ARTIGO – Ô gente chata! Por Marli Gonçalves

Ô gente chata!

Marli Gonçalves

andar-tracoÔ, seus corretinhos! Falta do que fazer, do que escrever para chegar como o mais inteligente e na moral nas festinhas e rodinhas quadradinhas, ou só vontade de alugar nossa paciência? Isso é porque são “modernos”. Imaginem se fossem caretas. Eram capazes de se insurgir até contra a goiabada com queijodan%c3%a7ante_mana2

Não estão vendo que estão dando tiro no pé? Aliás, se metralhando. Pedindo censura, corte – e não venham com lengalenga de dizer que ninguém quer censurar ninguém, que só querem acabar com o preconceito-racial-opressão-da-mulher-negra e do homossexual, como valentes combatentes-ecológicos-ambientalistas-sustentáveis que são, e nessa hora, vejam só o paradoxo, damos graças a Deus que sejam minoria mesmo.

Enfatizo: minoria de chatos. Ficam por aí com caraminholas dissertando regras/normas de comportamento, obtusas, desconhecendo o passado cultural, a língua portuguesa, nossa vivência. Desrespeitando a nossa inteligência.

Chatos que querem arrancar a mulata, mudar os sambas e marchas de carnaval, regular as fantasias, e agora, suprassumo, se recusam a usar paetês, purpurinas, glitters e confetes porque feitos de papel ou micro plástico demorariam a se decompor e poderiam ir parar nos oceanos. Imaginem: será que algum desses seres foi mesmo ouvir a comunidade LGBT sobre isso? Como assim, sem brilho? UÓ, responderão.

No entanto, para decorar seus corpos – modinha – algumas moças estão usando purpurina “comestível” vendida em lojas de confeitaria, aquele pozinho de decorar bolos e doces. Sou só eu que vejo uma aura sexual safadinha nesta troca? Sacaninha? Espertinha? Comestível, é? Interessante.

teka-carnaval-05Mas vamos voltar ao cerne desse debate, que agora tudo vira debate. Ô coisa chata! Banir dos blocos algumas marchinhas (muito) antigas de carnaval? “O Teu Cabelo Não Nega”, de Lamartine Babo, de 1932. “Cabeleira do Zezé”, “Maria Sapatão”, “Índio quer apito”, “O teu cabelo não nega”. “Mulata Bossa Nova”. Sim, já apareceu até representante indígena flechando “Índio quer apito” (“Ê, ê, ê, ê, ê, índio quer apito / Se não der, pau vai comer”).

Mexeram com o Caetano, mas creio que o baiano negociou, arretado, porreta. Após várias discussões, alguns blocos decidiram manter no repertório “Tropicália”, que cita a mulata.

Sim, invocaram com a mulata. Entraram na máquina do tempo para trás uns 300 anos para justificar e trazer para hoje de onde teria vindo a palavra. Como mulata é a filha de negro com brancas e vice-versa, e naquela época, braba, de escravidão, a cria de jumento com cavalos já era a mula, veio a palavra, do latim mulus. Enfim, os mulatos também estão nesse samba atravessado. Acreditem: tudo isso acontecendo no Carnaval de um país chamado Brasil. Justamente no Carnaval que agora com a volta dos blocos de rua se torna mais popular e democrático. Alegria na cabeça e rua.

Mas não, resolveram levar a chatice da política junto para as avenidas e praças. Invocaram com a mulata. Fui atrás de uma das origens e me deparei com uma obra prima da idiotia no artigo de um cara, que pode ter sido base, cheio de citações inteligentinhas, um sujeito que escreve com x no lugar de palavras com gênero. Negrxs. Todxs . Posso parar por aqui, né? ÔÔÔÔ, chatos, chatos, chatinhos.

Resolvi botar água nessa fervura e lembrar que mulata, além de como podem ser lindas, é também designativo de uma espécie de peixe, um tipo de abelha, uma variedade de batata roxa. Vão pirar horrorizados ao serem lembrados de algo ainda mais dramático – embora natural. Há uma erva medicinal chamada Catinga de Mulata (Tanacetum vulgare). No candomblé é utilizada para preparar água-de-cheiro. O chá seria de efeito mágico para reumatismo, pedra nos rins, amenorreia, e como vermicida, contra lombrigas. Como unguento, cura feridas, furúnculos, psoríase e detona piolhos.mulata

Tem um docinho de festa chamado Beijo da Mulata. E uma Bica da Mulata, escultura em Belfort Roxo, no Rio de Janeiro. Tem a Mulata fuzarqueira, de Noel Rosa, pinturas fantásticas e muito erotizadas de alguns mestres. Tem a Mulata Assanhada, de Ataulfo Alves – aquela que passa com graça, fazendo pirraça, fingindo inocente, tirando o sossego da gente. As mulatas estão muito bem, orgulhosas de sua negritude. Só não as chame de moreninhas que isso sim é que é preconceito.

E agora? Libertem a Nega Maluca!

Deixa o cabelo dela. Sem essa de vir com moral para dizer o que é certo ou errado, procurar pelo em ovo, se ofender com isso quando há tantas outras coisas nos atacando. Como escreveu o mestre Ruy Castro, “enxergar ofensa nas marchinhas é caso para terapia de grupo — com o ofendido no divã e um grupo de psiquiatras em volta”.

Saiam já desse armário.

akatsuki28________________

20160813_143252

Marli Gonçalves – Sempre adorei fantasia de havaiana. Essa pode? Ou vão me acusar de imperialista ianque estadunidense?

SP, esperando o carnaval chegar, 2017

____________________________________________

E-MAILS:

MARLI@BRICKMANN.COM.BR
MARLIGO@UOL.COM.BR

ARTIGO – Começar. De novo e de novo. Por Marli Gonçalves

(CLIQUE NAS IMAGENS, SE QUISER VÊ-LAS EM MOVIMENTO)

Todo dia a gente não faz tudo igual, até porque estão tão rápidas as mudanças que 24 horas é tempo para chuchu, inclusive para mudar de ideia e rumo. Precisamos nos renovar e reinventar o tempo inteiro, e assim, aos soquinhos e pulinhos, vamos levando a vida. E tudo isso dá música, dá um samba danado, para vivermos dançandotumblr_lwm8c8h0gU1qg39ewo1_500

Começar de novo, cotidiano, superação, vida. De tudo quanto é jeito e ritmo, música e literatura já exploraram esses momentos sempre muito ricos. Há horas em que este assunto apenas se torna pouco mais aflitivo, quando a cobrança de todos os diabinhos e anjinhos que habitam dentro de nós vira uma espécie de guerra particular. Às vezes até bem violenta, quase mortal, sempre dilacerante.

Consegue se reconhecer? Como lida com isso? É fácil, difícil? Como faz quando precisa? Joga tudo para cima? Lamenta ou se arrepende? Faz que não é com você?

acid_eyeNuma semana de perdas importantes de pessoas marcantes, depois de um mês de agosto em que todo mundo tem um bom desgosto para contar, confesso, amigos, um cansaço terrível e até certo desânimo, principalmente nos assuntos que dependem da coletividade, da consciência social, do sentido de união e reconhecimento. O que fazem ao país acaba se refletindo diretamente no nosso mundo particular – mudando planos, impondo desafios e também muitas impossibilidades. Fatores externos atrapalham demais nossos movimentos, sonhos e planos – esses, para quem ainda consegue planejar, verbo que a cada dia acho mais lindo e distante.

A gente não sabe se vai ter Terceira Guerra, se vão continuar matando cruelmente, fuzilando, deixando criancinhas se debatendo, se ocorrerão tornados, terremotos, tsunamis ou ciclones. Se a gasolina vai aumentar ou se o dólar continuará subindo. Se o tal pré-sal sai lá de baixo, das profundezas. Se as manifestações e protestos surtirão efeito, ou se a coisa vai piorar. Se a nossa primavera aqui vai continuar esse inverno e secura. Não sei se eu estou pirando ou se as coisas estão piorando. O refrão continua o original, de Rita Lee: “Não sei se eu vou ter algum dinheiro ou se eu só vou cantar no chuveiro…”

Ligamos o velho foderaizer? Deixamos o vento bater nas velas içadas? Seremos mais um do rebanho?

Para quem tem inconformismos, nenhuma das opções anteriores. Só que não há outras opções em jogo.

O mundo gira e alguma coisa vai acontecer para nós lembrarmos da eterna namoradinha do Brasil, Regina Duarte, ou do chiclete de Ivan Lins – Começar de novo e contar comigo/ Vai valer a pena ter amanhecido / Ter me rebelado, ter me debatido/ Ter me machucado, ter sobrevivido/ Ter virado a mesa, ter me conhecido /Ter virado o barco, ter me socorrido.

animation-art-born-this-way-born-this-way-lady-gaga-gaga-Favim.com-298127_largeAmanhece e anoitece, invariavelmente. O tempo não se limita a existir; passa. O mistério está em como começar de novo sempre, driblando as nossas próprias certezas, aquelas que a gente pensava que existiam, derrubadas dia e noite.

Anda mesmo difícil até filosofar, jogar um pouco de conversa fora, nesses tempos de resistências minadas – e quando tudo o que se diz não chega aos ouvidos moucos.

“Você é tão velho como a última vez que mudou de ideia”.

É perfeita essa frase de Timothy Leary (1920-1996), adorável maluco que habitou a Terra propiciando milhões de viagens lisérgicas. Olha só um exemplo: quem provou dessa fruta, LSD, sabe que a viagem pode mesmo começar de novo a qualquer hora. Assim, de repente.

tumblr_lpoyl2SsNZ1qbsxmqo1_400Basta um clique, uma lembrança. No campo da realidade, coragem.

(Dedico esse texto à amiga Rosi Mallet, que era sempre a primeira a fazê-lo rodar o mundo quando os recebia, me apoiando com a sua enorme generosidade)

 

São Paulo, 2013

 

Marli Gonçalves é jornalista De vez em quando gostaria mesmo é de ter sido filósofa.

********************************************************************
E-mails:
marli@brickmann.com.br
marligo@uol.com.br

Tenho um blog, Marli Gonçalves, divertido e informante ao mesmo tempo, no https://marligo.wordpress.com. Estou no Facebook. E no Twitter @Marligo

tumblr_mhges6VJOG1rnmgi3o1_400