25 DE OUTUBRO, 14H30, PRAÇA DA SÉ. ATO EM HOMENAGEM A VLADO HERZOG – ASSASSINADO PELA DITADURA HÁ 40 ANOS – PROMETE EMOCIONAR, E MUITO

Vladimir Herzog – 40 anos

“Lembrar é preciso, Respeitar é preciso, Cantar é preciso…”
Ato Inter-religioso pela PAZ, pela VIDA e CONTRA a VIOLÊNCIA
Convite_Vladimir_Herzog_40_anos_sequencia
O evento irá homenagear o jornalista Vladimir Herzog, assassinado pela ditadura em 25 de Outubro de 1975, lembrando os 40 anos do grande Ato Inter-religioso celebrado em sua memória em 31 de Outubro do mesmo ano, conduzido por Dom Paulo Evaristo Arns, pelo rabino Henry Sobel e pelo pastor James Wright, no qual oito mil pessoas enfrentaram o medo e o cerco militar para dizer “Basta!” de viva voz. Por sua grandeza e pela imensa participação popular, esse ato constituiu a forte inflexão que deu início à derrocada da ditadura e à construção da democracia brasileira.
Iniciativa do Instituto Vladimir Herzog e da Arquidiocese de São Paulo, o Fórum Coral Paulistano com o apoio do Projeto Canta São Paulo e o Coro Luther King, sob direção artística do Maestro Martinho Lutero Galati (Maestro do Teatro Municipal de São Paulo), promoverão um ato pela Paz e pelos Direitos Humanos. Será um encontro de artistas cidadãos e de cidadãos artistas. Será um concerto feito de canções de resistência que imortalizaram personagens e fatos da História recente do Brasil e da América Latina. Será uma missa criolla, uma prece multicultural, uma oração de todos os homens e de todos os credos, numa só voz.
*Mais de 600 cantores confirmados.
Evento gratuito e aberto ao público.

Confirme sua presença e convide seus amigos e familiares no evento: https://www.facebook.com/events/1672857689658584/

Compartilhe a #vlado40anos
http://www.vladimirherzog.org/vlado40anos

Ehhh! Lá vem! Militares, alguns deles, querem explodir novela do SBT

 

https://i0.wp.com/natelinha.uol.com.br/img/pag/315x265/img20110409161633.jpg

A novela “Amor e Revolução” vem rendendo na internet, apesar de a audiência ainda estar aquém do esperado na TV.

Desta vez, um portal militar resolveu fazer um abaixo-assinado contra a novela de Tiago Santiago, que aborda o período da ditadura militar no Brasil.

Os donos do site querem que a trama seja proibida de ir ao ar no SBT.

No texto, os autores dizem que “é óbvio que o governo federal através da comissão da verdade, recém criada, está participando do acordo em exibir a novela Amor e Revolução no SBT. Parece-nos que se trata de um acordo firmado com o empresário Silvio Santos, visando o saneamento do Banco Panamericano do próprio empresário. As forças armadas não devem permitir, dentro da legalidade, que tal novela seja exibida, pelos motivos óbvios abaixo declarados. Convém salientar que as forças armadas já se manifestaram negativamente a respeito da novela Amor e Revolução”.

E completam: “sendo assim, o efetivo da forças armadas, tanto da ativa como inativos e pensionistas, vêm respeitosamente através desse abaixo assinado, como um instrumento democrático, solicitar do digno Ministério Público Federal, representado acima, providências em defesa da normalidade constitucional, vista o cumprimento da lei de anistia existente, conforme já decidiu o Supremo Tribunal Federal. Nestes termos pede deferimento em caráter urgentíssimo”.

Procurado pelo NaTelinha, o novelista Tiago Santiago falou sobre o protesto: “Achei despropositado, porque a novela é respeitosa com as Forças Armadas, mostrando herói militar e oficiais democratas, a favor da legalidade. Em diversos trechos da novela, há menções favoráveis a militares, evidenciando que nem todos participaram do golpe e da violenta repressão à oposição”.

Santiago também comentou sobre a ideia de que a novela foi feita após o saneamento do banco Panamericano: “o argumento de que a novela teria qualquer coisa a ver com o saneamento do Banco Panamericano também não procede. A proposta partiu de mim para o SBT e não vice-versa. Comecei os trabalhos antes de saber que havia qualquer problema com o Banco e antes de saber também que a Dilma seria eleita presidente”.

E concluiu: “enfim, achei uma iniciativa despropositada, que interessa apenas aos criminosos, torturadores e assassinos, que violaram as Convenções de Genebra, nos chamados ’anos de chumbo’ da ditadura militar”.

A colaboradora de Tiago Santiago em “Amor e Revolução”, Renata Dias Gomes, também falou com o NaTelinha. Ela comentou que “felizmente a ditadura e a censura acabaram e hoje a gente pode contar uma história sem medo. Ou deveria poder”.

http://natelinha.uol.com.br/noticias/2011/04/09/161512.php