Aprenda a conversar. Essa obra é para todos nós. Precisamos falar uns com os outros.

Eu tenho a sorte de ser amiga do autor, Alexandre Henrique Santos.

Mais que sorte, tenho honra, pelo amigo leal, solidário e que faz de sua vida exemplo de sua obra – na prática.

Como um mágico, traz as palavras; como um gênio, transforma os sentimentos ruins em bons. Sua voz, temperança, a força com que nos traz motivação à toda prova é quase impossível de ser descrita.

Afianço. Todas as empresas deveriam conhecer e contratar seu trabalho. Todas as pessoas devem conhecer seus preciosos ensinamentos. Um livro para jornalistas, que vivem desse diálogo com o mundo; um livro para os empresários, para as famílias, para os educadores, para todos que pretendem algum nível de entendimento interpessoal.

Todas as pessoas deveriam ter essa honra, repito, que eu tenho, de conhecer esse autor e seus conhecimentos amealhados durante anos de trabalho aqui e no exterior. Deveria ser um direito.

Justamente por isso recomendo fortemente essa obra. Ela vai mostrar a você o valor da empatia, da conversa, do entendimento.

Da PALAVRA.

ALEXANDRE HENRIQUE SANTOS. AUTOR DE “O PODER DE UMA BOA CONVERSA”, QUE SERÁ LANÇADO 5 DE ABRIL EM SÃO PAULO. EDITORA VOZES

Muito me emociona, ainda, estar entre as pessoas a quem ele dedicou esse exaustivo trabalho. Extraordinária decisão da Editora que tem nome da comunicação: Vozes, a quem parabenizo pela escolha.

Não vou cansar de recomendar aos meus leitores e amigos.

Aliás, já podemos até marcar um encontro lá :
LIVRARIA CULTURA, conjunto nacional, avenida paulista, NO PRÓXIMO DIA 5 DE ABRIL, UMA QUARTA-FEIRA, ÁS 19 HORAS, AQUI EM SÃO PAULO.

(VOU INFORMANDO AS DATAS DE LANÇAMENTO NAS OUTRAS CAPITAIS)

É MINHA AMIGA. Há 38 anos Nanete Neves conseguiu – inédito, difícil, quase impossível – entrevistar o grande Carlos Drummond de Andrade. Agora ela conta como foi. Conto com vocês para os aplausos.

journaux01138 anos depois, resolvi contar em livro como fui o
primeiro repórter no mundo a conseguir entrevistar
Carlos Drummond de Andrade, quando ele estava
para completar 75 anos.

Toda a imprensa estava atrás dele, mas só eu,
uma garota da Mooca, que nunca tinha andado de
avião nem conhecia o Rio consegui.

No livro conto toda a minha conversa com ele e com
os maiores intelectuais do Rio naqueles 4 dias de
reportagem.

Queria muito vocês comigo nessa hora feliz da minha
vida. Apareçam lá!

Aqui o convite.
sábado, 26 de SETEMBRO, das 15 às 19 horas.

Aqui o link com o convite https://www.facebook.com/nanete.neves.3

2 de março, a partir de 19 hs, Bar Balcão, Sp. Anotou? Encontro com Solange Padilha, uma mulher fantástica e poemas de uma vida intensa

Convite Solange (1)

 

” Los poemas de Solange Padilla contienen desvíos inesperados.

Incitan a volver sobre la letra armando nuevos sentidos, bifurcaciones, suspensos. 

Se asemejan al fluir de una memoria legendaria que atesora esquirlas de lo vivido. 

Hay en ellos precisión, anhelo, palabras conceptuales escogidas al ritmo

de una melodía de salvaje ternura.

 “Que quieras dejarme de querer /

 no es culpa tuya / 

ni mía / 

escapa al dicernimiento / 

escapa porque es grande.”

 Escrita labial seduce por su compleja armonía hecha de inspiración y cautela

en un estilo cuasi onírico.

 “Pensando el cambio de paradigma /

 un nombre de clara textura /

 sin sobrenombre / 

sin erudición /

 así / 

destraba(n)do la lengua.

 

  • Felicitaciones querida Solange!”

Liliana Heer

ESCRITA LABIAL PROSA E VERSO O GLOBO DE 27 DE DEZEMBRO DE 2014

O Oitavo Selo, de Heloisa Seixas, um livro extraordinário lançado hoje em SP. Livraria Cultura. Ruy Castro está dentro, do livro, e da vida da autora, sua esposa, que conta das suas sete vidas numa narrativa envolvente e literária

image (1)
EU, RUY CASTRO E O CARLINHOS BRICKMANN
image (6)
HELOISA SEIXAS ABRAÇA UMA AMIGA: AUTORA DO OITAVO SELO – QUASE UM ROMANCE, A SUPER TALENTOSA E ESPOSA DO RUY CASTRO. CONHECÊ-LA VALEU A PENA
image (3)
DA ESQ PAR AA DIREITA, KRIGOR, CARLOS BRICKMANN, A ESPOSA DO KRIGOR E UM AMIGO. KRIGOR, PARA QUEM NÃO SABE, FOI, ALÉM DE DONO DA DUCAL, E ACHO QUE CONTINUA SENDO, O MEHOR AMIGO E MENTOR DE NADA MAIS NADA MENOS JOÃO GILBERTO. QUANDO FIZ – SIM – FUI UMA BOA PRODUTORA CULTURAL – OS SHOWS DE JOÃO EM SP, FICAMOS AMIGOS ( EU E JOÃO). UM DOS ORGULHINHOS QUE LEVO NESSA VIDICA. UM DIA CONTO MAIS DESSE PERÍODO. OS SHOWS FORAM PREMIO APCA DAQUELE ANO, 85
image
EU E O IVSON, FOTOGRAFO DAS ANTIGAS , QUE ACOMPANHAVA O EVENTO

image (5)

50 anos do golpe. Saiba mais, por quem viveu de frente o momento. Almino Affonso lança “1964”, nesta segunda, 31, em São Paulo

Foto: Meu querido amigo Almino Affonso, lança na proxima segunda (31), sua grande obra literária, "1964".
Será na Cultura do Conjunto Nacional, Av. Paulista,  às 18 hs.  Prefácio é do Fernando Morais.  
Noite de feras!

 

Quem me conhece melhor, a mim e à minha trajetória, sabe que trabalhei – com muito orgulho – durante quase quatro anos, como assessora de imprensa do então vice-governador do Estado de São Paulo, Almino Affonso (Governo Quércia). Fui, vejam só, porque ele assumiu o governo no período  algumas vezes , a primeira mulher no cargo de imprensa no Palácio dos Bandeirantes, nas priscas eras do período de 1986 – 1990. Poucas vezes, mas fui. Se eu achar umas fotos depois publico.

Devo a ele, Almino Affonso,  o muito o que sei a respeito desses dias horríveis vividos há 50 anos por gente como ele, João Goulart, Leonel Brizola e outros, os primeiros exilados do regime. Adorava ouvi-lo contar – e ele conta tudo com memória extraordinária e brilho incomum, o que me fazia se pudesse ficar horas a ouvi-lo, esse que é ainda para mim tido como um dos maiores oradores do país.

Imbatível.

Assim, esse livro se transformará em peça fundamental para quem quer entender o que ocorreu no período. Mas para quem quiser entender mesmo, sem linguajar chulo, nem pedido de volta de militares, que isso não tem cabimento. Apenas ignorância.

O que eu penso a respeito desses 50 anos, escrevi semana passada. Em primeira pessoa, e com  a memória de uma criança de 6 anos. Leia AQUI.

Ouvi tudo quanto é impropério, e inclusive até de leitores queridos, mas que estão tão putos com o que estão vendo agora – com razão, está um horror –  que ficaram cegos e pedem a volta de militares, de um tipo de golpe de Estado.

Mas eles estão errados, pensando com o fígado. Por isso não respondi a ninguém. E olha que fui chamada de petralha, vendida, comuna, jornalistazinha…só para citar alguns adjetivos que me deram esses últimos dias, principalmente quando e enquanto  acreditaram que iam conseguir fazer aquela marcha ridícula com sucesso. Mas o bom senso ainda prevalece, gracias!

Também recebi – a maior parte – elogios e menções que muito me honram, de pessoas que admiro sobremaneira, de todas as áreas do conhecimento.

Essa semana escreverei sobre esse horrível sentimento nacional que está embotando as mentes, a fúria.

Enfim, aguardo vocês e todos os amigos lá no Almino.

Gente, olha que trabalho interessante.Me fez lembrar Carnavais do Brasil ( que eu fiz o texto)…

 

SOBRE CARNAVAIS DO BRASIL, VOCÊ ENCONTRA AQUI E AQUI

A fé que move o Brasil:

 devoção regional é documentada em livro

 

Inés Zaragoza, famosa pelos seus relicários, percorreu 30 cidades do País para reunir imagens e histórias inéditas das principais festividades religiosas e da paixão popular pelos santos. O documentário está em Festa de Santo, obra lançada na próxima semana, em São Paulo  

 A artista plástica Inés Zaragoza lançará, na próxima segunda-feira, dia 19/12, o livro Festa de Santo, na Livraria da Vila da Al. Lorena, Jardim Paulista, em São Paulo. Após dois anos de muita pesquisa, Inés, apaixonada pelas manifestações culturais brasileiras, seguiu viagem acompanhada do jornalista Marcelo Macca e dos fotógrafos André Andrade e José Bassit, rumo a mais de 20 cidades brasileiras para conhecer, sentir e vivenciar o louvor dos devotos dos santos padroeiros.

 Festa de Santo é um livro de arte que retrata a cultura popular de vilas e cidades com ricas referências religiosas e folclóricas. A obra se propõe a ser um documentário de 260 páginas com apuração jornalística e mais de 195 fotos coloridas que registram as diferentes manifestações da fé brasileira. 

 O livro é dividido em 20 capítulos, sendo o primeiro somente com imagens de altares. Cada capítulo seguinte é dedicado a um santo. Além dos relicários criados pela própria Inés, famosa pela sua arte minuciosa e delicada, cada santo é retratado com sua história, depoimentos de fiéis, rezas e muitas imagens.

 As fotos de Festa de Santo são dignas de contemplação. Elas evidenciam as diferentes estéticas encontradas nos quatro cantos do País. É possível apreciar a mistura afro-brasileira na festa do povo de Macapá/AP para São José, o padroeiro da cidade. O santo é tão popular na região que dá nome até a terreiro de candomblé. Em Minas Gerais, por exemplo, a arte barroca de influência portuguesa, está na escultura de Santa Luzia, cuja imagem foi a fonte de inspiração para Inés iniciar seu trabalho com os relicários, há quase 20 anos.  

 “Para mim, Festa de Santo consolida anos de dedicação. A criação dos relicários me ensinou muito sobre os santos. Mas com o livro, pude ver de perto a devoção do brasileiro, entender como os santos são cultuados e como conseguem mover a fé de cidades inteiras”, esclarece a autora, ao afirmar que a obra é a primeira a reunir cultura, folclore e religiosidade brasileiros em um único volume. 

O livro passa pelas festividades de São Jorge, na cidade de Santa Brígida/BA, pela celebração à Iemanja, orixá mais popular do Brasil, além das famosas festas de São Luís/MA, cidade devota a São João e São Pedro.

 Sobre a autora

 Filha de mãe francesa e pai espanhol, a brasileira Inés Zaragoza retrata o folclore e a religiosidade de seu país com uma obra de releitura de antigos santuários e oratórios, os relicários. Tudo começou quando a artista plástica ganhou uma imagem antiga de Santa Luzia. A obra serviu de inspiração para o inicio de uma carreira baseada em criatividade, talento e muita inspiração.

 Feitos a partir de pequenas caixas de madeira com tampa de vidro, os relicários de Inés trazem a imagem de um santo católico, um orixá ou mesmo de um Buda e são decorados manualmente, um a um, com objetos que vão desde sofisticadas lantejoulas a fibras naturais, misturados com sucata, tecidos, reproduções de flores e miudezas que coleciona em suas andanças.

 Ficha técnica

 Festa de Santo

Autora e curadora: Inés Zaragoza

Fotografia: André Andrade, José Bassit e Rogério Assis

Editora: DBA

Preço sugerido: R$ 130,00