ARTIGO – Bola rolando solta. Por enquanto. Por Marli Gonçalves

 E a gente esperando gols. Pode até ser que em algum campo lá da Rússia ainda saiam alguns, mas aqui na terrinha, quanto mais o tempo passa, maior fica a aflição de como definir qual seleção entrará no campo político ano que vem.

 

 Toda hora lemos o resultado de alguma dessas pesquisas “geniais”, que viram pano para manga para as discussões estéreis. As mais cotadas são sempre as que falam dos candidatos que estariam na frente. O engraçado é que sempre aparece aquele,  o que já foi, mas não é, não poderá ser, e que anda preso. Seguido pelo outro, a ameaça, verdadeiro terrorismo, o contraponto, aquele sem noção que – sabe-se Deus, literalmente, em quais alianças se fia – está nessa disputa sem ter feito até agora nada que preste em seus, anote, sete mandatos na Câmara Federal, esquecendo o tempo em que “nasceu” como vereador no Triste Rio. Sete! Sete vezes quatro, igual a 28 anos. Nada. Só sandices.

Tenho a impressão que as pessoas estão mesmo muito doidas, querendo jogar tudo para cima, bem pro alto, que se exploda tudo, se é que me entendem, que não posso usar termos chulos. O que dá pesquisas que mostram que 62% dos jovens querem deixar o país. Se querer fosse poder, ah, também quero. Mais, eu mesma tenho exemplos de amigos que ultrapassaram os 60 e não só queriam como já estão lá, morando fora, o que exige uma coragem superior em muito à dos jovens.

O perigo é maior entre os que se dizem desinteressados, que escutam o galo cantar soluções bruscas em obviedades e nelas acreditam.  Violência? Bala neles. E aí vemos como normais as balas agora vindo até de cima, dos helicópteros, oficiais, sangrando e matando crianças a caminho da escola? Fora a hipócrita e mascarada reação moralista ao avanço da sociedade civil em questões da natureza humana que jamais serão brecadas; eles podem achar que sim, que há “cura”, que a moral deles é que é a boa. Não, queridos, essas partidas vocês perderam. Sinto muito. Olhem para os lados.

Mesmo entre pessoas de nível médio, cansadas do dia a dia de revelações sobre corrupção, roubos, e às voltas com uma difícil sobrevivência como estamos em tempos de crise, o desatino é grande. Como se pudessem se livrar das responsabilidades. Quem fala mais grosso, acham, pode nos ajudar, como se assim fosse, acima da lei, da organização social, da geopolítica. E, principalmente, acima do bom senso que parece estar proibido de entrar nessa partida. Nossa sociedade mal preparada, uma ampla maioria sem informação, sem estudos, sem compreensão dos fatos,  pode nos levar, sim, mas a um desastre ainda maior e de difícil conserto. Agora, as tais pesquisas apontam que o placar final poderá ser decidido por mulheres de baixa renda.

Às vezes também acho que essas verificações de opinião, dependendo do momento, podem produzir o paradoxo: fake news verdadeiras. Correm para onde o vento sopra, mas com um ventilador ligado. Fico impressionada com a falta de qualidade dos questionários – verifiquei isso todas as vezes em que fui “pega” para responder algum deles. Os de faculdade, então, em geral são totalmente embandeirados, e os pesquisadores jogam cumprindo tabela.

No meio do campo, a bagunça é geral. As divididas, então, nos deixam mais caídos que o Neymar. Porque se antes eram duas, agora as torcidas estão esfaceladas e pior: mais rachadas no campo dos gols possíveis, ao centro e à esquerda.

Quer saber? A bola está rolando mesmo muito solta por enquanto. O que preocupa, se não poderá ocorrer o pior. Uma vitória por W.O. – já que estamos tão preocupados com futebol.

____________________________

Marli Gonçalves, jornalista – Estou aqui fazendo aquele sinal que pede o tal árbitro de vídeo, o quadrado riscado no ar. Quero ver o que vai acontecer quando a campanha começar de verdade na tevê.

marli@brickmann.com.br  e   marligo@uol.com.br

Brasil, 2018

——————————————————————

ARTIGO – A capela a capela. Por Marli Gonçalves*

nossa seleção de idiotsmoleque5Ando muito pensativa e preferi mesmo ficar por aqui bem quietinha esses últimos dias, só vendo a bola rolar, o rio correr, e Meu Deus do céu! – vendo e escutando todo tipo de insanidades. Esse de um tudo inclui a instalação do Jardim de Infância de Neymarzinho e sua eterna hora do recreio

As lágrimas correram, não teve jeito, todas as vezes que ouvi aquelas milhares de pessoas cantando o Hino Nacional a capela nos estádios. Da mesma forma meu estômago embrulhou todas as vezes que ouvia aquele corinho (quem desenterrou essa bobagem, que lembra mais a ditadura do que dirigentes da CBF?), acompanhado do balançar de bracinhos para a direita e para a esquerda, “… Sou brasileiro com muito orgulho…” Ô coisa chata! Fora o coração e o amor amarrado na chuteira. Só faltou o …“200 milhões em ação…Salve a Seleção…”.

É, crescemos em número, de 90 para 200, mas não amadurecemos em nadica. Continuamos sendo manipulados como bem entendem, mas só na hora que lhes aprouver. O último mês virou uma imposição de overdose de verde e amarelo como há muito não se via. Nós acabamos não resistindo, bem tentamos, e caímos, cornetas a postos que pouco, bem pouco, tocamos.moleque2

Que saudades da verdade da Campanha das Diretas! Agora era um tal de criancinha pedindo para jogar para elas, coitadinhas, sabem de nada, inocentes; torcidas inteiras de figurantes pulando, e ofertas em campanhas publicitárias cada uma mais mirabolante que outra, e que não sei como foram permitidas pelo CONAR. Ora, ou alguém acha que as Casas Bahia previam mesmo dar tevês por 1 real caso (hipótese remota detected) ganhássemos a Copa? Ah, mas para isso você já deveria ter comprado outra com tudo embutido, igual à linguiça. Andam embutindo preços em tantas coisas que mais uma ou outra nem fez diferença. Temo mesmo é o que mais andam embutindo nesse país. E onde.

moleque8As operadoras de celular, em vez de apresentarem serviços e preços, capricharam. A bola nas costas do Alvinho! Fora todo o ridículo, alguém pode me dizer do que tanto riu aquele babaca parado na porta do bar, o dele, totalmente vazio? Tenho certeza que agora mesmo você está aí se lembrando de pelo menos outro desses ridículos comerciais. Coitados, não tiveram tempo de tirá-los do ar naquela tenebrosa noite dos 7 a 1.

Enfim, futebol é futebol. Se a bola rolar também na urna de votação coisa boa não dá, mas os panacas do poder – que agora correm mais que baratinhas para tentar resolver a queda inacreditável – ainda não se tocaram totalmente disso. Enfim, um Governo Padrão Felipão, como declarou a presidente, só poderá nos entregar placares desse tipo mesmo.

dãããDignos do Jardim de Infância do Neymarzinho e seus amiguinhos. Neymar tira meleca do nariz. Todos tiram. Neymar dá estilingada no passarinho. Todos imitam. Neymarzinho escuta música com fones de ouvido que mais parecem equipamentos de guerra, coloridinhos – todos vão atrás, igual. Me lembra da época de escolinha, que sempre tinha um líder, mais riquinho, que namorava a “menina mais bonita” (e burra), que aprontava e depois se desculpava por todos.calvin

Mas se toda a Seleção estava nas costas de Neymarzinho, nada mais lógico que elas vergassem a esse peso (mais o do colombiano). Assim Neymarzinho e suas aposentada chuteirinha dourada, mais as outras luminosas, sua sunguinha de bandeira, seu cabelinho espetado pintado (que marca? Ah, como assim ele não tem patrocínio ainda de tinta de cabelo? De shampoo contra caspas tem! Espaço reservado para anunciantes, atenção!), volta. Não sei o que fizeram da vértebra quebrada, da dor, da cinta que teria de usar, do repouso ao qual seria obrigado. Será morfina?

moleque4Papai Felipão, Mamãe Murtosa, Titio Parreira e padrinho Galvão devem ter babado. O menino que não jogou no dia da desgraça (se bem que antes também não…), que coragem! Veio explicar o que aconteceu, mas que ele não viu, porque foi apagão; chorar um pouquinho, apertar os zoinhos, se lamuriar pelo povo brasileiro, segurar o noticiário e os patrocinadores. Não lembro de ter visto outro outdoor desses tão ambulante.

Aí, voltando, vemos uma mulher na beira da estrada, com a mãozinha pedindo carona, ao lado de um ministro que quer botar o Estado em campo mais do que já botaram. Ao longe, bem longe, um pontinho tentando sumir, vejo só um barbudinho de voz grossa olhando de um periscópio. Mais mudo que música para acompanhar o hino à capela.moleque9

Será que a elite branca, aquela malvadinha que vaia e xinga, vai parar seus carros de luxo para eles embarcarem? Ou será, ainda, que os miseráveis, ops, ex-miseráveis, virão trotando em seus jumentos para buscá-los?

É tóis. Meninos sapecas, vamos brincar de quê, agora? Construir estádios com Lego?Jogar bolinhas de gude? Bater bafo com as figurinhas encalhadas? Jogar memória? (Essa é boa pedida no momento) Rouba monte? Buraco? (não esqueçam de convidar o prefeito Fernando Haddad, que entende disso). Na hora do lanche, não se preocupem, o hot-dog com salsicha alemã e o alfajor de doce de leite já está garantido.

molequecom bolaSão Paulo, vaias de Itaquerão, 2014. 

Marli Gonçalves é jornalista Nada contra a derrota, previsível até antes. Tudo contra mais uma tentativa torpe de tentar nos pegar com gosma de jaca. moleque10

********************************************************************
E-mails:
marli@brickmann.com.br
marligo@uol.com.br

moleque atravessa parede

ARTIGO – Um grito parado no ar. Por Marli Gonçalves

getoutUm, não. Vários, muitos, um monte, entalados alguns deles. A boca seca, olho arregalado, o coração inquieto, descompassado, certa aflição, aquela inquietude de nada estar bom, nem lugar algum ser exatamente confortável, vontade de ter o dom da previsão. Só parará quando gritarmos Gol! Só que outros gritos e gritas gerais e danadas também virão, especialmente se a bola não entrar na rede tanta vezes quanto necessário

Gritos qugritando na tribunae se somarão a todos os tipos e formas de protestos dos últimos tempos, tão variados, diários e constantes que parece algo, um pote. Destampado, uma vez iniciado o que expele, não acabará tão cedo o vazamento. Temo especialmente que seja feita, inclusive, qualquer tentativa de tampar esse pote, sufocar esses outros gritos. Que Deus não permita isso nem em leis, nem em golpes, nem em palmadas ou pancadarias.

Fico ouvindo o povo comentar que não vai torcer pelo Brasil, ou que vai torcer contra e acho engraçado como as pessoas mentem sem nem saber mentir direito. Claro que vai se esticar para ver – nem que seja o rabicho do olho, de esgueira. Ou vai sumir para alguma caverna, fazer uma viagem de submarino, meditar no Tibete, uma vez que a Copa é do mundo, e esse mundo todo é bem chegado ao futebol. O que faz tão difícil apenas concluir que o problema é a Copa, desta vez, ser aqui? E que a maioria de nós, infelizmente, só notou agora a burraldice de termos nos candidatado como misses nesse concurso. Acabamos ganhando a faixa, com nossas belezas e gingar. Acostumamos há décadas a torcer, sim, muito, mas com outros pagando a conta geral, e nós, apenas convidados.huge.2.10733

A conjunção astral, no entanto, não está para peixe, nem para tatu-bola, bolinha ou fuleco. A econômica, então, nem se fala. Só pode ser sentida e vocês sabem bem onde o sapato de cada um vem apertando o calo. Os nervos estão tão à flor da pele que até astrólogo, se prever algo de que “eles” não gostem, acaba massacrado pelo rolo compressor que está montado, especialmente na internet, com argumentos assustadores para tentar justificar o nó que aparece no bordado, o macaco caindo do galho.

Essa semana mesmo, depois de passar algumas horas sem saber de alguns protestos por perto, já ia reclamar. Não deu tempo. Soube do protesto dos PMs? Sim, dos PMS, dos policiais, quem diria. E greves? Só falta mesmo as mulheres promoverem a greve dos sexos. Tem só uma greve que tenho certeza que não ocorrerá, porque a categoria ganhou um trauma e tanto no fim da década de 70: jornalistas. Esses (nós) não param. Nem para protestar contra esses seus sindicatos e federações literalmente infestados, inCUTizados. A coisa está preta, e devia estar verde e amarela.

grito de torcidaNão sei explicar com palavras exatas, mas você aí sabe muito bem do que estou falando, mesmo que esteja do lado de lá, e eu tenho muitos amigos queridos e todos bem inteligentes para admitir, mesmo que intimamente, que as coisas vão mal. Aliás, de mal a pior. Não é preciso nomear ninguém, nem acusar, está geral, no ar, intestina, desconfortável, perigosamente chato, triste, e o que não combina com a gente. Piora com as notícias de desemprego, paralisação da economia e, agora, com o índice do IBGE que demonstra que mais de 40 % da população não trabalha mais. É o efeito bolsas. Fiquei pasma e vou repetir: Mais de 40% não trabalha, não quer. Mulheres agora ficam em casa cuidando de filhos porque é mais econômico. Vivi para ver. Depois de tanta luta pelo mercado, pelo respeito. É desanimador.

brazilW_animadogrito de torcidaNão adianta vir e tentar criar paraísos artificiais com propaganda. Viram o filme publicitário federal vendendo, ou melhor, tentando comprar a nossa alegria? Coisa mais falsa só peitos de silicone e promessas de candidatos. Quando a alegria, no país do futebol, precisa ser incentivada… Ah, foi aí que tive a certeza. Pensava que o fato de ver no máximo umas cinco bandeiras por dia em janelas ou carros, era apenas falta de tempo do pessoal. Aqui em São Paulo, a coisa está tão silenciosa que até churrasco estão oferecendo para premiar ruas que se enfeitarem. Oficial, coisa de Prefeitura. Como diz uma amiga, picanha pode? Não é crime eleitoral?

grito cavernaAndei pelas ruas e, claro, vendo vitrines e lojas, que é bom bater pernas e sou mulherzinha. É visível o encalhe, pelo menos até esse momento, dos itens Kit torcedor. Em compensação, há vários meses observo um crescente “chegar” de estrangeiros que não vieram para Copa, não, não senhor! Estão vivendo aqui, pagando em dólar, e temo informar ao mercado que muitos vêm com maior preparo, buscam colocação profissional e dependendo do setor parecem mais bonitos aos olhos dos empregadores. Em quarteirões é possível ouvir o inglês, o francês, o alemão, o chinês, o coreano, línguas africanas. Tenho ouvido conversas em árabe, assim como está extraordinariamente alto o número de muçulmanas com seus véus e puxando seus filhinhos. Uma nova onda de imigração.cheerleader_0035

Gianfrancesco Guarnieri, a quem homenageio com esse título, botou um grito parado no ar nos palcos exemplificando aqueles momentos duros, 40 anos atrás. Nós poderemos emitir esse grito este ano de diversas formas.

Uma delas gritando GOL! As outras formas, bem, você sabe. Mas é preciso se esforçar e gritar, para que a voz saia bem clara e a mais uníssona possível, pedindo união, paz, verdade, humildade e revisão de erros, crescimento e, fundamentalmente, um futuro campeão.

A bola já está quicando na área.

São Paulo, ainda cinza, 2014bocafalanteMarli Gonçalves é jornalista Deseja a todos muita alegria, muitos gritos contentes e ainda espera ver um monte de bandeiras sendo agitadas – aquelas cheias de estrelinhas onde está escrito Ordem e Progresso.

********************************************************************E-mails:
marli@brickmann.com.br
marligo@uol.com.br

QUE BELEZA! Como eles escolhem bem, como esse Mais Médicos ainda vai dar muito o que falar. Mal, claro

pastor estupradorMédico que responde a 15 processos é selecionado para atuar em Goiás

Carlos Mansilla é suspeito de causar lesões em pacientes no Amazonas.
Secretário de Saúde diz que ele não vai assumir cargo em Águas Lindas.

FONTE: Paula Resende Do G1 GO

Médico Carlos Jorge Cury Mansilla (Foto: Reprodução/ Câmara dos Deputados)Médico Carlos Jorge Cury Mansilla
(Foto: Reprodução/ Câmara dos Deputados)

O médico Carlos Jorge Cury Mansilla, que responde a 15 processos por complicações pós-cirúrgicas, é um dos selecionados pelo programa Mais Médicos, do governo federal, para atuar em Águas Lindas de Goiás, no Entorno do Distrito Federal. Ele se apresentou na segunda-feira (2) para assumir o cargo. No entanto, após saber do histórico do profissional, o secretário de saúde da cidade, Willem Madison, disse que vai rever a contratação. “Ele não atendeu e nem vai atender aqui”, afirmou ao G1. A posse estava prevista para quarta-feira (4).

Carlos Mansilla, que também é ex-deputado federal, é apontado como falso cirurgião plástico pela Polícia Civil do Amazonas. Das 15 denúncias realizadas oficialmente contra o médico, ele foi indiciado em seis por lesão corporal gravíssima. Mansilla ainda pode ser acusado em outras nove, dependendo do resultado de laudos do Instituto Médico Legal (IML), que ainda não foram entregues à polícia.

O G1 tentou contato com o advogado de Masilla, Cristian Naranjo, mas ele não atendeu às ligações até a publicação desta reportagem.

Nesta terça-feira (3), ao falar sobre o programa em Brasília, o ministro da Saúde, Alexandre Padilha, disse que a pasta consultou o Conselho Federal de Medicina para confirmar as suspeitas em relação a Mansilla. O ministério também vai notificar o município de Águas Lindas para que o médico fique impedido de trabalhar até que a avaliação da pasta seja concluída. “Confirmando essa situação, certamente o excluiremos do programa”, disse o ministro.

O secretário de saúde de Águas Lindas de Goiás afirmou que “o município não está interessado neste profissional”. Madison explicou que está tomando as providências necessárias para evitar que o médico tome posse. “Vou comunicar ao Ministério da Saúde que ele [Mansilla] não é de nosso interesse. Vamos fazer o protocolo e entrar em contato por telefone”, informou.

Carlos Jorge Cury Mansilla (Foto: Reprodução/ TV Amazonas)Carlos Jorge Cury Mansilla
(Foto: Reprodução/ TV Amazonas)

Mansilla é um dos quatro selecionados do programa para atender em Águas Lindas. Segundo o secretário de saúde, apenas três se apresentaram na segunda-feira. “De quatro, vieram três. Agora, já não podemos contar com mais um. Restam dois profissionais para ajudar na cidade”, pontuou.

O secretário afirmou ainda que a situação o “entristece”. “A gente fica triste porque sabe que o município é muito sofrido. Vamos olhar para frente e dar a volta por cima em mais este problema”.

Willem Madison ressalta que vê com bons olhos o programa Mais Médicos. No entanto, “o serviço tem que ser de qualidade”, ponderou.