ARTIGO – As segundas e os começos e recomeços. Por Marli Gonçalves

Ultimamente as segundas-feiras têm sido muito mais difíceis do que normalmente já eram. A sensação de começar mais uma semana, ver e ouvir a repetição dos fatos estranhos, uns atrás dos outros, sem reações que os possam deter; ao contrário, só pioram e se tornam mais ameaçadores. Na vida é assim: e até fazer aniversário anda parecendo mais uma segunda-feira

Garfield Archives — Portallos

Não é a preguiça, tão bem ilustrada na imagem do gato Garfield com sua imensa barriga laranja, e que ilustra as segundas malemolentes e um pouco mal humoradas. É o começo e o recomeço, que ultimamente tem parecido tão igual ao da semana passada, mês passada, ano passado. Bem sei que oficialmente a semana começa na segunda-feira, mas extraoficialmente, depois de passar o fim de semana tentando se livrar das cargas é nela que depositamos alguma esperança olhando para a frente, buscar fazer e acontecer, dia útil. Repete muito o que acontece na véspera de Natal, quando todo mundo parece ter sido acelerado e querer resolver tudo o que o ano inteiro não conseguiu. Se possível, sobrecarregando, inclusive, outras pessoas, passando os probleminhas adiante.

Aí ela chega. Primeiro, agora mesmo, nos daremos conta de que mais um mês se foi. Que o primeiro semestre do ano se completará. E a sensação da repetição, inclusive acelerada, de tudo o que tanto nos incomoda não passa.  É como se a realidade não admitisse o otimismo – e é, garanto, uma otimista inveterada, apesar de tudo, quem está aqui escrevendo.

Esperei passar várias segundas para finalmente admitir essa sensação. Talvez por agora ter me dando conta que fazer aniversário também virou uma segunda-feira, que a virada do mês também vai virar, para mim, logo, mais um ano completo de vida, e mais um ano – Graças a Deus, viva! – dentro da pandemia que abalou o mundo, mas destroça especialmente nosso país, pego em um dos piores e mais confusos, vergonhosos, perigosos e conturbados momentos de sua história.

Aniversários sempre são impactantes – o filme de tudo que se viveu, se sonhou, conseguiu ou não, passa na cabeça, e quando a gente chega mais longe, o filme vai virando longa-metragem. Quanto mais tempo, isso só vai ampliando, e creio que lá pelos 80 já se anunciará como uma daquelas peças teatrais do Zé Celso, do Oficina, com mais de cinco horas de duração e roteiro cada vez mais confuso e recortado.

A coisa toda está tão repetitiva que nem é preciso consultar videntes ou astros para conhecer alguns fatos do futuro: muitos ainda morrerão, inclusive pessoas próximas de nós e personalidades importantes que farão o país chorar de novo e de novo, suas histórias serão contadas; loas serão tecidos, e esperaremos as próximas; a política nos trará muitos desgostos, a divisão se acentuará, assim como os protestos, que serão incontroláveis, ou por radicalismo de algumas das partes ou pela dimensão da miséria, da fome, do desespero. Mulheres continuarão a ser desrespeitadas, e mortas. O racismo, negado como se não fosse evidente. Os ricos ficarão cada vez mais ricos. E os oportunistas surgirão, pululantes, sem disfarces, prontos a se aproveitarem de qualquer um desses fatos. Comentaristas comentarão. Comentarão muito. Os fatos serão conhecidos, e diariamente sobrepujados por outros numa repetição infinita e sem solução.

Do ponto de vista pessoal, os cabelos ficarão mais brancos, os tais fatos conhecidos cada vez mais iguais e tristemente repetitivos. Depositaremos esperança nas gerações futuras – alguns nos darão orgulho; outros, nojo. Nossa experiência se avolumará, e continuaremos firmes tentando alertar que conhecemos esses rumos, mas a rapidez que alimenta as redes sociais e esse atual tempo de vida digital talvez ignore e não dê a devida atenção ao que afirmamos e vivemos presencialmente, um estado raro que se esvai entre telas e emojis.

Assim, vamos indo vivendo – e que assim seja, Oxalá! – as próximas 52 segundas-feiras, e que muitos outros 365 dias venham. O desejo é que esses começos e recomeços sejam melhores, e que nunca falte energia para constantes revoluções interiores. Nem para as revoltas. Sem preguiça.

___________________________________________________

Marli - foto Alê RuaroMARLI GONÇALVES – Jornalista, consultora de comunicação, editora do Chumbo Gordo, autora de Feminismo no Cotidiano – Bom para mulheres. E para homens também, pela Editora Contexto.  (Na Editora e na Amazon). marligo@uol.com.br / marli@brickmann.com.br

___________________________________________

 (se republicar, por favor, se possível, mantenha esses links):
Instagram: https://www.instagram.com/marligo/
No Twitter: @marligo
Blog Marli Gonçalves: www.marligo.wordpress.com
No Facebook: https://www.facebook.com/marli.goncalves

ARTIGO – Antes e Depois: as pessoas “fakenstein”. Por Marli Gonçalves

Antes e Depois: as pessoas “fakenstein”

MARLI GONÇALVES

A loucura da vaidade e avidez por mudanças para aparecer bem, de bonita ou de bonito, nas redes sociais, nas selfies e etceteras faz surgir uma nova sorte de criaturas, meio humanas, meio alguma coisa grotesca indefinível. A situação está tomando um rumo que faz com que muitos virem também mortos nas mãos de despreparados, ou, quando têm sorte e não ficam aleijados, apenas patéticos sendo enganados por promessas de milagres.

Antes era bem mais difícil fazer alguma transformação mais radical no corpo. Era preciso e indispensável procurar um bom cirurgião plástico e seu hábil bisturi, com custo em geral muito alto, e a clara necessidade de ficar em estaleiro por alguns dias. Não era coisa de você entrar por uma porta de um jeito e sair de outro como o que vêm sendo proposto ultimamente por todo tipo de malandros prontos a lucrar com a sandice alheia. Dr. Bumbum é grão de areia nesse zoológico sobrenatural.

A coisa vem num assustador crescendo: primeiro foram as lipoaspirações. Enfia um cano e puxa gordura daqui, dali. Pega dali, põe lá atrás. Muitas vítimas acabaram foi sem gordura nenhuma; literalmente, ossos. Enterrados, inclusive. Apareceram então as aplicações de botox e ácidos com nomes proparoxítonos. Rugas e expressões esticadas, paralisadas, bocas parecendo que acabaram de levar uma ferroada de vespa. Peles do rosto amarradas, meio que costuradas com fios de ouro – sempre tem algum elemento assim, nobre, sendo propagandeado – esticadas, atrás da orelha.

Agora até que anda um pouco mais suave e calmo, mas o comércio de próteses de silicone para os seios também causou um belo estrago na paisagem humana que habita a terra quando começaram a aparecer umas mulheres que dificilmente avistam seus próprios pés diante daquela dupla frontal anexada, de bolas que chegam a conter até 750 ml. Teve umas pondo mais de litro. A pessoa chega, mas o peito vem antes, abrindo portas. Coisas de moda. “Alguém” determina o padrão e lá vai o trenzinho seguindo. Os traseiros cresceram.

(E, vejam, tudo isso sem falar no criminoso avanço de venda de hormônios, anabolizantes e outras drogas para os que querem parecer saudáveis nas fotos feitas em academias. Daí saem aquelas mulheres com acentuadas vozes travestidas que eu ainda não sei o que virarão depois de alguns anos – talvez muxibas).

mulherzinha mostra a bunga-bungaO problema não é, claro, o importante avanço da medicina e das pesquisas na área de cosmética, aperfeiçoamento do corpo humano, retardamento da velhice, busca de auto estima e valorização estética. Isso é direito. Que fique claro.

O problema é a mentira, a proliferação indiscriminada de aproveitadores profissionais, alguns nem um pouco profissionais ou qualificados, prometendo mágicas. Tem dentista aplicando botox, descascando dentes para enfiar uma tal lente de porcelana sem exatamente informar consequências e quanto tempo aquele efeito lindeza vai durar. Tem salões de cabeleireiros, ops, esteticistas ou outros títulos super rebuscados, prontos a injetar, furar, puxar, pintar, tatuar as caras das pessoas, inclusive com sobrancelhas de fazer inveja aos melhores diabos e monstros da história da humanidade. Coisas permanentes. Ficou bom? Que bom. Puxa, deu errado, não gostou? Que pena. Não tem volta. Nem em dinheiro, nem em satisfação.

Esses dias o caso do Dr. Bumbum (!!!) e sua mãe trouxe à tona na imprensa alguns depoimentos assustadores de outras vítimas, muitas que estavam caladas, algumas até sem convívio social e envergonhadas depois da barbeiragem pela qual pagaram bem caro. Meninas, gente jovem, que se submeteram a esse açougueiro. Quase todas (inclusive a que morreu) queriam ficar bonitas para as fotos nas redes sociais.

Repara que agora tudo quanto é criancinha, adolescentes ainda imberbes, postam fotos com batonzinho e fazendo boca de pato.

Vamos falar sobre bullying estético? Seria necessário o quanto antes ressaltar para a geral que muitas destas celebridades e subcelebridades que vemos todas serelepes nas fotos passaram por verdadeiras transformações, mas não “no real”, sim no banho de loja, no dinheiro que entra na conta, no tratamento da imagem, em maquiagens ou photoshops? Que elas não são exatamente daquele jeito, quase impossível? Cinturas sem osso, peles translúcidas, barrigas negativas, dentes resplandecentes, cabelos de boneca.

Além das fake news, teremos de nos preocupar também com as fake pessoas, as fakensteins.

__________________________________________________

– Marli Gonçalves, jornalista – Ah, se houvesse um passe de mágica! Mas até Cinderelas têm limite. Meia noite. E olhe lá.

 

FALA COMIGO: marli@brickmann.com.br e marligo@uol.com.br

SP, agosto vem aí

_______________________________________________________________________

ARTIGO – Nossa sociedade trans. Por Marli Gonçalves

pwave02Tudo é trans.Transtornado. Uma coisa que é uma coisa e se transmuta em outra sem nem piscar os olhos. Transformações nem sempre transparentes, muito menos translúcidas.pwave02

Em geral, transado, mas também pode não ser sexo, apenas transpassá-lo. Assim, nada é exatamente trançado ou transado, mas transita nos deixando é muito confusos. A gordura trans, a renegada, abolida, desprezada. Os transexuais que agora estão se dividindo em ainda mais outras novas definições que acabarão por usar o alfabeto inteiro para se definirem, além do LGBTS. Já descobri que há definições como mulher transexual, trans, ou transmulher. Me fazem lembrar de experimentos biológicos que fazíamos em laboratórios de escola, quando vivíamos seccionando coisas para ver se viravam outras. Não dá só para ser? Tem de definir?

Nunca entendi qual o problema de simplificar, ao invés de complicar, o que parece feito apenas para parecer mais importante. Tudo surge como politicamente correto, mas serve também para excluir. Transferimos às palavras toda sorte de definições. Elas, as palavras, coitadinhas, andam por aí atônitas transitando entre um ou outro significado.

Circular.Polarization.Circularly.Polarized.Light_Right.Handed.Animation.305x190.255ColorsTem muita coisa atravessada em nossas gargantas, só que nessa época de eleições elas afloram nas mais diferentes ideologias, se é que podemos chamar assim, porque pelo que acompanho daqui não chegam a ser exatamente um conjunto de ideias, pensamentos, doutrinas ou de visões. Ou são de alguma ideologia diferente, Frankenstein, que ainda desconhecemos. São xingamentos, opiniões não embasadas, ouvi dizer por aí, mas tudo cheio de sentimentos, racionais ou não, mas sentimentos. Fora as mais tresloucadas, isso sim, teorias conspiratórias, lendas urbanas.

O problema é que muitas vezes – e estamos assistindo agora – o momento ultrapassa qualquer possibilidade de se instituir bom senso, debater com propriedade, já que se depende de poder transitar na sociedade e com um mínimo de racionalidade.transversos

Vínhamos até vindo muito bem com uma tal polarização, de nós contra “eles”. Mas caiu um avião e surgiu mais um elemento que ultrapassou a realidade e sem transgredir qualquer mínima capacidade de previsão. Como uma onda que leva todos do navio para um lado só, quase virando-o, esse transatlântico chamado Brasil. O marinheiro de olhos azuis que era subordinado a uma caboquinha na busca por uma promoção saiu de cena e o timão foi parar nas mãos de quem até ali – muito louco – segurava – e todo mundo via – o marinheiro na cabine, dizendo isso pode isso não pode.

Ela é lenta, devagar, quase parando, tem ideias pessoais que se levadas a sério chegam a ser ridículas, mas promete com aquele olhar devotado e voltado ao céu que transcenderá. A nós resta o quê? Um país alquebrado, em crise recessiva – que ainda teimam em negar, não sei como podem querer transparecer tranquilidade – e com tanta coisa a ser construída, especialmente na área de comportamento. Santa temeridade.

As principais opções: a do grupo que não fez, mas bate no peito; a do grupo que já fez, mas parou e agora nem toca em assuntos que nos são tão sensíveis; e a tal novidade que, em si, vem carregada de messianismo, dogmas e que, se continuar crescendo, devemos nós apelar aos Deuses. Para que ao menos se cerque de gente moderna. Que consigam fazer com que ela não seja apenas uma espinha entalada transversalmente. Senão nossa juventude vai ficar ainda mais transviada, tocando flauta transversal, transpondo seus próprios limites muito antes do Rio São Francisco.emwaveanim

Não podemos transigir disso nesse momento de transição. Sob o risco de não conseguir transpor, sim, mas as nossas próprias barreiras. Senão teremos todos de sair por aí novamente propondo transgressões.

São Paulo, com possibilidades transamazônicas à frente, 2014Twave

Marli Gonçalves é jornalista – Transpira otimismo. Vive nessa sociedade que fica batendo cabeça, buscando algum viés para se escorar.

********************************************************************
E-mails:
marli@brickmann.com.br
marligo@uol.com.br

Fernando Pires, o mágico dos sapatos e saltos, lança coleção. E ele próprio arruma sua loja, com cuidado e carinho

FLAGUEI O PRÓPRIO FERNANDO PIRES, OLHA SÓ, AGORA À NOITE, ARRUMANDO UM POR UM  DE SUAS JÓIAS NA LOJA DA RUA DA CONSOLAÇÃO, NOS JARDINS..

ELE NEM ME VIU, DE TÃO DISTRAÍDO QUE ESTAVA

FERNANDO PIRES, ARRUMANDO SUA COLEÇÃO...ESPERANDO AS PRINCESAS E CINDERELAS QUE AMANHÃ CHEGAM NO COQUETEL
O CONVITE

OLHA AÍ ONDE VOCÊ PODE VER MAIS:

http://fernandopires.com.br/webstore/

http://www.fernandopires.com.br/site.html

Caçando notícias…

Tem de tudo, Mas nada assim especial para trazer de onde está.

Tem os passaportes diplomáticos dos Lulinhas & afins;tem nego tentando perfilar a Marcela Temer, a vice-segunda dama, sem muito sucesso. Até porque ela é tão jovem que ainda está construindo o seu caminho. E, escutem só: de alguma forma essa moça vai dar o que falar, e não vai demorar. Espero que para o bem. Mas temo que o Temer seja um homem ciumento e aquele ambiente de Brasília não respeita muito liturgias ou listas de pecados.

Tem o Haiti – o terremoto vai fazer um ano. Tem o dia a dia do novo governo. Claudio Humberto comemora seis dias de governo sem que Dilma tenha se estressado, nem usado os termos que usava, ou pondo gente para fora de sua sala.

Penso que se fosse chefe de reportagem pediria para um bom repórter ir visitar Erenice Guerra. Como ela está? Deve estar deprimidíssima. Hoje ocuparia um lugar de destaque se não tivesse tanta sede de ir ao pote. Creio ainda que faria matérias que sempre gostei. O lado B. Os familiares de pessoas que estão na UTI do Sirio Libanês…

Procuraria também um revival de pessoas que foram e sumiram. Pessoas importantes que só quando morrerem virarão página inteira de jornal. E que talvez hoje vivessem felizes com um quarto de página.

Terezinha Zerbini – uma das primeiras feministas brasileiras – papel importante também na anistia. Assisti a missa do Quércia ao lado da filha dela.

Ruth Escobar – dama do teatro – doente há anos, raramente lembrada.

Bem, não vou dar luz a cego. Tem muita gente.

Vou arrumar gavetas.