ARTIGO – É fogo. É faca. Zune no ar a palavra. Por Marli Gonçalves

O brilho cego de paixão e fé, faca amolada”. As palavras podem ser tão cortantes quanto uma traiçoeira faca, que também nos atravessou – a todos – numa ensolarada tarde em Minas Gerais. Uma semana que jamais será esquecida, e que botou fogo em um museu, numa história, e criou uma outra que será levada adiante muito tempo, todas transmitidas ao vivo.

As pessoas estão tão loucas nesse nosso tropical país que não bastou o atentado a Jair Bolsonaro praticamente ser transmitido ao vivo, registrado por inúmeras câmeras de celulares, em detalhes e vários ângulos. Elas queriam ver o sangue, vermelho, muito sangue, como veem nos filmes – aquele ketchup que jorra nas paredes. Então, muitas duvidaram. Duvidaram. Duvidaram durante horas, mesmo com informações minuto a minuto sobre a gravidade do ocorrido. Aquela gigantesca faca que um ser brandiu e enfiou 12 centímetros no candidato e na democracia, ferindo-a e expondo – ainda mais – as suas delicadas entranhas.

As chamas, as labaredas do fogo que consumiu objetos e detalhes milenares guardados no Museu Nacional do Rio de Janeiro, ainda fumegavam, mostrando um outro lado do descaso, da incompetência, da barriga que empurra, da corda rota que se estica até que rompa, dando vazão a todo mal que seguravam. Nem os deuses e divindades gregas personificados em imponentes e trágicas estátuas que do alto do telhado daquele Palácio a tudo observavam, do nada que restou de seu interior, e que como que estranhamente protegeram a casca do Museu, nem o próprio Oráculo de Delfos, creio, poderiam prever mais fatos dessa longa semana.

É a desordem, mais do que algo fora da ordem, estamos mesmo em um país com os nervos à flor da pele, caótico, dividido, raivoso. Do fogo e da faca surge a ignorância total, o desconhecimento e a falta de compromisso com a lógica e com a verdade, coisas sobre a qual ficamos evitando falar para não parecermos uns melhores do que os outros.

É mais séria do que poderíamos prever, no entanto, a situação. Muito além do frigobar instalado com fios desencapados no quarto do imperador, que o diretor do museu fez de seu para gabinete. Além dos pedaços de reboco que caiam tentando alertar, calados apenas por espaços e portas fechadas ao público, como vendas nos olhos. Quantas situações parecidas acompanhamos ainda silenciosos? Quantas ainda serão reveladas?

A faca que parou o candidato Jair Bolsonaro

Na política, o fogo das paixões, o caldeirão fervendo, a água derramando, e uma incompetente escolta policial veio à luz no brilho da lâmina brandindo à luz do dia e em meio a uma multidão. Não consigo deixar de ironizar a cada vez que ouço falar em “inteligência” seja nesta ou em qualquer investigação. Andava observando que em todas as aparições o candidato que se fez pela truculência aparecia cercado de brucutus muito assemelhados inclusive à velha e terrível imagem da supremacia branca: caras enfezadas, postura agressiva, seguranças particulares, seguidores da doutrina da bala, do armamento. Mas como tudo parece apenas virtual…

Entretanto, a realidade é sempre cruel. Ironia ter sido uma faca, não uma bala. Não há muito o que pensar se o autor é ou não desequilibrado mental. Parece óbvio que não é inteligente, autor de um atentado estudado, planejado, pelo menos não por profissionais. Preso na hora, sortudo por não ter sido linchado, é o exemplo da disseminação do ódio nas redes sociais, estimulado pelos dois lados dessa corda, os dois extremos. Queria matar, parece que sim. Queria ficar famoso? Quem mais?

Agora é acompanhar a saga médica, que começou estrondosa. Salvo da morte que se apresentou com sua foice, pela equipe de Juiz de Fora, em horas já ocorreram conflitos de equipes dos dois hospitais que disputavam, de São Paulo, o show em que já se transformou essa recuperação, essa eleição, e tudo o que virá em seguida.

Vídeos, fotos, gravações e declarações dispensáveis feitas de dentro de uma UTI. Boletins anódinos. Desfile de visitas que se apresentam à imprensa que dormirá nessa porta durante dias. Cobri a permanência de Tancredo Neves no Incor há 33 anos e vejo a exata repetição.

Como já relatado por comentaristas, os nove segundos que o candidato contava agora viraram 24 horas diárias, sete dias da semana. Talvez alguns anos para todos nós.

Nosso destino mais uma vez se desenrola de dentro de uma UTI.

mao-faca

_______________________

Marli Gonçalves, jornalista – É fogo na roupa. Fé cega, faca amolada. Agora não pergunto mais pra onde vai a estrada

Brasil, 2018

marligo@uol.com.br e marli@brickmann.com.br

ARTIGO – Os laços de dezembro. Por Marli Gonçalves

Tendo a sempre achar que laços encerram, fecham, guardam. Ao unir, laços juntam as partes – muitas, todas as que puder abraçar – até que por dedos ou mentes hábeis sejam desfeitos; alguns laços são bem intrincados, complexos. Mas mesmo assim diferente do nó, que é onde estamos, e precisamos desatar logo para podermos enlaçar. 9248lazoroani[1]

Já começou. Para onde olho vejo laços, mas agora vejo mais daqueles bonitos, frufru, que parecem borboletas, e que ficam tentando sempre nos impregnar com o clima de Natal que prevejo como um dos piores de muitos tempos, com poucos pacotes e caixas recheadas.

Simbólicos demais, os laços; os mais simples vêm mudando de cor nos últimos meses para nos lembrar de questões de saúde, os rosas, de outubro, alertando às mulheres sobre o câncer de mama, os azuis de novembro para lembrar aos homens a saúde da próstata. O vermelho que vigora neste mês lembra a todos que ainda há muito o que lutar contra a AIDS.

Fitinhas, meras fitinhas que falam. Falam muito e chamam a atenção. Danadinhas.

Vamos agora dar mais uma volta na fita para ver o laço se fazendo como uma dança se desenhando no ar. Quero falar de laços porque acho que estamos tão completamente embaraçados, embolados e sem direção que precisamos dar um jeito de esticar mais rápido a fita para andar para a frente nesse mês que se avizinha com possibilidades de ainda mais surpresas. Não que estas estejam vindo com laços, ao contrário, algemas vêm sendo mais usadas nesse show diário que virou a (des) governança da Nação. Para eles, a casa caiu e é muito impressionante como uma coisa vem ligada à outra; seja de qual sentido venham, perceba como o final parece sempre dar no partido do Governo, o PT. Estão sendo caçados a laço, mas como daqueles que os vaqueiros usam, a corda de couro trançada, com as argolas, usadas para apanhar as reses. Em segundo lugar, outro partido, sempre chamado de balaio de gatos, o PMDB; abriram a boca do balaio. Daí também não tem vindo coisa boa, admitam. Isso sem pensar no outro que perdeu o bonde, o PSDB.

Há muito todos pararam de cortar laços com tesouras para inaugurações de feitos, já que estes também praticamente nem existem mais, apenas remendam – agora passam o tempo apenas se explicando ou querendo aumentar impostos para cobrir os buracos que eles próprios fizeram.

GifsDescubro e achei bonito saber que na Grécia era comum atar as imagens dos deuses com laços para que não abandonassem a região e seu povo, e fiquei pensando que, além de ajudar a nos unir o mais rápido possível e de qualquer forma para reagir e mudar, eles também pudessem ser o símbolo de um novo tempo. Eu aqui sempre tentando ver esse mundo mais bonito, quem sabe a ideia possa ser aceita?

Vou amarrar um lacinho no dedo para ajudar a me lembrar todos os dias deste mês a continuar tendo esperança. Nossos laços de família, de sangue, de país devem e precisam retomar algum símbolo, e poderia ser este – que ainda significa a união, a felicidade, a energia, a força, a justiça, a fortuna, o divino.

Lembrando que precisamos nos unir nem que seja para colocar todos eles num saco ou caixa e atar com um laço bem forte antes de jogá-los no lixo comum da história. Eles são descartáveis, mas estão contaminados!

E não esqueça que não podem ser reutilizados, porque dá no que deu.

lao030

São Paulo, fim de um ano forte, 2015

MARLI GONÇALVES, JORNALISTA – Uma vez desfeitos, aliás, os laços nunca mais tornarão a ser iguais se as pontas voltarem a tentar encontrar-se. A fita estará amassada e marcada.

********************************************************************
E-MAILS:
MARLI@BRICKMANN.COM.BR
MARLIGO@UOL.COM.BR
POR FAVOR, SE REPUBLICAR, NÃO ESQUEÇA A FONTE ORIGINAL E OS CONTATOS
AMIZADE? ESTOU NO FACEBOOK.
SIGA-ME: @MARLIGO

Vigi… se a moda pega…Maconhômetro?Cannabis Verdict vê. E a coisa fica de 24 a 96 horas no organismo

MARIJUAPor ‘segurança’ de usuários, empresa na França lança ‘maconhômetro’

FONTE: uol/BBC

Daniela Fernandes

MARI SOLO Cannabis Verdict está sendo vendido em tabacarias francesas por 3,50 euros (cerca de R$ 11)

Uma empresa francesa lançou um teste de urina para medir a presença de maconha no organismo, que está sendo vendido em tabacarias em todo o país e também distribuído em algumas escolas por profissionais da área de saúde.

Segundo Marc Elie, proprietário da Elicole, que desenvolveu o Cannabis Verdict, o teste de detecção da maconha é uma novidade mundial.

O teste tem usos variados: permite que usuários motoristas possam verificar se há resíduos da droga no corpo, mas também pode ser usado por escolas ou empresas para saber se um aluno ou um funcionário consumiram maconha. O consumo da droga é proibido no país.

O produto foi lançado recentemente no Canadá e deverá chegar em breve ao Estados Unidos, onde já recebeu as autorizações necessárias para a venda. Ele também deverá ser distribuído em países da América do Sul, disse Elie à BBC Brasil.
O Cannabis Verdict é um teste de urina e o resultado demora no máximo 15 minutos para ser revelado. O preço é de 3,50 euros (cerca de R$ 11).

O kit inclui ainda um livro de 24 páginas, com informações sobre riscos à saúde e a legislação internacional em relação ao uso de drogas.

Na França, 100 mil testes de maconha já foram vendidos desde o lançamento, em fevereiro. Cerca de 7 mil tabacarias em todo o país vendem o produto atualmente, segundo o proprietário da Elicole.

“Estamos trabalhando também com a rede de ensino. Enfermeiras de colégios e liceus franceses utilizam o teste como uma ferramenta de prevenção”, afirma.

O Cannabis Verdict é destinado aos fumantes esporádicos de maconha, estimados em 4 milhões de pessoas na França, de acordo com o Observatório Francês de Drogas e Toxicomanias.

Isso porque resíduos de THC (tetrahidrocanabinol, a substância ativa da maconha) podem permanecer de 24 a 96 horas no organismo do fumante, diz Elie. Ou seja, o resultado de um consumidor regular será sempre positivo.

Motoristas

O teste de maconha visa principalmente a segurança nas estradas. O objetivo é saber rapidamente se há resíduos de THC no organismo, para o caso de um eventual controle policial.

“Uma pessoa pode dar apenas dois tragos em um baseado e ter resíduos de THC no organismo durante quatro dias. Diferentemente do álcool, em que há um limite autorizado, no caso da maconha basta que o resultado seja positivo para ter implicações judiciais”, afirma Elie.
“É uma maneira de se autocontrolar e também se responsabilizar em relação ao consumo da maconha”, afirmou à BBC Brasil.

Na embalagem do Cannabis Verdict está escrita a frase “a sua vida é preciosa. Faça o teste antes de pegar o volante”.

Na França, um motorista com resíduos de THC no sangue perde seis pontos na carteira, sofre multa de € 4,5 mil (quase R$ 14 mil) e pode ser condenado a dois anos de prisão. Isso quando não há acidente. Se houver, a pena é de dez anos de prisão.

O teste de maconha também visa profissionais que exercem atividades de risco, como pessoas que trabalham em alturas e motoristas de caminhão, por exemplo.

Na França, uma empresa tem o direito de fazer regularmente testes de controle, como o bafômetro, em trabalhadores que exercem funções com risco de acidentes.

De acordo com a missão interministerial Contra as Drogas e Comportamentos de Adição, do governo francês, 20% dos trabalhadores do país utilizam psicotrópicos (que agem no sistema nervoso central), como álcool, maconha, cocaína e outras substâncias, incluindo medicamentos, como antidepressivos.

A Elicole, que desenvolveu o Cannabis Verdict (fabricado por um laboratório alemão), atua na área de prevenção contra as drogas por meio de palestras e cursos em grandes empresas e escolas francesas.

Elie, seu fundador, cumpriu, há 20 anos, pena de prisão por tráfico de drogas. “Fui ajudado por um procurador que havia atuado em casos internacionais, como o do traficante Pablo Escobar”, conta.

Ele responde a críticos que dizem que o produto poderia facilitar ou mesmo incitar o consumo, dizendo que “pelo contrário, o objetivo é conscientizar as pessoas para não ter comportamento de risco no volante nem no trabalho e lançar debates a respeito”.

Tradutor: Em Paris