. Mas não esse que estou suportando. Estou falando do barulho da pesada. Essas teorias de relatividade me dão uma cansada! Não sei se é a malvada da falta de sorte, mas barulhos me perseguem. Os caras que catam o lixo do restaurante da frente são os terrores de todas as minhas manhãs, batendo caçambas. Os imbecis, bêbados, destravados e destravadas que saem para fumar do lado de fora da casa noturna “elegante” e “chique” aqui do lado, parecem matracas nas madrugadas. Sobre umas coisas, fiz o que pude. Mas sozinha, a andorinha… Polícia é pontual, embora outro dia um vizinho tenha chamado a cana e só assim acabou com uma festa de arromba que todos aguentaram até as cinco e meia da madrugada, em plena calçada.

Você já parou para pensar no cerco do barulho? Para onde olho, ou melhor, abro meus ouvidos, têm obras, buzinas, alarmes disparados, sirenes, escapamentos abertos, motocicletas com motociclistas aloprados, tontos acelerando, apitos, avião, helicóptero, pessoas falando muito alto.

O barulho isola, tortura. Descobri um site chamado chega de barulho, que cuida só – vejam – de questões “entre as pessoas”. A chamada é: “O site para quem está cansado de ser incomodado”. Mas em geral, para eles, a questão é apelar para vias judiciais, já que o site é de um advogado.

Mas também achei outros sites, muito loucos, que não entendi bem quem é que banca, se só os banners de propaganda: com barulhos do mar, barulhos da chuva e som de pássaros. Só podem ter sido criados quando alguém pirou de vez, de tanto se esforçar para esquecer – impossível – o barulho de algum vizinho, de alguma obra.

Um barulho que temo seja também o do progresso, das mudanças, que não param.

São Paulo, quebração dia e noite, de um otimista ano de 2012. Feliz, que você seja feliz como nunca! (*) Marli Gonçalves é jornalista. Já baixou um aplicativo com medidor de decibéis, embora ainda não saiba exatamente para quem reclamar. E se adianta.

************************************************************
E-mails:
marli@brickmann.com.br
marligo@uol.com.br
ATENÇÃO: Por favor, ao reproduzir esse texto, não deixe de citar os e-mails de contato, e os sites onde são publicados originalmente http:// http://www.brickmann.com.br e no https://marligo.wordpress.com// Aqui você encontra todos os artigos anteriores:www.brickmann.com.br
Estou no Twitter, @MarliGo, Facebook, e no blog : Clica aqui, para ir lá no blog! Visite o site MARLI GONÇALVES – Onde você encontra de tudo e muito mais
No Twitter, esperando você: “www.twitter.com/MarliGo