Adivinhem em quem a Playboy estaria pensando para tirar a roupa…na Sininho. Adiantei algumas imagens

Por a

Amor à causa

Conta o colunista Giba Um que a direção da revista “Playboy” está
agora cogitando para valer convidar a ativista (força de expressão) Elisa
de Quadros Sanzi, a Sininho – arquiteta de manifestações mais violentas
e supostamente especialista em coquetéis molotov –, para aparecer
toda nua em suas páginas. O argumento constante do possível
convite seria que o ensaio poderia chamar mais atenção “para a causa”.
E o dinheiro ajudaria no lanche dos manifestantes.

( NOTA COLUNA AZIZ AHMED )

Os “perigosos vândalos” foram pegos por uma história de amor e traição. Vejam só. Sininho gostava do game over que era casado com uma mina com nome de aristocrata francesa e que foi a alcagueta, Anne Josephine Louise Marie Rosencrantz

do UOL:

Traição amorosa de ativistas ajudou na investigação

Do Rio

  • Sandro Vox/Agência o Dia/Estadão Conteúdo

    Uma traição amorosa na cúpula da organização rotulada pela Polícia Civil e pelo Ministério Público de quadrilha armada ajudou os investigadores a apurar como agia o grupo responsabilizado pelo comando dos protestos violentos que ocorreram no Rio a partir de junho de 2013.

Líder dos manifestantes, Elisa Quadros Pinto Sanzi, a Sininho, é acusada em depoimento de ter roubado o companheiro da ativista Anne Josephine Louise Marie Rosencrantz. Em represália, a traída traiu: relatou à polícia as articulações e os atos praticados pelos mascarados, como a tentativa de incendiar a Câmara de Vereadores.

O depoimento da estudante Anne Josephine, 21 anos, foi prestado na Delegacia de Repressão aos Crimes de Informática em 11 de junho deste ano, na condição de testemunha. Ela contou manter relacionamento antigo com Luiz Carlos Rendeiro Júnior, o Game Over, de 25, indiciado que teve a ordem de prisão revogada pela Justiça anteontem. O casal tem um filho de dois anos.

Desde o ano passado Game Over namora Sininho. Quando ela foi presa em flagrante em outubro, acusada por depredações, o rapaz apareceu, em fotografias, abraçando-a. Sininho, chorosa, estava em um ônibus cheio de detidos. Colocou a cabeça e os braços para fora, agarrando-se ao namorado. Ele, do lado de fora, parecia tentar consolá-la.

A divulgação da imagem incomodou Anne Josephine, que contou ter ouvido de Sininho a confirmação do romance com Game Over. “Sininho diz que ela e Game Over tinham um romance revolucionário”, declarou a depoente.

Manifestantes protestam contra a Copa no Rio de Janeiro4O antagonismo entre Sininho e Anne Josephine acirrou-se no decorrer das manifestações. A estudante contou no depoimento que a rival costumava criticá-la. “Quando começou a frequentar os protestos, Sininho disse que a declarante deveria respeitar a hierarquia do movimento, que teria que conquistar seu espaço e não aproveitar de ser esposa de Game Over”, informa a transcrição do depoimento anexado ao volume três do inquérito policial.

Anne Josephine contou à polícia que parte dos manifestantes, entre eles Game Over, impediu que Sininho consumasse o plano de atear fogo ao prédio da Câmara, na Cinelândia (centro do Rio), na noite de 7 de outubro passado.

“Na época em que começaram os atos violentos nos protestos, a declarante viu Sininho mandando manifestantes buscar três galões de gasolina. (…) Viu Sininho subindo a escada da Câmara e alguns manifestantes atrás dela carregando os três galões, de aproximadamente dez litros de gasolina. Alguns manifestantes comentaram que a atitude de Sininho poderia fazer com que eles fossem presos, que isso não havia sido combinado pelos manifestantes.”

A depoente disse à polícia que “os galões de gasolina seriam utilizados para incendiar a Câmara” e que “Game Over e outros manifestantes ficaram contra Sininho e mandaram retirar os galões.” Ao final do depoimento, Anne Josephine detalha as funções e o comportamento dos manifestantes apontados pela Polícia Civil como líderes da organização. Afirma ainda ter presenciado o consumo de drogas, como cocaína, pelos membros do grupo.


ARTIGO – Feiosinhos e cabulosos. Por Marli Gonçalves

punkSou superfã de histórias em quadrinhos, contos, fábulas, desenhos animados, infantis e adultos, coisas e pessoas diferentes. Portanto, com gente, bichos, personagens, mitos, heróis, monstros e mocinhos criados, mas a partir da imaginação de alguém, ou pelo menos com algum sentido e personalidade. Dito isso, posso mandar ver? Na real estou vendo é um monte de gente se enfeando cada vez mais para se diferenciar, e de uma forma muitas vezes sem volta, tantos furos, tanta tinta no corpo, e sobrando tanto espaço vazio dentro da cabeça! aatatto

Vou tentar explicar essas coisas todas que estamos vendo por outro ângulo. O estético. Jovens estão simplesmente criando caricaturas de si mesmos, clones, como os das histórias e games, para assim, creio, viverem suas aventuras. O problema é quando caem em si e sentem na pele a trombada. A prova disso tem desfilado na nossa frente nesses dias de arrancar máscaras por aí. Eles se enfeiam não só para se manifestar livremente pelas ruas quebrando aqui e ali ou postando fotos nas redes sociais, mas também para serem aceitos em seus grupos, serem diferenciados, os “tais”. Ouviram cantar o galo em algum lugar e vão atrás, como se não houvesse o amanhã. O resultado é que estão se enfeando de uma forma inacreditável, de assustar pobres criancinhas. E muitos assim ficarão eternamente. Sentimos muito.

Moving-picture-ugly-green-dragon-animated-gifNão deixam de ser máscaras. Vejam os dois seres que acenderam o rojão assassino, e que agora parecem mais uns ratos amedrontados por gatos. Um foi reconhecido rapidamente justamente pela tatuagem. O outro, pelo suor e agressividade em protestos. Como as coisas estão novamente – a meu ver – ficando meio, digamos, obscuras, a tia aqui vai lembrar o que fazíamos nos tempos negros. Bobagens preciosas. Jamais usar adesivos, por exemplo, em carros, para não marcá-los, e assim poder despistar os seguidores, sempre em nossos calcanhares. Muito menos tatuagens que naquela época já eram meio caminho andado para a prisão, onde geralmente eram feitas a ferro e fogo.

Sininho3A tal Cininho, esse fio desencapado que nem escreve certo seu próprio apelido, Sininho, e que é tão metida que é capaz de provocar jornalistas em pleno luto, deveria ser é Narizinho, porque o arrebita de uma forma espetacular, já está manjada com sua argolinha pendurada na napinha. Agora vai ter mesmo de ser blackbloc para, mais mascarada do que já é, ir para as ruas fazer bobagens, dizer bobagens. Essa, nem com pó de pirlimpimpim para aturar. A turma dela é composta de gente igual, como fabricados em série, peões descartáveis. Mas se acham.

Gays capricham em trejeitos, vozinhas e expressões entre gritinhos; outros, os “modernos”, como chamo, capricham em buracos nas orelhas, alargadores que ainda bem, espero, só usem nas orelhas, porque são rombos quase maiores que os encontrados nas ruas de São Paulo. Especialmente capricham no olhar, uma coisa meio “sou superior”. Agregam cabelos, óculos de aros pesados, roupas, mas tudo tem de sempre estar no status do que eles decidem, senão são os primeiros a olhar com certo esgar, cara de enjoo. Outro dia reparei até numa nova onda, mas que raramente fica bem: jovens pintando os cabelos de …grisalhos! Em brancos, cinzas. Fica todo mundo muito feio. Sabe criança com cara de velho?Black_flag

As meninas agora fazem tantas tatuagens nas pernas (talvez pensem que se precisarem podem usar calças para cobrir?) que, se você olha meio distraído pensa que se borraram e a coisa escorre pelas pernas. Até porque fazer uma boa tatuagem é caro; colorida, mais caro ainda. Então recorrem ao risco preto, de gente que sabe tatuar tanto quanto acender rojão, e vira tudo um enorme e pavoroso rascunho. Fora a mistura de elementos, do tribal, ao bobinho, às palavras de fé, e por aí vai. Como diz um jornalista amigo, entre os melhores, também totalmente tatuado, e muito bem: quando a polícia parar vai dizer “não sei se te prendo ou se te leio”. No caso desses meninos e meninas, eles vão ler e cair na risada!

Ah, tem mais. Pelo outro lado, que horror esses meninos todos carecas ou quase, cortados rente com corte de Exército, do qual antes todos fugiam inventando as mais terríveis doenças, pés chatos e caolhices. Fazem horas de musculação – muitos ficam coxinhas, literalmente, porque as pernas ficam fininhas segurando um troncão. Parecem todos saídos de um ringue de qualquer coisa, bombados por pilulinhas mágicas e proteínas e albuminas que os fazem soltar gases praticamente tóxicos, dos quais riem entre si, amarelinhos. Eles não eram pitboys? Como chamam agora, sem os cachorros que entraram em desgraça pública?

Ninguém pode me acusar de careta. O que me dá o direito de gargalhar a qualquer reles tentativa. Também nem tentem me tachar de conservadora ou qualquer coisa dessa linha. Aproveito e já digo que gosto muito de tatuagens, de vê-las, as bonitas, e um dos meus melhores amigos é tatuado literalmente da cabeça aos pés. Mas ele é lindo, tem a ver com isso, trabalha e vive justamente desse mundo que criou, além de ser uma das pessoas mais dóceis e inteligentes que conheço. A vida inteira se tatuou e é quase a sua própria e autorizada biografia ambulante. Essa semana acrescentou um Brasinha, lembram dele? Para ser gente, tem de saber o que faz, onde pisa. Aguentar o tranco.

women mudando de roupaSe você que está aí lendo já usou cabelos bem compridos, óculos redondos, fitas e flores nos cabelos, túnicas indianas e calças bocas-de-sino, entre outras alegorias, já estou vendo um leve sorriso de alegria e alívio por lembrar que nada disso ficou grudado em sua pele, e que pode mudar sua vida muitas vezes. Aliás, pode até usar tudo de novo porque está super “na moda”.

Temo que os novos feiosinhos e cabulosos se arrependam quando entenderem, mais para frente, que nem todos serão publicitários, artistas ou designers de sucesso. E que não há borracha que apague tantas burradas.

São Paulo, 2014 

Marli Gonçalves é jornalista Pronto, falei. Mas é que tenho encontrado seres verdadeiramente assustadoramente sem sentido e acabo tendo pesadelos depois.

********************************************************************
E-mails:
marli@brickmann.com.br
marligo@uol.com.br

kkkk. Boa observação do Cláudio Humberto sobre a pentelhinha Sininho, a tal que está dando voltas com as cordas no pescoço. Vai virar carne de leões sem pirlimpimpim

Primeiro castigo para a nova musa dos black bloc no Rio, conhecida como “Cininho”: ajoelhar no milho e escrever mil vezes “Sininho”.

(FONTE: DIÁRIO DO PODER )Sininho_