ARTIGO – Em cartaz, o filme de nossas vidas. Por Marli Gonçalves

Onde? Filme rodando, diariamente, em branco e preto e colorido, em nossas cabeças, em horários especiais. Quando estamos sós, quando sabemos da morte de tantos, ou de mais um alguém que fez parte de algum capítulo inesquecível

Às vezes apenas um filme de terror. O medo espreitando em cada esquina, em cada necessidade de sair de casa. Naquela dorzinha de cabeça que você sempre teve, mas agora ela é quase paranoica se persiste. Em cada espirro ou tosse, antes bem normais principalmente em quem vive em cidades poluídas como São Paulo. Sente frio, vira calafrio, põe logo a mão na testa para sentir se está com febre; se possível, verifica a oxigenação. Palpitação, taquicardia, ansiedade, sono agitado, pesadelos muito piores do que os imaginados em “À meia noite levarei sua alma”, “O massacre da Serra Elétrica”, ou em filmes de vampiros, zumbis (esses, então, tenebrosos) e tantos outros rodados enfocando doenças, hospitais, vírus, invasões extraterrestres e…pandemias. A sensação não é só de longa metragem, mas de seriados, e com várias temporadas, maratonadas, corridas por horas, mas pela vida, para nos manter, de alguma forma, por aqui.

Às vezes apenas um filme melancólico. A gente agora fica sabendo de quem até há muito não se tinha notícias, e agora sabe desse ponto final. O filme roda. Aquele telefonema que não deu – do que teriam conversado? Aquele prometido encontro adiado tantas vezes – “Vamos nos ver?” – e que agora em outras situações nessa pandemia se repete assim: “Quando acabar tudo isso, vamos nos encontrar, hein?”. Teremos tempo para tantos encontros que vêm sendo prometidos? Já tive vários deles, cancelados. Por essa força maior do fim.

E tudo isso não acaba, não acabou, piora, vem e vai. E a pessoa foi. Não deu tempo. Por onde anda mesmo aquela foto linda que a gente tinha, juntos? E toca o filme na cabeça lembrando cada momento, a vontade de homenagear e que na hora você fica até sem palavras tantos são os trechos do filme a ser montado, se possível fosse editá-lo.

Ir às redes sociais hoje é ser informado de mortes, às pencas. Terrível.  Grande parte, sem dúvida, de pessoas que você nem conheceu, mas seus amigos, sim. Suas mães, pais, avós, amigos, irmãos. Você vê as imagens, as fotos, sente a dor deles, gostaria de dizer algo que os acalentasse, mas como? Não há emoji – há pouco apareceu um, significando “força”, mas é até irritante. Melhor, se usar símbolo, o da carinha chorando. Muitas vezes, inclusive, melhor mesmo é ficar quieto, passar batido. Mandar uma boa vibração, mesmo que a pessoa não saiba – é, garanto, do que ela precisará para continuar a rodar o seu próprio filme.

Às vezes, um filme romântico. A morte de alguém que você já amou traz outras cenas, às vezes acompanhadas de música, além de bons momentos lascivos, se os viveu. Se não, se platônica foi essa paixão, resta riscá-la de vez do seu caderninho. E quando ainda ama muito e, embora possa por vários motivos estar distante, fica sabendo que essa pessoa está no leito de um hospital lutando pela vida? Talvez ela não tenha chances, talvez nunca saiba do roteiro e das cenas que você planejou e ainda tinha tantas esperanças de rodar. Ou reprisar.

Vivemos certamente um dos momentos mais emblemáticos de nossas histórias, embora agora entendamos que tudo sempre pode ainda piorar, e que outras gerações já chegarão com essa marca vinda da destruição acelerada da natureza, da incapacidade humana ou de sua incrível capacidade para o mal. A morte do menino Henry Borel, agora mais clara, elucidada com detalhes, nesse momento de comoção nacional materializa em si a agonia das já quase 350 mil mortes em nosso país, que parecem pouco sentidas.

Como se todas fossem esse menino, um brasileirinho que sorria, pulava, cantava, mas não conseguiu comunicar a tempo o que sofria diante de quem deveria amá-lo e proteger. Deixado nas mãos de quem, exatamente como quem agora governa o país, violento, cheio de papos de religião, ética, moral, de um lado, e que quando virado ao avesso, espremido, dele só sai violência, sangue, morte, frieza. Ou tentativas de escapar, entregando o “corpinho”. Ou frases que calam terrível e dolorosamente em todos nós, como a que o assassino ousou dizer ao desolado pai de Henry: “Vida que segue, faz outro filho”.

No final deste filme pavoroso que assistimos, ao vivo, além do que se passa em particular em nossas cabeças, dessa realidade toda, será que conseguiremos, depois, sei lá, fazer outro país?

Porque este aqui, este cenário geral, a locação onde rodamos os nossos filmes particulares, não anda nada bem; e não há maquiagem que corrija esses protagonistas.

___________________________________________________

MARLI

MARLI GONÇALVES – Jornalista, consultora de comunicação, editora do Chumbo Gordo, autora de Feminismo no Cotidiano – Bom para mulheres. E para homens também, pela Editora Contexto.  (Na Editora e na Amazon). marligo@uol.com.br / marli@brickmann.com.br

___________________________________________

 (se republicar, por favor, se possível, mantenha esses links):
Instagram: https://www.instagram.com/marligo/
Blog Marli Gonçalves: www.marligo.wordpress.com
No Facebook: https://www.facebook.com/marli.goncalves

ARTIGO – Olhos nos olhos. Por Marli Gonçalves

Com o uso mais intenso das máscaras nos rostos precisamos aprender a lidar com as informações dos olhos que ainda conseguem fugir, transparecer dos olhares das pessoas, e elas têm trazido, de um lado, transparentes, a aflição, a visão do medo, da tristeza, a indignação; de outro, vocês sabem qual, e que nem máscara usa, apenas o ódio do descontrole e incapacidade do desgoverno diário a que estamos submetidos, de onde jorram atos cruéis e ofensas a tudo o que mais prezamos

olhos nos olhos

Você se aproxima da porta da loja, apenas, sei lá, querendo olhar a vitrine quando sai para bater pernas e tomar um ar. Sente que alguém está te olhando fixamente lá de dentro, como se tentasse atrair, puxar você, e quando o seu olhar encontra o outro vê uma enorme ansiedade, como se pudesse salvar o emprego daquela pessoa. Isso quando os vendedores já não estão nas portas, e aí é mais intenso o olhar de súplica. As lojas estão vazias, e vazias, muitas, perceptível, até de vendedores em algumas maiores onde costumávamos ver movimento. O retrato de um país em crise. Crise sanitária, econômica e política, esta, agravando ainda mais a já combalida realidade da doença que avança, dizima, modifica nossas vidas como talvez muitos de nós jamais pudéssemos imaginar.

Com o anúncio de novos fechamentos – e em quase todas as regiões e cantos – ficou mais patente uma tenebrosa angústia geral, onde a maioria concorda que não há outro jeito, mas sabe que será vítima de alguma forma.

Não temos vacinas, não temos vacinas. E ficamos apenas buscando nos alegrar diariamente com as imagens dos frágeis braços dos muito mais idosos sendo perfurados. No íntimo, os invejando, porque a partir disso talvez não fiquem mais doentes, ou se ficarem, talvez não sofram, não morram, não estejam entre esses milhares, talvez não tenham de sofrer com as sequelas que perduram meses, isso quando são sanadas.

E aí a gente tem medo. Se pudesse não respirava o ar de lá de fora. Atravessa a rua quando avista grupos sem máscaras, embebeda o corpo de álcool em gel. Se aborrece quando cruza com a ignorância e ela está em todos os locais. Se é dos que não se calam, como meu caso, volta pra casa estressado porque arrumou tretas. E só queria tomar um ar.

Nos últimos dias por aqui, nas ruas, os olhos viram o afã, de correr, de comprar – já não é mais só papel higiênico que foi loucura besta do ano passado. É comprar o que puder, até porque sabemos que tudo vai aumentar, isso se houver, porque os meus olhos há muitos dias já vêm observando prateleiras vazias, desabastecimento, poucas opções de produtos da cesta básica.  Nas feiras, os preços nas alturas inibem a compra de produtos saudáveis, que talvez até nos ajudassem a ampliar a imunidade. Nas farmácias, vitaminas em cápsulas dobram o valor dia após dia. Se esgotam sim, porque o abismo econômico se pronuncia, e quem tem, tem, e cada vez tem mais. E compra tudo o que pode. Monopoliza. Estoca.

Meus olhos também já localizam claramente os olhos dos oportunistas que se refestelam – e daí muitos deles apoiem na cara dura a insanidade do maluco presidente e sua equipe, além de seus filhos e etceteras que nos provocam os mais terríveis instintos.

Os olhos, costumamos dizer, são as janelas da alma. Vejam – reparem bem os olhos deste homem – seus olhos crispados, ríspidos, transparecem seu ódio. E também o seu medo por claramente não saber dirigir, governar, não saber o que fazer, não ter como liderar do alto de sua ignorância, e fazer tudo errado, tendo de comprar cada vez mais caro e com a corrupção sua permanência no poder. Ele, eles, porque são um grupo espalhado, nunca poderão ser perdoados. Jamais. Isso não nos será negado. Seus olhos nunca mais poderão se fechar sem lembrar das pessoas morrendo de fome, agonizando por falta de ar e oxigênio, sem emprego nas filas, dormindo em sacos nas ruas onde reviram e viram o lixo.

Podem estar vacinados em suas mansões especialmente financiadas, em seus carrões. Nos iates, jatinhos, com roupas de grife. Seus travesseiros nos vingarão todas as noites. Jamais dormirão em paz. Sonharão que estão caindo, despencando. E estarão, mesmo.

___________________________________________________

MARLI GONÇALVES – Jornalista, consultora de comunicação, editora do Chumbo Gordo, autora de Feminismo no Cotidiano – Bom para mulheres. E para homens também, pela Editora Contexto.  (Na Editora e na Amazon). marligo@uol.com.br / marli@brickmann.com.br

___________________________________________

 (se republicar, por favor, se possível, mantenha esses links):
Instagram: https://www.instagram.com/marligo/
Blog Marli Gonçalves: www.marligo.wordpress.com
No Facebook: https://www.facebook.com/marli.goncalves
No Twitter: https://twitter.com/MarliGo

ARTIGO – A espera é difícil. Por Marli Gonçalves

esperaJá percebeu? Passamos a vida a esperar. No final de ano, nessa época, fica ainda mais patente porque mostra que todo o tempo esperamos. Ainda mais e demais de tudo e de todos, de todas as coisas, dos dias que virão, e até de nós mesmos. E depositamos esperança, que nada mais é do que esperar o algo que mais desejamos. Contagens regressivas diárias que fazemos às vezes até meio distraídos; algumas esperas até impulsionam quando possível, aceleramos para tentar chegar ao seu fim o mais rápido possível, quando então se transformarão em realidade – e isso é sempre muito concretoespera-1

O compasso da espera – essa pausa que, em uma orquestra, se aguarda a vez de o instrumento entrar e participar da música entoada. O difícil é preencher esse vazio, atento, para não desafinar, entrar na hora errada, estragar tudo. A espera é prima-irmã da angústia. Mãe da ansiedade. A espera não contém certezas.

Continuo escrevendo para você sentada em uma cadeira azul, ao lado de uma cama de hospital de onde ainda não consegui arrancar meu pai. A cadeira é só um pouco mais confortável do que a anterior, já que agora ele foi transferido para outra enfermaria.

Em hospitais, por exemplo, a espera tem uma dimensão fantástica. Esperamos melhoras, a eficácia dos medicamentos, diagnósticos mais precisos, a passagem das longas horas dos compridos dias e noites, que as nossas orações alcancem os céus, a cura, que vençamos os embates e os jogos mortais. Todos aqui especialmente esperam. Talvez daí, pelo menos neste onde me encontro, tantas filas, uma das maiores e mais comuns expressões e formas de espera.

10, 9, 8,7,6,5,4,3,2,1…a contagem regressiva para o Natal. De novo, 10, 9, 8,7,6,5,4,3,2,1…e lá vai o ano acabar e chegar outro; dele se esperam soluções para nossos desencantos e a realização de nossos planos. Meia noite. Poucos lembram que, se essa mágica fosse mesmo eficaz, a passagem de um minuto a outro em alguns estados onde vigora o horário de verão a faríamos uma hora depois.

Pouco adianta dizer que na sequência continuaremos esperando tudo da vida. Esperaremos sentados ou em pé. O Sol e a chuva, o calor e o frio. As estações e as grandes datas; os feriados.

Esperaremos muito das pessoas; ou menos. Esperaremos as pessoas certas, e as ocasiões para cada uma delas. Os dois lados da moeda. Seu amor vir te ver.

Esperando uns governos melhores e um país, enfim, minimamente decente, terra da qual possamos nos orgulhar.

Continuaremos contando com a boa vontade, a solidariedade, a proteção divina, algo que teremos como certo ou provável, uma chegada ou partida. Esperando uma brecha, uma oportunidade, reconhecimento de algo que talvez seja como sempre esperamos.

Esperar é esperança. Essa virtude que almeja a vida eterna e o reino dos céus.

Os nossos atos que depositamos na mão de Deus, esperando que ele os julgue e decida o quanto precisaremos esperar para sentir Sua glória.

191899__unopt__safe_rainbow-dash_animated_sitting_clock_chair_waiting_artist-pwnypony-db

____________________

20160813_143252Marli Gonçalves, jornalista As mãos em oração, como a pequena esperança verde quase transparente que se esconde nas plantas, mexe suas antenas e parece sempre implorar misericórdia.

São Paulo, Feliz Natal a todos, e que 2017 seja ao menos um pouco do que esperamos

____________________________________________

E-MAILS:

MARLI@BRICKMANN.COM.BR
MARLIGO@UOL.COM.BR

ARTIGO – Impaciência chata. Por Marli Gonçalves

daria-mtv-foot-tapping-waiting-impatientImpaciência chata

Por Marli Gonçalves

Está difícil não ter, não ser, não expressar. O tempo passa com a sensação de cada vez mais rápido, abrupto, e as coisas não mudam. Tudo o que queremos ver melhorado, tudo o que pensamos como futuro fica ali, minguando. Se fosse um bolo, diríamos que está encruado

tumblr_nsb9s5eets1s2wio8o1_500Mamãe sempre dizia que só uma pessoa podia bater um bolo; se entrasse outra, se outra mão pegasse a colher, a massa encruaria. Vejam só no que pensei. Espero sinceramente que isso não se aplique à política, já que um dos motivos detonadores de minha paciência é justamente a ladainha cegueta do lado de lá, que já se torna, inclusive, burra, porque incentiva o divisionismo. Quando o momento é de ficarmos todos espertos, de olhos abertos e com propostas realistas para tirar o país do buraco em que está metido, já nem importa mais quem foi – até porque a gente bem sabe.

Tenho sido acometida desse mal, e não gosto nada disso, dessa prima-irmã do estresse, mas me diga, por favor, se é impressão só minha verificar que há uma certa lentidão em determinados setores do dia a dia que enfrentamos.

Tudo é promessa, para amanhã, para depois, estamos fazendo, as providências estão sendo tomadas, serão feitas investigações rigorosas e análises profundas, e das quais nunca conhecemos o resultado.

O mundo tomou um chá de gerundismo, a melhor forma de expressar o não fazer como se estivesse fazendo.

É como se estivéssemos dependurados num precipício e alguém falasse calma que a corda já está chegando, só depende de conseguir que seja encontrada, comprada e trazida.

Como não ficar impaciente com a fila quilométrica, e você com uma senha na mão onde está escrito que a espera não ultrapassará os minutos que há muito já o foram? Como não ficar impaciente com quem, em dívida com você, promete pagar e não o faz, e você ainda tem de ser bom, calmo-paciente-compreensivo e pedir desculpas por ser tão insensível e ter de voltar a tocar no assunto tantas vezes? Inversão de papéis é coisa que puxa a impaciência de dentro da gente, por mais controlado que o ser possa ser.

Como não ficar impaciente com o tempo passando lépido e você ainda esperando que seja criada infraestrutura, que o progresso chegue, com Saúde, Educação e a realidade ser a gente ainda engatinhando nos preceitos básicos, e entre os mais atrasados do mundo?

Quando se é muito jovem temos muita impaciência, porque sempre haverá mil coisas a começar, a fazer, a conhecer, experimentar. Depois de uma certa idade, tudo isso volta – ok, talvez já não sejam mais mil coisas, mas aumenta a impressão de que o tempo se encurta à frente e ainda falta começar, fazer, conhecer, experimentar e, principalmente, aproveitar o que conseguiu recolher até ali. (E que ainda não tenha ido para o ralo).

Isso dá impaciência. Dá nos nervos. Nos deixa ansiosos. Não é por menos que explode no país o uso de medicamentos para amainar, e de distúrbios, como dizem, “ligados à vida moderna”. Essa inquietação toda, difícil de controlar.

É uma espera angustiante por compreensão vinda do outro, de pedido de respeito ao seu ponto de vista e ao que se passa que também quer falar, pôr na mesa, mas se não gritar, se não bater o pé, não será ouvido. Aliás, bater o pezinho é boa forma de demonstrar impaciência.

f950-22Sei só que isso não é coisa nada boa para a saúde, nem física, nem mental. Andei pensando em pedir a um amigo terapeuta floral uma boa indicação de “Impatiens walleriana” que dizem ser ótimo. Essa flor é aquela, a “maria-sem-vergonha”, porque dá em qualquer lugar, e que tem quem chame de beijo turco. Aí já não sei por que, embora imagine.

A impaciência é perigosa, pode levar a erros. Também dizem que ajuda muito mexer com terra, com plantas, para dar uma acalmada, tentar pensar em assuntos leves, caminhar 30 minutos três vezes por semana, manter o humor e principalmente, indicam os analistas, é preciso falar sobre isso.

O que estou fazendo.tumblr_ll8kuytvtd1qfqa3so1_500

________________________________________________________________

oculos fendiMarli Gonçalves, jornalista – Tem todos os motivos, isso é que é o pior. Mestre Drummond já dizia, em O Avesso das Coisas: “Não é fácil ter paciência diante dos que a têm em excesso”. E disse mais: “Se precisamos de paciência para nos suportarmos, quanto mais para suportar os outros”.

São Paulo, 2016, nos meses florais de primavera

____________________________________________
E-MAILS:
MARLI@BRICKMANN.COM.BR
MARLIGO@UOL.COM.BR