Ziraldo, 80 anos. Parabéns para você e toda a sua família! A de verdade e a dos desenhos de sua imaginação.

Ziraldo completa hoje 80 anos de idade

Formado em Direito pela Universidade Federal de Minas Gerais, o cartunista Ziraldo chega nesta quarta-feira (24) aos 80 anos de vida. Nascido em Caratinga (MG), Ziraldo Alves Pinto é o criador de personagens famosos, como o Menino Maluquinho, e é, atualmente, um dos mais conhecidos e aclamados escritores infantis do Brasil. Começou a trabalhar no Jornal Folha de Minas, de Belo Horizonte em 1954 com uma coluna dedicada ao humor.

Ganhou notoriedade nacional ao se estabelecer na revista O Cruzeiro em 1957 e posteriormente no Jornal do Brasil, em 1963 Seus personagens (entre eles Jeremias, o Bom; a Supermãe e o Mirinho) conquistaram os leitores.Ziraldo foi fundador e posteriormente diretor do periódico O Pasquim, tabloide de oposição ao regime militar, uma das prováveis razões de sua prisão, ocorrida um dia após a promulgação do AI-5. Em 1980, lançou o livro “O Menino Maluquinho”, seu maior sucesso editorial, o qual foi mais tarde adaptado na televisã o e no cinema. Incansável, Ziraldo ainda hoje colabora em diversas publicações, e está sempre envolvido em novas iniciativas. Uma das mais recentes foi a “Revista Bundas”, uma publicação de humor sobre o cotidiano que faz uma brincadeira com a revista “Caras”, esta, voltada para o dia a dia de festas de artistas e da elite brasileira.

FONTE DA NOTA: COLUNA CLAUDIO HUMBERTO

IMAGENS: EDITORA MELHORAMENTOS

Este slideshow necessita de JavaScript.

Minhas andanças por aí. Zélio, autografando. Embaixador Bustani tocando piano em concerto…

Ontem tive uma noite animada.

Fui ver meu querido Zélio que lançou ZÉLIO -50 ANOS DE UMA AVENTURA VISUAL, na Livraria Cultura.

O livro é bárbaro, o Zélio é bárbaro. Toda a família do Zélio ( CIÇA, ANA, PEDRO, FERNANDO) é bárbara. No momento que passei por lá destaco a presença do… Ziraldo, do Ricardo Kotscho, do Eduardo Fracalanza, da Alice Carta, do Cláudio Tozzi, do Pedro Alves Pinto; não vi o Fernando Alves Pinto, o filho ator. Não pude esperar a chegada do músico  Antonio Pinto que há muito não vejo, nem da Daniela Thomas.

Morram de inveja:

Meu autógrafo. vejam que delícia. Tenho uma obra particular em meu livro.

De lá saí ventando para assistir, vejam que chique, o embaixador do Brasil na França, José Mauricio Bustani, como solista ao piano de um concerto maravilhoso da Orquestra Sinfônica da USP, OSUSP. Sob a regência da maestrina Ligia Amadio.

No programa, Beethoven e Ravel, que acabei por conhecer uma valsa maravilhosa, muito além do Bolero.

Gente, vou falar: o embaixador toca maravilhosamente. Não é para menos. Sabem onde ele costuma, digamos, ensaiar? Com o amigo Arthur Moreira Lima, outro que sabe das coisas.

Quero aproveitar para destacar que fiquei fascinada pela maestrina Ligia Amadio, que não conhecia. Uma figura, meio Merryl Streep, com  presença eletrizante de palco e de batuta. Apareceu num longo negro fascinante, com transparências e chamas negras nas costas transparentes.

Estavam lá ambém, claro, já que a festa era deles, os reitores das universidades de São Paulo.  João Grandino Rodas, da USP, o anfitrião.  Tive a impressão de ter visto o Marco Aurélio Garcia, mas aí a gente nã precisa falar muito, né?

Parabéns, embaixador!

Parabéns, Lígia!

( e vou dizer: meu lugar na platéia era especialmente privilegiado)
Não deu para fazer fotos, desculpem. Mas aqui vai o ticket de entrada