Mundinhos particulares. Por Marli Gonçalves

 

Andei rassudocando esses dias – gosto muito dessa palavra, rassudocar, e que também significa refletir, pensar, mas que a mim sempre parece mais profunda, tipo ir longe pensando, solto – sobre como está cada vez visível a formação de mundinhos particulares. Muitos, muitos tipos, grupos, turmas, e também, infelizmente, mundinhos de classes sociais, de opiniões políticas…

Imagem relacionada

Outro dia, passando a pé por um bairro cheio de tititi aqui de São Paulo de nome esquisito, e que a mim só lembra trânsito, buzina, o Itaim Bibi, foi a primeira vez que reparei em um desses acentuados mundinhos particulares que vêm se formando, o de classes sociais. Todo mundo vestido no mesmo padrão, roupas de marcas (bem expostas, inclusive, para todo mundo saber que marcas, calcular o valor), cores padrão, neutras, como diria o meu irmão, os homens são “Josés Serras”, blusa azul, calça bege. Tem também, claro, a versão “João Doria”, camisa branca engomada, o casaquinho jogado nas costas, sempre de cores celestiais, azulzinho, amarelinho, verdinho.

Reparei também no olhar… um olhar, um ar superior, não sei como não tropeçam nas calçadas esburacadas. Capazes de passar por cima de você, os jovens mais ainda, não se desviam, como se o outro fosse trespassável; se estiverem ao celular não preciso nem descrever.

Muito louco porque parecem mesmo saídos todos de uma mesma forma, ou melhor, de uns três tipos de formas, no máximo. Poucos nas ruas a pé, aliás. Ali é lugar que se usa o carro. Então, reparei muito também nos bares cheios dessa juventude dourada, em plena tarde de um dia de semana, como se não houvesse amanhã. As mulheres, com os cabelos lisos, fluídos, nos quais constantemente passam os dedos em toda a extensão, não sei como não se cansam, e também não sei como os cabelos não caem aos tufos de tanto serem puxados para manterem-se lisos, grande parte em matizes de loiro dégradée. É um tique. De onde é que pegaram isso? – pode ser das influenciadoras digitais? Já não é mais aquele charme, instrumento de sedução, sinal, quando a mulher mexia no cabelo quando se interessava por alguém.

Mas quero falar de outros mundinhos, de como acaba que todo mundo está falando só com seus iguais, juntos, em bolhas. Só deixam suas bolhas particulares, em alguns casos, para tentar furar o olho e a bolha do outro, especialmente se o assunto é a política. Os que vem defendendo de unhas e dentes o atual governante, se pudessem cortavam as cabeças de quem se opõe, e que logo é chamado de petista, mesmo que deteste o Lula e seus etcs. Por outro lado, nós adoraríamos apenas que nos ouvissem, porque argumentos não faltam para chamá-los à razão. Aí rola o stress, a provocação, e, ainda, o fim de amizades. Sim, ainda, porque chegou no limite e não dá, por exemplo, para gostar de alguém que goste de alguém que goste de um torturador sanguinário, assassino, entre outros disparates.

As bolhas estão se formando e explodindo. São muitas, em muitos outros assuntos, formando guetos. Bolhas de opções sexuais, bolhas de gêneros, bolhas de raças, bolhas de redes sociais, como se cada uma delas pudesse sobreviver sozinha.

Não podem. Bolhas estouram e a gente pode estar juntos dentro de uma delas, algo que nos una, como a bolha da economia que, furada, vai fazer sobrar geleca para todos, raças, cores, credos, classes, sexos e opções, posições, seja o que for. A mundial anda tremelicando. E não é de sabão.

_______________________________________________________________

FOTO: Gal Oppido

MARLI GONÇALVES – Jornalista, consultora de comunicação, editora do Site Chumbo Gordo, autora de Feminismo no Cotidiano- Bom para mulheres. E para homens também, pela Editora Contexto. Lançamento oficial 20 de agosto, terça-feira, a partir das 19 horas na Livraria da Vila, Alameda Lorena, São Paulo, SP. Já à venda nas livrarias e online, pela Editora e pela Amazon.

marligo@uol.com.br / marli@brickmann.com.br

_____________________________________________________________________

ME ENCONTRE

 (se republicar, por favor, se possível, mantenha esses links):

https://www.youtube.com/c/MarliGon%C3%A7alvesjornalista

(marligoncalvesjornalista – o ç deixa o link assim)

https://www.facebook.com/BlogMarliGoncalves/

https://www.instagram.com/marligo/

ARTIGO – A liberdade é trans-lúcida. Por Marli Gonçalves

 

Polêmicas coloridas. Nunca as cores foram tão visadas. Que rosa e azul, que nada! O verde e o amarelo estão na berlinda. O laranja anda sumido. O vermelho, coitado, ainda bem que pelo menos foi liberado para a passagem de ano, porque alguém descobriu que podia dar sorte e porque é a cor de Ogum, o santo guerreiro que regerá este ano.

 

 Imagem relacionada

Deixem o branco e o negro em paz; os vermelhos em suas terras. Os verdes, livres para cuidar do meio ambiente. Os do arco-íris vivendo suas vidas. Os religiosos com seus mantos e adereços roxos. Continuem mantendo o marrom longe dos olhos de Roberto Carlos. Chega de cinzas na vida, nos carros, nas paredes, nos prédios das cidades.

Sabiam que existem apenas três cores “verdadeiras”? O amarelo, o azul e o vermelho. Nada, nenhuma mistura pode criá-las, mas são elas que criam todas as outras cores. O azul e o amarelo, juntos, criam o verde; o vermelho e o amarelo, o laranja; o azul e o vermelho, o roxo. A partir daí as primárias e secundárias se fundem e criam a miríade.

Porque não levamos em conta essa liberdade infinita na vida real? Para que ficar batendo na tecla do controle da liberdade, de coisas que nos são tão caras, pelas quais a humanidade luta há tanto tempo? De onde vem essa mania humana de limitar as pessoas, dividi-las, ordená-las, literalmente? Rotulá-las, etiquetá-las?

O Brasil é um país reconhecidamente multicolorido, multifacetado, feliz por isso, composto de povos de todo o mundo. Preocupa perceber que podem tentar a hegemonia de um pensamento, o incentivo e aplausos a uma religião, forçando a barra e impulsionando perigosos conflitos em um momento em que tudo o que precisamos é do branco, da Paz. A junção de todas as cores do espectro, a clareza máxima, a que reflete e ilumina.

Peraí, alô! – que como já ando cansada de levar bordoadas de todos os lados, presta atenção que não estou falando só nem do novo governo, nem dos ministros despreparados e da ministra (tão poucas mulheres e vejam só a que está lá) desavisada.

Estou falando de você também, você que vive dizendo que mulher pode isso, não pode aquilo. Que aponta o dedo e dá aquela risadinha morfética quando encontra pessoas livres – sejam de idade, modos, referências, aquelas que não estão nem aí, porque não saíram para você gostar delas, elas se bastam – pelas ruas. Claro, você pode gostar ou não. Mas jamais dizer que elas não poderiam estar assim ou assado. Quem disse?

É muito jeca um país que fica batendo palminhas para uma primeira dama só porque ela apareceu com “vestido adequado”, aliás, rosinha, neutrinho, bonitinho, bobinho. Adequado para o quê? Para quem? Para uma “jovem senhora” (me dá até alergia essa expressão), para uma evangélica? De outro lado, desceram o pau na vice-segunda dama que apareceu de azul com rendas, sem ser tão bonita, etc, etc, etc. Ela ousou. Palmas para ela. Me fizeram lembrar umas dessas consultoras de etiqueta que há algum tempo decretou que “não se mostra os braços em solenidades”. Essa zinha deve ter ficado bem incomodada com a Michele Bolsonaro e com todas as outras que apareceram com seus ombros descobertos e decotadas na posse, naquele assombroso dia de verão.

Creio que ainda será preciso percorrermos uma longa estrada até alcançarmos um país melhor, socialmente justo, especialmente livre e responsável.

A cultura da liberdade individual, um bem que temos de prezar. A liberdade é translúcida, deixa passar a luz. Ilumine-se.

———————————

Marli Gonçalves, jornalista – Viva e deixe viver. Eles e elas passam. Que Ogum nos proteja dos desvarios.

Brasil, 2019!

marligo@uol.com.br / marli@brickmann.com.br

 

ME ENCONTRE (se republicar, por favor, mantenha esses links):
https://www.youtube.com/c/MarliGon%C3%A7alvesjornalista
(marligoncalvesjornalista – o ç deixa o link assim)
https://www.facebook.com/BlogMarliGoncalves/
https://www.instagram.com/marligo/?hl=pt-br
www.chumbogordo.com.br
https://marligo.wordpress.com

#ADEHOJE, #ADODIA – LIBERDADE PARA AS CORES E PARA NÓS!

#ADEHOJE, #ADODIA – LIBERDADE PARA AS CORES E PARA NÓS!

Amigos, a gente já sabe que vários ministros do novo governo têm pensamentos estranhos, para nós, e mesmo para muitos dos que votaram no candidato eleito que foi quem os escolheu. Podemos zoar com eles o tempo que quisermos. Mas também é necessário que se pense e repense sobre vários pensamentos que ocorrem no nosso meio. Quem pode isso, quem pode aquilo, que roupa tem de usar com que idade. Mulheres, de rosa, azul, verde ou amarelo, seja com o próprio arco-íris, são vítimas. Deixe-nos livres para decidir sobre nossas vidas! Pensem nisso!

 

INTERESSANTE! roupas feitas por presos de Guarulhos na SPFW

SPFW apresenta desfile com coleção desenvolvida por detentos

Projeto Ponto Firme já formou mais de 100 alunos em Guarulhos

 

O Calendário Oficial da Moda Brasileira – São Paulo Fashion Week apresenta dentro da sua agenda oficial o projeto Ponto Firme, criado pelo designer e artesão Gustavo Silvestre, que oferece aulas de crochê para detentos na penitenciária Desembargador Adriano Marrey, em Guarulhos (SP). Este importante trabalho de capacitação resultou em uma coleção criada e desenvolvida pelos detentos que será desfilada no dia 21 de abril e trará peças inéditas para a passarela.

Há mais de dois anos, o Projeto Ponto Firme leva formação técnica artesã, além de arte, cultura e educação para os sentenciados da penitenciária masculina. O tempo dedicado às aulas contribui para a ressocialização, além de ajudar no desenvolvimento da concentração por meio de uma terapia manual. Os detentos participantes ganham certificação e também remissão de pena. Nesse período, mais de 100 alunos já se formaram com o Ponto Firme.

“Quando começamos o projeto o foco do trabalho era ensinar a técnica do crochê e oferecer uma alternativa para eles se profissionalizarem. Com o passar do tempo, percebi que era possível desenvolver uma coleção de roupas e começamos a trabalhar com força e aumentar o tempo de oficina. O desfile no SPFW nos permitirá mostrar outros caminhos possíveis de reintegrá-los na sociedade, valorizando o trabalho de forma criativa”, afirma Gustavo Silvestre.

A coleção que será apresentada no SPFW é resultado do trabalho de nove meses desenvolvido por uma turma de 20 alunos, coordenados por Gustavo Silvestre, inspirados no dia a dia dos detentos na penitenciária e no sonho de liberdade.

“O SPFW tem como premissa transformação, educação e formação. Ter esse projeto dentro do evento reafirma nosso compromisso com a sociedade de mostrar que a moda, o design, o fazer criativo podem realmente mudar a vida das pessoas”, ressalta Paulo Borges, diretor criativo do SPFW.  

Após o desfile no SPFW, as peças da coleção serão expostas no Museu da Resistência de São Paulo, instituição conectada à Pinacoteca do Estado de São Paulo. O projeto Ponto Firme conta com o apoio da Prefeitura de Guarulhos e Secretaria de Administração Penitenciária, In-Mod, SPFW, Linhas Círculo, Melissa e Novelaria. 

Assista aos desfiles da temporada ao vivo em: ffw.com.br/SPFW

FONTE : ASSESSORIA DE IMPRENSA SPFW

Aplausos para elas!!!!!! Servidoras protestam contra as fiscais do alheio!( Da Folha de SP)

aplausos02Servidoras protestam contra tentativa da Câmara de regular vestimenta

DE BRASÍLIA

Envoltas em lenços com o objetivo de simular burcas e sob o coro “cuida do seu decoro, que eu cuido do meu decote”, cerca de 30 servidoras da Câmara dos Deputados realizaram um protesto na manhã desta quarta-feira (9) contra a tentativa de aprovação de um código de vestimenta para banir minissaias e decotes mais ousados dos corredores e salões da Casa.

As servidoras se reuniram na ala de acesso às comissões da Câmara e portavam cartazes contra a tentativa do “dress code” parlamentar.

A medida está sendo estudada pela Mesa da Câmara a pedido de parte da bancada de deputadas, que tem manifestado desconforto com o que elas consideram como “abuso” por parte de algumas servidoras e visitantes. A autora da ideia de regular o tamanho de decotes e saias, entre outros pontos, é a deputada Cristiane Brasil (PTB-RJ), filha do ex-deputado Roberto Jefferson, condenado no mensalão.

“Tenho 30 anos de Câmara e agora querem medir o meu decote?”, disse, em tom indignado, a servidora Dirnamara Guimarães, 49, que é concursada e trabalha na Comissão de Constituição e Justiça. Em seu telefone celular, ela mostrou a página criada no Facebook –”Cuida do seu decoro, que eu cuido do meu decote”–, que até o final da manhã desta quarta já contava com 453 adesões.

“É um absurdo que com tantos problemas graves pelos quais o país passa parlamentares se preocupem com as roupas que as pessoas entram aqui, que é um lugar que tem que ser de livre e amplo acesso. É preciso mais ética e menos estética”, disse a servidora Jacinta Luiza, 54, também concursada, e que trabalha no Centro de Documentação e Informatização da Casa,

Apenas dois deputados, Jean Wyllys (PSOL-RJ) e Érika Kokay (PT-DF), participaram da manifestação.

O “dress code” da Câmara está sendo elaborado pelo deputado Beto Mansur (PRB-SP), primeiro-secretário da Casa, que irá apresentar uma proposta à Mesa. O órgão é comandado pelo presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), que é evangélico e defende posições conservadoras na área dos costumes.

aplausos02

———–

JÁ LERAM MEU ARTIGO SOBRE ESSE ASSUNTO?

CLICA AQUI: DEPUTADA, FAÇA-ME O FAVOR.aplausos!

Dia das Mães no El Gran Bazar! Preços legais e bons negócios

vestidos 2Bazar na Rua Oliveira Dias, 366, rua exatamente atrás da Igreja São Gabriel, no Itaim, faz vendas especiais para o Dia das Mães, com preços que chegam a ser “de mãe”. Peças de 10, 20, 30, 40, 50 e 100 reais, originais e de qualidade. Casacos, casacões, jaquetas, paletós e tricots exclusivos podem ser encontrados entre sugestões para todas as estações do ano. A promoção especial só vai até o dia 10 de maio, próximo sábado. Chegue antes.

estampas especiais em chemises e vestidosEl Gran Bazar! ocupa uma sala no primeiro andar de uma mansão na Rua Oliveira Dias, 366, no Jardim Paulista, SP, e onde também funciona um “Família Vende Tudo” que dá só uma vontade: de comprar tudo. Melhor, com a comodidade de também poder marcar a visita com a Elaine Lanzelotti, especialista em moda, que terá o maior prazer em sugerir peças – entre uma enorme variedade de roupas, sapatos e acessórios de marca, vendidos a preços mais do que justos, justíssimos, baratésimos. Basta ligar para (11) 9-8981-7725.coletes e casaquinhos

É bazar, é brechó, casa de antiguidades e relíquias. É tudo. É vintage e muito mais. Apresenta vestidos, camisas, tricots, saias e blusas, conjuntos, pegnoirs e robes, inclusive em tamanhos maiores. Sapatos, sandálias, botas, acessórios, bolsas. Destaque para as peças de inverno, que se aproxima e deve ser rigoroso.

 

sapatos

Estamos em um espaço maravilhoso numa rua tranquila, arborizada, perto de tudo e, ainda, uma mansão onde em todos os cômodos há verdadeiras joias para decoradores, arquitetos e designers – comenta a jornalista Marli Gonçalves que, ao lado de Elaine Lanzelotti, resolveu juntar tudo de bom em um lugar só. “Dá para se `montar` para qualquer ocasião, com modelos exclusivos, bons tecidos, grandes marcas.

Elaine Lanzelotti, que já trabalha com peças especiais há oito anos foi quem tratou de toda a organização. São roupas, entre outras, do Lino Villaventura, Maria Bonita, DUEE, Cândida Andrade. Mariela Burani. importadas, nacionais, tricôs especiais. Botinhas e botas de cano alto, 7/8, além de roupas novas, mas há algumas peças fashion que podem ser usadas nas produções as mais variadas, do clássico ao arrojado. Também podem servir para produções de cinema, tevê, internet. É só combinar.

bomba de gasolina para enfeiteFAMÍLIA VENDE TUDO – Móveis, salas de jantar, cadeiras inglesas sec.XIX, cadeiras de design em perobinha do campo e jacarandá, mesas de centro e laterais modernas e antigas, lustres e luminárias de diversos estilos, tapetes orientais, sofás e poltronas, aparadores, quadros, fragmentos, bronzes, livros, porcelanas, cristais e pratarias, muitos objetos de decoração e utensílios domésticos. O passeio pode servir para achar aquela peça especial, rara, ou comprar, por exemplo, um Blu-Ray por R$12,00.

SERVIÇO:

EL GRAN BAZAR e FAMÍLIA VENDE TUDO
PROMOÇÃO EL GRAN BAZAR! ATÉ SÁBADO, 10 DE MAIO. HORÁRIOS:

lumináriasEL GRAN BAZAR! – Até sábado, das 11hs às 18hs.
FAMÍLIA VENDE TUDO – 10hs às 17hs, Aberto aos sábados.
LOCAL:
Rua Oliveira Dias, 366, Jardim Paulista, São Paulo- SP
A RUA FICA EXATAMENTE ATRÁS DA IGREJA SÃO GABRIEL, PERTO DE TUDO.
Celular Elaine Lanzelotti: (11) 9-8981-7725 (para marcar horário e atendimento especial)

Imprensa:
Marli Gonçalves
(11)3885-6656 e (11) 9-9468-7878

marligo@uol.com.br // https://marligo.wordpress.com

VISITE NOSSA PÁGINA NO FACEBOOK: https://www.facebook.com/elgranbazarconvida

Que papo é esse? Temer dando ordens na roupa da jovem esposa?

Pincei esse trecho da entrevista do “estilista” André Lama,  quem fez a roupa que Marcela Temer usou na posse presidencial.

O relacionamento, como prevejo, é do tipo papai-filha, ditador-submissa, eu mando aqui?

Ou ele entende de moda e a gente não sabia?

Veja o trecho da entrevista ( coluna Monica Bergamo)

Temer aprovou o modelo?
Se ele não tivesse gostado, Marcela não teria usado.