Os órgãos de Dona Mariza poderão ser doados? Uma amiga questiona. Veja as regras gerais

Antes de mais nada, meus profundos sentimentos. Não é a ex-primeira dama.

TRISTE

É uma mãe, avó, esposa que cuidou dedicadamente de seu marido quando este adoeceu e que comeu o pão que o diabo amassou para chegar onde chegou.

______________

Resultado de imagem para dONA mARISA

TRAGO AO DEBATE. MÉDICOS, COMO FUNCIONA?

 

Uma amiga conhecedora das lides médicas me chama a atenção para uns detalhes sobre a falada doação da família Lula dos órgãos de Dona Mariza, hoje em morte cerebral.
Segundo ela, esses ítens – Drogas que inibem o SNC/ 66 ANOS/ ex-fumante…E temperatura corporal abaixo de 35 – impediriam a doação.

Veja detalhamento constante no Ministério da Saúde:

______________

Informe-se sobre o processo de doação de órgãos e tecidos
Transplantes


Para ser doador, não é necessário deixar documento por escrito. Caberá aos familiares autorizar a retirada dos órgãos

 

O número de doadores de órgãos no Brasil cresce cada dia e, com ele, o índice de transplantes realizados no país. Atualmente, o programa público nacional de transplantes de órgãos e tecidos é um dos maiores do mundo. Para ser doador, não é necessário deixar documento por escrito. Cabe aos familiares autorizar a retirada, após a constatação da morte encefálica. Neste quadro, não há mais funções vitais e a parada cardíaca é inevitável.

Embora ainda haja batimentos cardíacos, a pessoa com morte cerebral não pode respirar sem ajuda de aparelhos. O processo de retirada dos órgãos pode ser acompanhado por um médico de confiança da família. É fundamental que os órgãos sejam aproveitados enquanto há circulação sanguínea para irrigá-los. Mas se o coração parar, somente as córneas poderão ser aproveitadas.

Quando um doador efetivo é reconhecido, as centrais de transplantes das secretarias estaduais de saúde são comunicadas. Apenas elas têm acesso aos cadastros técnicos de pessoas que estão na fila. Além da ordem da lista, a escolha do receptor será definida pelos exames de compatibilidade com o doador. Por isso, nem sempre o primeiro da fila é o próximo a ser beneficiado. As centrais controlam todo o processo, coibindo o comércio ilegal de órgãos.

A doação é regida pela Lei nº 9.434/97. É ela quem define, por exemplo, que a retirada de órgãos e tecidos de pessoas mortas só pode ser realizada se precedida de diagnóstico de morte cerebral constatada por dois médicos e sob autorização de cônjuge ou parente.

Para ser doador é preciso:

• Ter identificação e registro hospitalar;

• Ter a causa do coma estabelecida e conhecida;

• Não apresentar hipotermia (temperatura do corpo inferior a 35ºC), hipotensão arterial ou estar sob efeitos de drogas depressoras do Sistema Nervoso Central;

• Passar por dois exames neurológicos que avaliem o estado do tronco cerebral. Esses exames devem ser realizados por dois médicos não participantes das equipes de captação e de transplante;

• Submeter o paciente a exame complementar que demonstre morte encefálica, caracterizada pela ausência de fluxo sangüíneo em quantidade necessária no cérebro, além de inatividade elétrica e metabólica cerebral;

• Estar comprovada a morte encefálica. Situação bem diferente do coma, quando as células do cérebro estão vivas, respirando e se alimentando, mesmo que com dificuldade ou um pouco debilitadas.

Observação: Após diagnosticada a morte encefálica, o médico do paciente, da Unidade de Terapia Intensiva ou da equipe de captação de órgãos deve informar de forma clara e objetiva que a pessoa está morta e que, nesta situação, os órgãos podem ser doados para transplante.

Quais órgãos podem ser doados?

• Coração (retirado do doador antes da parada cardíaca e mantido fora do corpo por no máximo seis horas);

• Pulmões (retirados do doador antes da parada cardíaca e mantidos fora do corpo por no máximo seis horas);

• Rins (retirados do doador até 30 minutos após a parada cardíaca e mantidos fora do corpo até 48 horas);

• Fígado (retirado do doador antes da parada cardíaca e mantido fora do corpo por no máximo 24 horas);

• Pâncreas (retirado do doador antes da parada cardíaca e mantido fora do corpo por no máximo 24 horas);

• Valvas Cardíacas

Quais tecidos podem ser doados?

• Córneas (retiradas do doador até seis horas depois da parada cardíaca e mantidas fora do corpo por até sete dias);

• Medula óssea (se compatível, feita por meio de aspiração óssea ou coleta de sangue);

• Pele (retirada do doador até seis horas depois da parada cardíaca);

• Cartilagem (retirada do doador até seis horas depois da parada cardíaca);

• Ossos (retirados do doador até seis horas depois da parada cardíaca e mantidos fora do corpo por até cinco anos);

• Sangue

Doadores vivos

A doação de órgãos também pode ser feita em vida para algum membro da família ou amigo, após avaliação clínica da pessoa. Nesse caso, a compatibilidade sangüínea é primordial e não pode haver qualquer risco para o doador. Os órgãos e tecidos que podem ser retirados em vida são rim, pâncreas, parte do fígado, parte do pulmão, medula óssea e pele.

Para doar é necessário:

• Ser um cidadão juridicamente capaz (maior de 18 anos ou menor de idade antecipado, com condições de saúde que não comprometam a manifestação válida da sua vontade);

• Estar em condições de doar o órgão ou tecido sem comprometer a saúde e aptidões vitais;

• Apresentar condições adequadas de saúde, avaliadas por um médico que afaste a possibilidade de existir doenças que comprometam a saúde durante e após a doação;

• Querer doar um órgão ou tecido que seja duplo, como o rim, e não impeça o organismo do doador continuar funcionando;

• Ter um receptor com indicação terapêutica indispensável de transplante

• Ser parente de até quarto grau ou cônjuge. No caso de não parentes, a doação só poderá ser feita com autorização judicial.

Quem não pode doar?

• Pacientes portadores de doenças que comprometam o funcionamento dos órgãos e tecidos doados, como insuficiência renal, hepática, cardíaca, pulmonar, pancreática e medular;

• Portadores de doenças contagiosas transmissíveis por transplante, como soropositivos para HIV, doença de Chagas, hepatite B e C, além de todas as demais contra-indicações utilizadas para a doação de sangue e hemoderivados;

• Pacientes com infecção generalizada ou insuficiência de múltiplos órgãos e sistemas;

• Pessoas com tumores malignos – com exceção daqueles restritos ao sistema nervoso central, carcinoma basocelular e câncer de útero – e doenças degenerativas crônicas.

Fonte:
Ministério da Saúde

Vange era muito maior que isso tudo. Minha sincera e singela homenagem

olhos06bi2Escrevo sob forte emoção, fortes lembranças e muita tristeza. Muita.

Vange para mim é Vange e Cilmara, minha querida amiga do banco da faculdade. Agora precisamos apoiar Cilmara.

Vange era coragem, humor, força, criação. Uma das primeiras libertárias dessa hipocrisia sexual que impera. Quando assumiu sua sexualidade, foi posta de lado como cantora. É.

Mas aí ela saiu por aí, liderando, escrevendo, teatrando. Ultimamente não estávamos na mesma vibe política, mas sempre nos respeitamos, com muito amor que ela me mandava cada vez que nos comunicávamos, mais pelo Twitter, onde ela se destacou.

Fui feliz em indicá-la , lá em 1994, para que escrevesse uma coluna sobre o movimento gay, para a então recém-lançada Revista Sui Generis. Dali , ela foi pra o mundo, para a Folha de S. Paulo, para o ativismo.

Vou ter saudades das festas, do sorriso, da musicalidade, dos  cabelinhos enroladinhos, das reuniões de bruxinhas, alguns bruxinhos.

Escrevo agora. Não quero perder tempo em homenageá-la, tem de ser agora.

Vou atrás da Cilmara para abraçá-la, confortá-la, ela – essa grande companheira que tenho certeza Vange teve todos esses dias, anos, e como sei o quanto uma cuidava da outra.

Vá em paz, amiga. Vá em paz!Você não era gente para sofrer. Não era.

Meu beijo tardio. Beijo tardio, sereia. Beijo das grandes mulheres que você representou.

——–foto VejaA cantora Vange Leonel em 2005

Morre a cantora, escritora e ativista LGBT Vange Leonel
Causa da morte foi a metástase de um câncer no ovário

FONTE: ROLLING STONES

A cantora, escritora e ativista LGBT Vange Leonel morreu aos 51 anos na tarde desta segunda-feira, 14, em São Paulo. Há 20 dias ela descobriu um câncer no ovário, com metástase na membrana que envolve os órgãos da região abdominal. Vange estava internada no hospital Santa Isabel, setor particular da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo. A informação foi confirmada no Twitter da jornalista Cynara Menezes e pelo site da Veja SP.

Vange era casada há 28 anos com a jornalista Cilmara Bedaque. Juntas, elas mantinham um blog sobre cerveja no site da revista Carta Capital. “Um sentimento que deixa partir / Tendo a certeza da liberdade do amor. Ela então sonhou que era livre / Do cateter, das agulhas em suas veias, do buraco em seu peito. Eu só pude dizer: você é livre”, escreveu ela no Twitter.

A artista começou a carreira na música como vocalista da banda de rock pesado Nau, que em 1987 lançou o primeiro disco (homônimo). Como integrante do grupo, ela participou também da coletânea independente Não São Paulo II, que saiu pelo selo Baratos Afins.

Em 1991 chegava às lojas o primeiro disco solo dela, Vange, que teve grande sucesso comercial. O single “Noite Preta” foi tema de abertura da novela Vamp, exibida pela Rede Globo. Do álbum também faziam parte faixas como “Mulher Lobo” e “Esse Mundo”, além de uma versão para “Divino Maravilhoso”, de Caetano Veloso e Gilberto Gil. Vermelho, segundo trabalho solo da cantora, chegou às lojas em 1995, mas não teve o mesmo êxito.

 

Como escritora, Vange lançou os livros Lésbicas (1999), Grrrls: Garotas Iradas (2001), As Sereias da Rive Gauche (2002) e Balada para as Meninas Perdidas (2003).

RIP Adão Palmeiro, um grande Mestre de minha vida e de muitas outras pessoas. Uma luz a menos do nosso caminho

2012-09-01-767

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Troféu Zumbi dos Palmares, Adão Palmeiro

2012-09-01-755eu, com Pai Adão e Dona Elvira

2012-09-01-753Carlucho com pai Adão no aniversario de 80 anos

DAQUI DO MEU CANTO, SÓ DIGO QUE ESTOU MUITO TRISTE, MAS SEI QUE SEMPRE O TEREI ME PROTEGENDO

RIP Nagisa Oshima, de O Império dos Sentidos, que fez um ovo ser sensual entre outras…Assista um trecho.

O conheci quando esteve no Brasil, nos Anos 80. Muito interessante…

Nagisa Oshima, diretor de ‘O império dos sentidos’, morre aos 80 anos

Cineasta japonês morreu por conta de uma pneumonia, informou a NHK.
Ele foi um dos responsáveis pela ‘nova onda’ do cinema no Japão.

 

Do G1, em São Paulo, com informações da EFE

 
Cineasta japonês Nagisa Oshima no Festival de Cannes 2000 (Foto: Jack Guez/AFP)Cineasta japonês Nagisa Oshima no Festival de
Cannes 2000 (Foto: Jack Guez/AFP)

O cineasta japonês Nagisa Oshima, diretor de filmes como “O império dos sentidos” (1976) e “Furyo, em nome da honra” (1983), morreu aos 80 anos em um hospital de Kanagawa, ao sul de Tóquio, por causa de uma pneumonia, informou nesta terça-feira (15) a rede pública de televisão NHK.

Considerado um dos diretores mais ousados e controversos do Japão, Oshima foi, nos anos 60, um dos emblemáticos realizadores da chamada “nova onda” japonesa e, em décadas seguintes, tornou-se um dos nomes mais importantes do cinema de seu país.

Entre outros longas importantes dentro de sua filmografia estão “Tabu” (1999) – seu último longa –, “Koshikei” (1968) e “O império da paixão” (1978). O já citado “Furyo, em nome da honra” tem no elenco os músicos David Bowie e Ryuichi Sakamoto (da banda Yellow Magic Orchestra).

O cineasta era casado com a atriz Akiko Koyama, que o acompanhava no momento de sua morte hoje às 15h25 (horário local, 4h25 em Brasília) no hospital de Fujisawa, em Kanagawa, segundo a NHK. Oshima tinha sofrido uma hemorragia cerebral em 1996 que lhe causou uma paralisia e o obrigou a seguir uma longa reabilitação, embora em 1999 tenha voltado à direção com o filme “Tabu”, seu último longa-metragem.

Nascido em Okayama em março de 1932, Nagisa Oshima estudou Direito na Universidade de Kioto, onde se destacou por seu ativismo de esquerda e desenvolveu seu gosto pela literatura e pelo teatro. Ao concluir seus estudos, entrou para uma produtora local, mas poucos anos depois, desencantado, criou sua própria companhia, que fracassaria comercialmente e o obrigaria a trabalhar para a televisão.

Nos anos 60 se consolidou como uma das figuras mais críticas da sociedade e da política de seu tempo, que denunciava em filmes que frequentemente tinham como protagonistas personagens rebeldes ou criminosos. “O império dos sentidos” (1976) o consagrou em nível internacional. O filme, com um forte conteúdo sexual, foi censurado no Japão e rejeitado no Festival de Cinema de Nova York, mas obteve o Prêmio Internacional do Festival de Cinema de Cannes e um amplo reconhecimento internacional.

As obras do cineasta japonês foram objeto de homenagem em vários certames, entre eles o Festival de Internacional de Cinema de San Sebastián, que em novembro do ano passado anunciou que em sua próxima edição Oshima será objeto de uma retrospectiva que reunirá todos seus longas-metragens para o cinema.

RIP ABDIAS DO NASCIMENTO. MORRE O MAIOR LÍDER DO MOVIMENTO NEGRO BRASILEIRO

do uol

Morre aos 97 anos o líder negro Abdias do Nascimento

DE SÃO PAULO

 

Morreu na manhã desta terça-feira, no Rio de Janeiro, o ativista do movimento negro Abdias do Nascimento, 97. Ex-deputado, secretário estadual e senador, Abdias foi também pintor autodidata, escritor, jornalista, poeta e ator.

Ele estava internado desde abril. Ainda não há informação sobre a causa da morte e do horário do enterro.

Fernando Rabelo-3.jun.10/Folhapress
O defensor das causas negras e ex-senador Abdias do Nascimento, faleceu nesta terça-feira, aos 97 anos
O defensor das causas negras e ex-senador Abdias do Nascimento, faleceu nesta terça-feira, aos 97 anos

Sua defesa dos direitos humanos dos afrodescendentes lhe rendeu uma indicação ao Prêmio Nobel da Paz em 2010.

Em março deste ano, esteve entre as lideranças negras convidadas para o encontro com o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, no Rio de Janeiro.

Na ocasião, Nascimento afirmou: “a visita do Obama é importantíssima para aprofundar as relações entre o Brasil e os EUA. O fato deles terem eleito um presidente negro é uma lição para o Brasil”.

Foi dele a sugestão de instituir, em São Paulo, o Dia da Consciência Negra, comemorado em 20 de novembro desde 2006.

POLÍTICA

Abdias do Nascimento foi o primeiro deputado federal do país a se dedicar à defesa dos direitos dos afro-brasileiros, de acordo com o PDT, sigla que o ativista representou no Congresso. Ele assumiu o cargo em 1983, eleito pelo Rio de Janeiro. Em seu mandato de quatro anos, segundo dados da Ipeafro (Instituto de Pesquisas e Estudos Afro-Brasileiros), foi de autoria de Nascimento o primeiro projeto de lei de políticas afirmativas da história do Brasil.

O ativista também foi suplente de antropólogo Darcy Ribeiro no Senado e assumiu a cadeira entre 1991 e 1992 e de 1997 a 1999.

Abdias nasceu em 14 de março de 1914 na cidade de Franca, localizada no interior de São Paulo, a 400 km da capital. Filho de uma doceira e de um sapateiro, viveu a maior parte da vida no Rio de Janeiro, onde se formou em economia.

Começou a militar na década de 30, quando ingressou na Frente Negra Brasileira. Em uma viagem pela América do Sul com um grupo de poetas, assistiu a um espetáculo onde um ator branco pintava o rosto para interpretar um negro.

O episódio marcou Abdias e o levou a fundar o Teatro Experimental do Negro, em 1994, após ter cumprido pena na penitenciária do Carandiruo, preso pelo governo de Getúlio Vargas por resistir a agressões racistas.

O Teatro Experimental do Negro formou a primeira geração de atores e atrizes afrodescendentes do Brasil, e também contribuiu para a criação da literurgia dramática afro-brasileira.

Abdias se encontrava nos Estados Unidos quando o regime militar promulgou o Ato Institucional nº 5 e, por causa de diversos inquéritos policiais dos quais era alvo, foi impedido de retornar ao Brasil.

Seu exílio durou 12 anos.

Além do Teatro Experimental do Negro, o legado de Abdias inclui também o Ipeafro, fundado por ele em 1981, o jornal “Quilombo”, criado em 1968 e mais de 20 livros publicados durante várias décadas.

Além da indicação ao Prêmio Nobel da paz, Abdias recebeu honrarias dos Estados Unidos, Nigéria, México, Unesco e ONU. No Brasil, recebeu das mãos do então presidente Luiz Inácio Lula da Silva a Ordem do Rio Branco, no grau de Comendador –a honraria mais alta outorgada pelo governo brasileiro.

Vai, lacraia, vai Lacraia! E ela foi. RIP.

UM POUCO DO TRASH DIVERTIDO

Morre dançarina de funk Lacraia
Muito emocionado, o ex-companheiro de Lacraia, Mc Serginho, exaltou a dançarina: ‘Não fui a lugar nenhum sozinho’.Juliana Maselli Do EGO, no Rio
Marco Aurélio Silva da Rosa, mais conhecido como a dançarina de funk Lacraia, morreu, aos 34 anos, na madrugada desta terça-feira, 10. A informação foi dada em primeira mão pelo promoter David Brazil, em seu Twitter.
“Ô meu pai celestial, acabei de receber uma noticia tão triste, a animadíssima Lacraia faleceu hoje às 5 da manhã. Que Deus a tenha! Não sei a causa, ela estava dodói, cheguei a visitá-la na sexta feira. Hoje cedo sua irmã me ligou dando a triste notícia” escreveu no microblog.
A dançarina estava internada no Hospital Universitário Gaffrèe Guinle, na Tijuca, na Zona Norte do Rio, com uma doença crônica. Procurado pelo EGO, David não quis comentar qual era a doença e nem o hospital foi autorizado pela família a divulgar a causa da morte. Mais tarde, David escreveu no Twitter que a causa da morte seria tuberculose – o que o hospital não confirmou – e afirmou que o velório e o enterro ocorreriam no cemitério do Inhaúma, no Rio.
Lacraia fazia dupla com o MC Serginho e ganhou destaque em 2002 com os hits “Vai, Lacraia!” e “Eguinha Pocotó”. Ao conversar com o EGO, Serginho não conteve as lágrimas ao falar sobre a ex-companheira.
“Fiquei sabendo agora há pouco”, disse o funkeiro, emocionado, ao começar a falar sobre Lacraia. “Nós trabalhamos juntos até dois anos atrás, mas depois eu segui meu caminho e ela o dela. Lacraia queria trabalhar como DJ de música eletrônica e foi correr atrás. Não a visitei no hospital porque estávamos afastados. Moramos na mesma comunidade, o Jacarezinho, mas nunca mais tínhamos nos visto. A família quis esconder o que estava acontecendo com ela e eu fiquei acompanhando só de longe. Foi a vontade de Deus, infelizmente. Não fui a lugar nenhum sozinho, nós fizemos tudo juntos”, afirmou o MC.
Ainda no Twitter – onde a notícia alcançou o primeiro lugar nos assuntos mais comentados do Brasil e quinto lugar nos mais comentados do mundo -, Solange Gomes e a ex-BBB Thalita Lippi lamentaram a morte: “Que notícia triste, meu Deus! A Lacraia era só alegria. Nunca a vi chorar!”, comentou Solange. “Dei boas risadas com a Lacraia! Que ela descanse em paz!”, escreveu Thalita.

A funkeira Perlla também comentou: “Que Deus conforte o coração da família da Lacraia. Neste momento só precisamos de pessoas ao nosso lado nos dando certeza do quanto somos e mesmo partindo, continuamos queridos. Lacraia descanse em paz, vc nos trouxe mta alegria. Será nossa eterna Lacraia. Descanse em paz.”
Preta Gil também falou sobre a morte no Twitter e contou que Lacraia sempre ia aos seus shows: “Acabei de saber que perdemos a Lacraia, uma pessoa maravilhosa. Foi inúmeras vezes no meu show, sempre carinhoso, adorava ele. Estou triste de verdade. Ele era hilário, muito pintosa. Animava a Noite Preta, sentirei sua falta, que descanse em Paz!!!”