ATENÇÃO – HC PEDE AJUDA. #HCCOMVIDA

graphics-medical-medicine-159259Hospital das clínicas da Faculdade de medicina da Universidade de São Paulo – HCFMUSP lança plataforma própria de captação de doações

Hospital das clínicas da Faculdade de medicina da Universidade de São Paulo – HCFMUSP lança hoje uma plataforma própria para captação de doações por parte da sociedade civil. Em um movimento espontâneo de diversos setores, pessoas físicas, organizações e empresas vêm se mobilizando para contribuir com o Hospital no enfrentamento da pandemia. Agora há um canal oficial para que essas doações sejam feitas.

Desde janeiro, o HCMFUSP vem se preparando para a chegada do Coronavírus por meio de seu comitê de crise. Entre outras iniciativas, reservou um instituto inteiro, com 900 leitos, para receber pacientes com COVID-19, e adquiriu insumos como máscaras e luvas em grande quantidade, de modo a prover os materiais de proteção para garantir a segurança de pacientes e colaboradores. Em um momento delicado como esse, em que o uso de materiais hospitalares e outras necessidades cresce muito, a ajuda de todos os setores da sociedade é uma excelente forma de manter o HCFMUSP forte e funcionando no seu melhor.

Por isso, muitos vêm procurando a instituição para saber como podem contribuir com recursos que possam ser revertidos em máscaras cirúrgicas ou N-95, luvas, óculos, testes de detecção do vírus, entre outras tantas necessidades. Em paralelo a isso, alguns de nossos residentes também se mobilizaram, lançando o movimento (#VEMPRAGUERRA), buscando angariar doações para o HCFMUSP utilizar nos próximos meses. Iniciativas como esta merecem todo nosso reconhecimento e agradecimento.

No entanto, devido à urgência das demandas que dispararam frente à crise do Coronavírus, a direção do HCFMUSP optou por ter sua própria plataforma de graphics-medical-medicine-030686arrecadação de doações. Através do HCFMUSP, InovaHC, e Fundação e Faculdade de Medicina (FFM), estamos lançando um canal próprio de recursos – www.viralcure.org/hc – uma plataforma de código aberto que não faz custódia de fundos e não cobra taxas, direcionando a totalidade das doações para depósito direto na conta da FFM – entidade privada, sem fins lucrativos, reconhecida por seu caráter filantrópico, criada em 1986 por alunos da Faculdade de Medicina da USP (FMUSP) para atuar na promoção do ensino, pesquisa e assistência em saúde, e apoiar nas atividades da FMUSP e do HCFMUSP.

Com o lançamento desta plataforma, a campanha com a hashtag #HCCOMVIDA irá divulgar em diferentes mídias as missões que compõe a plataforma, criadas a partir de demandas reais, levantadas pelas equipes de gerenciamento de crise do HCFMUSP.

Convidamos a todos para que participem. Doando, compartilhando, e divulgando esta ação.

O #HCCOMVIDA é mais que um convite, é uma missão, para manter o HC vivo, e a população ainda mais forte.

Eles são surpreendentes. Sim. Bicho-preguiça: o símbolo escolhido pelo Ministério do…Trabalho! Sim: do Brasil.

‘De boas’

Ministério do Trabalho adere ao ‘deboísmo’ no Twitter

Perfil oficial divulgou imagem com desenho de bicho-preguiça

O movimento divulga memes pregando a tolerância (de boas) e tem um bicho preguiça com símbolo (foto: Reprodução/Twitter)

A assessoria de Comunicação do Ministério do Trabalho abriu uma polêmica nas redes sociais ao publicar no Twitter um post com um desenho de um bicho-preguiça afirmando que a pasta aderiu ao “deboísmo”. Autointitulado uma “filsofia de vida”, o movimento, que surgiu no Facebook, divulga memes pregando a tolerância (de boas) e tem um bicho preguiça com símbolo. “Clima chato no trabalho? Muita fofoca e tititi? Colegas querendo aparecer e tentando puxar o seu tapete? Pratique o deboísmo”, diz o texto.

Os internautas reprovaram a iniciativa, que se transformou em piada nas redes sociais. “O garoto propaganda do MTE agora é um bicho preguiça? Parabéns a equipe do marketing”, escreveu um usuário do Twitter. “Isso é um desenho de uma PREGUIÇA? Bem a cara do funcionário público no “Braza” mesmo”, escreveu outro internauta.

Em nota, o Ministério do Trabalho e Emprego defendeu a iniciativa. “O Ministério trabalha fortemente em suas redes sociais os preceitos do Trabalho Decente. Isso significa usar as linguagem apropriadas das redes sociais para disseminar as boas práticas no ambiente de trabalho. Vários posts estão sendo publicados explicando os direitos dos trabalhadores e as boas posturas no mercado corporativo. As redes sociais do Ministério do Trabalho e Emprego têm disseminado com muito mais força as mensagens apropriadas para o trabalhador, alcançado mais de 10 milhões de usuários apenas no último mês”, informou a pasta. (AE)

FONTE: DIÁRIO DO PODER