ARTIGO – A espera é difícil. Por Marli Gonçalves

esperaJá percebeu? Passamos a vida a esperar. No final de ano, nessa época, fica ainda mais patente porque mostra que todo o tempo esperamos. Ainda mais e demais de tudo e de todos, de todas as coisas, dos dias que virão, e até de nós mesmos. E depositamos esperança, que nada mais é do que esperar o algo que mais desejamos. Contagens regressivas diárias que fazemos às vezes até meio distraídos; algumas esperas até impulsionam quando possível, aceleramos para tentar chegar ao seu fim o mais rápido possível, quando então se transformarão em realidade – e isso é sempre muito concretoespera-1

O compasso da espera – essa pausa que, em uma orquestra, se aguarda a vez de o instrumento entrar e participar da música entoada. O difícil é preencher esse vazio, atento, para não desafinar, entrar na hora errada, estragar tudo. A espera é prima-irmã da angústia. Mãe da ansiedade. A espera não contém certezas.

Continuo escrevendo para você sentada em uma cadeira azul, ao lado de uma cama de hospital de onde ainda não consegui arrancar meu pai. A cadeira é só um pouco mais confortável do que a anterior, já que agora ele foi transferido para outra enfermaria.

Em hospitais, por exemplo, a espera tem uma dimensão fantástica. Esperamos melhoras, a eficácia dos medicamentos, diagnósticos mais precisos, a passagem das longas horas dos compridos dias e noites, que as nossas orações alcancem os céus, a cura, que vençamos os embates e os jogos mortais. Todos aqui especialmente esperam. Talvez daí, pelo menos neste onde me encontro, tantas filas, uma das maiores e mais comuns expressões e formas de espera.

10, 9, 8,7,6,5,4,3,2,1…a contagem regressiva para o Natal. De novo, 10, 9, 8,7,6,5,4,3,2,1…e lá vai o ano acabar e chegar outro; dele se esperam soluções para nossos desencantos e a realização de nossos planos. Meia noite. Poucos lembram que, se essa mágica fosse mesmo eficaz, a passagem de um minuto a outro em alguns estados onde vigora o horário de verão a faríamos uma hora depois.

Pouco adianta dizer que na sequência continuaremos esperando tudo da vida. Esperaremos sentados ou em pé. O Sol e a chuva, o calor e o frio. As estações e as grandes datas; os feriados.

Esperaremos muito das pessoas; ou menos. Esperaremos as pessoas certas, e as ocasiões para cada uma delas. Os dois lados da moeda. Seu amor vir te ver.

Esperando uns governos melhores e um país, enfim, minimamente decente, terra da qual possamos nos orgulhar.

Continuaremos contando com a boa vontade, a solidariedade, a proteção divina, algo que teremos como certo ou provável, uma chegada ou partida. Esperando uma brecha, uma oportunidade, reconhecimento de algo que talvez seja como sempre esperamos.

Esperar é esperança. Essa virtude que almeja a vida eterna e o reino dos céus.

Os nossos atos que depositamos na mão de Deus, esperando que ele os julgue e decida o quanto precisaremos esperar para sentir Sua glória.

191899__unopt__safe_rainbow-dash_animated_sitting_clock_chair_waiting_artist-pwnypony-db

____________________

20160813_143252Marli Gonçalves, jornalista As mãos em oração, como a pequena esperança verde quase transparente que se esconde nas plantas, mexe suas antenas e parece sempre implorar misericórdia.

São Paulo, Feliz Natal a todos, e que 2017 seja ao menos um pouco do que esperamos

____________________________________________

E-MAILS:

MARLI@BRICKMANN.COM.BR
MARLIGO@UOL.COM.BR

ARTIGO – Impaciência chata. Por Marli Gonçalves

daria-mtv-foot-tapping-waiting-impatientImpaciência chata

Por Marli Gonçalves

Está difícil não ter, não ser, não expressar. O tempo passa com a sensação de cada vez mais rápido, abrupto, e as coisas não mudam. Tudo o que queremos ver melhorado, tudo o que pensamos como futuro fica ali, minguando. Se fosse um bolo, diríamos que está encruado

tumblr_nsb9s5eets1s2wio8o1_500Mamãe sempre dizia que só uma pessoa podia bater um bolo; se entrasse outra, se outra mão pegasse a colher, a massa encruaria. Vejam só no que pensei. Espero sinceramente que isso não se aplique à política, já que um dos motivos detonadores de minha paciência é justamente a ladainha cegueta do lado de lá, que já se torna, inclusive, burra, porque incentiva o divisionismo. Quando o momento é de ficarmos todos espertos, de olhos abertos e com propostas realistas para tirar o país do buraco em que está metido, já nem importa mais quem foi – até porque a gente bem sabe.

Tenho sido acometida desse mal, e não gosto nada disso, dessa prima-irmã do estresse, mas me diga, por favor, se é impressão só minha verificar que há uma certa lentidão em determinados setores do dia a dia que enfrentamos.

Tudo é promessa, para amanhã, para depois, estamos fazendo, as providências estão sendo tomadas, serão feitas investigações rigorosas e análises profundas, e das quais nunca conhecemos o resultado.

O mundo tomou um chá de gerundismo, a melhor forma de expressar o não fazer como se estivesse fazendo.

É como se estivéssemos dependurados num precipício e alguém falasse calma que a corda já está chegando, só depende de conseguir que seja encontrada, comprada e trazida.

Como não ficar impaciente com a fila quilométrica, e você com uma senha na mão onde está escrito que a espera não ultrapassará os minutos que há muito já o foram? Como não ficar impaciente com quem, em dívida com você, promete pagar e não o faz, e você ainda tem de ser bom, calmo-paciente-compreensivo e pedir desculpas por ser tão insensível e ter de voltar a tocar no assunto tantas vezes? Inversão de papéis é coisa que puxa a impaciência de dentro da gente, por mais controlado que o ser possa ser.

Como não ficar impaciente com o tempo passando lépido e você ainda esperando que seja criada infraestrutura, que o progresso chegue, com Saúde, Educação e a realidade ser a gente ainda engatinhando nos preceitos básicos, e entre os mais atrasados do mundo?

Quando se é muito jovem temos muita impaciência, porque sempre haverá mil coisas a começar, a fazer, a conhecer, experimentar. Depois de uma certa idade, tudo isso volta – ok, talvez já não sejam mais mil coisas, mas aumenta a impressão de que o tempo se encurta à frente e ainda falta começar, fazer, conhecer, experimentar e, principalmente, aproveitar o que conseguiu recolher até ali. (E que ainda não tenha ido para o ralo).

Isso dá impaciência. Dá nos nervos. Nos deixa ansiosos. Não é por menos que explode no país o uso de medicamentos para amainar, e de distúrbios, como dizem, “ligados à vida moderna”. Essa inquietação toda, difícil de controlar.

É uma espera angustiante por compreensão vinda do outro, de pedido de respeito ao seu ponto de vista e ao que se passa que também quer falar, pôr na mesa, mas se não gritar, se não bater o pé, não será ouvido. Aliás, bater o pezinho é boa forma de demonstrar impaciência.

f950-22Sei só que isso não é coisa nada boa para a saúde, nem física, nem mental. Andei pensando em pedir a um amigo terapeuta floral uma boa indicação de “Impatiens walleriana” que dizem ser ótimo. Essa flor é aquela, a “maria-sem-vergonha”, porque dá em qualquer lugar, e que tem quem chame de beijo turco. Aí já não sei por que, embora imagine.

A impaciência é perigosa, pode levar a erros. Também dizem que ajuda muito mexer com terra, com plantas, para dar uma acalmada, tentar pensar em assuntos leves, caminhar 30 minutos três vezes por semana, manter o humor e principalmente, indicam os analistas, é preciso falar sobre isso.

O que estou fazendo.tumblr_ll8kuytvtd1qfqa3so1_500

________________________________________________________________

oculos fendiMarli Gonçalves, jornalista – Tem todos os motivos, isso é que é o pior. Mestre Drummond já dizia, em O Avesso das Coisas: “Não é fácil ter paciência diante dos que a têm em excesso”. E disse mais: “Se precisamos de paciência para nos suportarmos, quanto mais para suportar os outros”.

São Paulo, 2016, nos meses florais de primavera

____________________________________________
E-MAILS:
MARLI@BRICKMANN.COM.BR
MARLIGO@UOL.COM.BR