ARTIGO – O país que andou na linha, o trem… Por Marli Gonçalves

Siga a faixa que foi posta no presidente que fez uma grande maioria de brasileiros pensar que era fácil, que era só chegar, mandar, fazer e acontecer. A gente que conhece política sabe como as coisas acontecem, ou não, os altos e baixos. Mas em menos de quinze dias as trapalhadas e vaivéns estão corroendo as expectativas até dos mais otimistas. Caia na estrada e perigas ver.

Ainda tem muito chão para esse trem lotado chegar a algum destino. A viagem vai ser longa. Mas que esqueceram de fazer uma revisão básica nos trilhos, no caminho e nos passageiros antes de botá-lo pra rodar, esqueceram. Vagões arriados com o peso de cargas extras, o GPS só pode estar desligado, e o motorneiro é muito inexperiente na prática da direção. A guerra da comunicação está sendo perdida sem que eles se toquem. Continuam apenas atacando, incentivando que a população não os escute, os mensageiros – os poucos que restam porque também houve uma nítida guinada de vários deles.

Não teve dia sim, outro não. Todos os dias uma trapalhada, um disse-não-disse, apaga, volta, recua. Até alguns ferrenhos defensores mais lépidos começam a querer pular, rolando, do trem em lento movimento, já temendo que descarrile logo mais à frente.

Não é questão de ser contra ou a favor. Não se torce contra o veículo que nos transporta, mas há de sempre nos atermos às direções perigosas. Nem os otimistas renitentes estão dormindo tranquilos com seus botões, por mais que continuem publicamente teimando, negando os fatos que se sucedem, culpando a imprensa por mostrá-los, xingando as nossas mães. Ah, e claro, pegando muito pesado, maus, nos xingando de petistas!

Hoje ser chamado de petista, daquele partido que está por aí perdido e destroçado batendo cabeça em postes que plantou, realmente ofende gravemente, nos faz voltar ao século passado quando ainda lhes restava pelo menos alguma dignidade, ideologia e capacidade de divergir. A oposição está nas dormentes, deitadinha, largada, esperando ser atropelada e destroçada de vez.

Em dias se percebe que há vários Governos dentro de um mesmo. Tem o vagão da Economia, que tenta se desgarrar, mas carrega até gente do passado, do guardanapo de pano, do sapato de sola vermelha, como Joaquim Levy.

Tem o vagão Justiça e Segurança Nacional de Sergio Moro. Mas até agora não o vimos passando nem perto das praias do Rio, muito menos do Ceará onde as organizações criminosas estão tocando o terror, fogo e bombas em pontes e viadutos. Comandados de dentro das prisões – lá de onde não falta luz, internet, nem correio elegante com ordens dos chefes.

Tem as tranqueiras. Que ou continuam falando bobagens ou falaram bobagens no passado que agora estão sendo desencavadas com gosto, possivelmente até por vingança dos que não foram embarcados. Desse vagão já estão sendo atirados os primeiros seres, baixas em tempo recorde. Teve até o da Apex que, demitido, se agarrou na porta berrando que não sairia, e foi chutado.

Por sua vez, perdi a conta das solenidades militares do céu, terra e mar que contaram com a presença do presidente, que parece desta forma demonstrar alguma força e imposição.

A Maria Fumaça partiu. Vai ter uma parada maior dia 1º de fevereiro com a posse do novo Congresso Nacional, eleição das mesas diretoras, e quando a realidade da política vai dar tchauzinho da janela, tentando aproveitar a passagem para embarcar seus parentes, amigos, vontades e privilégios em troca do seu amor. Fidelidade, não, que aí para eles já é demais, inclusive por ganharem com sorriso amarelo a companhia dos Filhos do Capitão, do ator pornô, entre outros parasitas, como os papagaios e papagaias de pirata, de onde nada se espera e de lá nada de bom virá.

Torcendo só para que o trem não apite na curva, conforme aquele velho provérbio.

trem fantasma

____________________________________

Marli Gonçalves, jornalista – O que não falta é notícia.

marligo@uol.com.br / marli@brickmann.com.br

Brasil, 2019!

ME ENCONTRE (se republicar, por favor, mantenha esses links):
https://www.youtube.com/c/MarliGon%C3%A7alvesjornalista
(marligoncalvesjornalista – o ç deixa o link assim)
https://www.facebook.com/BlogMarliGoncalves/
https://www.instagram.com/marligo/
www.chumbogordo.com.br
https://marligo.wordpress.com
Anúncios

#ADEHOJE, #ADODIA – BOMBAS: MADURO, MURO, CHUVAS E TROVOADAS

chove gatos

#ADEHOJE, #ADODIA – BOMBAS: MADURO, MURO, CHUVAS E TROVOADAS

SÓ UM MINUTO – Maduro toma posse na Venezuela para mais um mandato que não é aceito pelas organizações internacionais. Situação esquenta. Maduro chama o presidente Jair Bolsonaro de fascista. Paraguai rompe relações com a Venezuela. Argentina e outros países do continente se unem. Enquanto isso Geisi Hoffmann passeia por lá em nome do PT, que perdeu a noção de vez. Nos EUA a situação vai ficando insustentável com a birra de Trump que quer porque quer construir um muro na fronteira com o México. Tudo parado. Aqui no Ceará, as organizações criminosas mandam ordens de dentro das prisões e tentam derrubar pontes e viadutos com bombas. Hoje foram achadas oito. Milhares de raios e chuvas fortes paralisam várias cidades com beleza e horror. El Niño em ação. E AGORA DE MANHÃ MUDOU O COMANDO DO EXÉRCITO! Passou para Edson Pujol.

#ADEHOJE, #ADODIA – NOTÍCIAS DAQUI DA TERRA

#ADEHOJE, #ADODIA – NOTÍCIAS DAQUI DA TERRA

O ônibus aumentou para R$ 4,30 aqui em São Paulo. PT e o Psol resolveram boicotar a posse de Bolsonaro, como se isso servisse para alguma coisa, a não ser demonstrar que não sabem perder e não sabem se organizar como uma oposição de fato, sem bobeiras, séria. Sergio Moro já defende que em 100 dia seja divulgada um a medida oficial pra flexibilizar o porte de armas. João De Deus denunciado por crime sexual. Israel e Brasil engatam namoro rumoroso. No caso da morte do menino no Metrô em São Paulo, acredite, ninguém lembrou de acionar a alavanca de emergência para parar os vagões. Prefeito Rafael Greca, de Curitiba, passa por cirurgia de emergência no intestino; informações são de que tudo correu bem. 280 milhões vão sair na Mega da Virada para quem tiver um voltado para a Lua

 

 

#ADODIA, #ADEHOJE. É GUERRA? BOLSONARO SAIU NA FRENTE, ATIRANDO

No #ADEHOJE, a conversa é sobre o que está parecendo uma guerra muito particular. Bolsonaro X PT. Que não saiam fagulhas que nos atinjam. Não temos nada com isso. Bolsonaro atirou primeiro e acertou na mosca

ARTIGO – MULHERES DO BRASIL: OS DOIS X DESSA QUESTÃO! Por Marli Gonçalves

Igualdade. Em tempos que se dizem modernos, fico abismada em ver como a mulher ainda aparece só sempre mais como um reboque, acessório, ser inferior que sempre precisa de tutela, leis que obrigam, dizem, a resolver seus problemas e que acabam sendo usadas para nos manter por baixo. E mulher deveria estar sempre por cima, em todas as ocasiões.

O mundo gira cada vez mais rápido é uma impressão. Mas os costumes parecem que usam ponteiros ao contrário. Para obrigar que se respeite a mulher forçam a barra com ordens vindas de cima para baixo e que até as formiguinhas do Himalaia sabem que não funcionam. Como a tal cota obrigatória de mulheres candidatas. 30% de obrigatoriedade. Vocês estão vendo no que está resultando?

Um bando de mulheres que não têm a menor ideia do que fazem, dizem, propõem. Gente que nunca vimos, no horário eleitoral falando e propondo obviedades, isso quando as deixam aparecer como relâmpagos no meio da tempestade que vivemos nestas eleições. Um número absurdo de “vices”: 67 candidatas a vice-governadoras, cinco candidatas a vice-presidente, 83 à primeira suplência e 108 à segunda suplência para o Senado. Pior é que estão lá para cumprir o tal Fundo Partidário – e que até esses últimos momentos poucas receberam, ainda por cima. De malandragens estamos cheias.

No entanto será o voto feminino que poderá decidir; somos 52,5% do eleitorado. O mais louco é que agora, a poucos dias da eleição, mais da metade das mulheres ainda se declara indecisa, e um outro bom punhado votará em branco ou nulo. “As mulheres são mais exigentes”, dizem as estudiosas da questão. Muito bem. Me sinto assim também.

Junte-se a todas as mulheres do mundo!Mulheres são ligadas na realidade, no dia a dia e em questões específicas como o aborto, a disparidade salarial e a violência doméstica principalmente quando se trata de escolher os representantes do Legislativo. Infraestrutura, segurança, creches, educação, saúde – quem está propondo mexer nesse vespeiro, de verdade?

Não é por menos que nos últimos dias a movimentação feminina, muito real, e que acompanho – seja a grande novidade, e que se firmará ainda mais de acordo com a movimentação prevista para as ruas na reta final dessa eleição já de antemão de terrível e triste memória.

Para as mulheres esse momento nacional poderá ser historicamente importante, não só por seu visível poder de decisão, como para a compreensão de que devem tomar a frente de suas vidas, porque esse é o caminho da não-submissão. Foi preciso que um indigesto e seus agregados aparecessem falando asneiras de manhã, de tarde e à noite. Pode até acontecer que o indigesto se fixe, mas não restam dúvidas de que enfrentará problemas se não mudar.

Se não entender, ele, na verdade, e todos, não entenderem que os nossos dois cromossomos X nos tornam diferentes em muitos aspectos dessa questão.

Finalmente repara só que as mulheres aparecem como coadjuvantes até quando são companheiras deles, os tais candidatos. Quando aparecem. Dão tchauzinho, um sorriso, e olhe lá!

turma de mulheres

turma de mulheres

Até a jovem Manuela D`Ávila, não me conformo, que teria tido uma campanha inteira para se firmar e ao movimento feminino aceitou fazer parte desse espetáculo circense petista que nos apresenta, por outro lado, um boneco ventríloquo de um líder e de um grupo que não sabe pedir desculpas, como oposição.

A coisa está malparada de todos os lados para os quais buscamos horizontes. Vamos para o alto da montanha, já que a montanha não vem até nós.

____________________________

Marli Gonçalves, jornalista – Que tal preparar um manifesto especial? Política, para mulheres. #ElesNao

Brasil, 2018, beira do abismo

ARTIGO – Não tem nem mas, nem meio mas. Por Marli Gonçalves

Porém, no entanto, todavia, contudo, não obstante. Horas que as letrinhas adversativas chegam apenas para mascarar. Essa mania nacional de pensar claudicante e de pouca firmeza em opiniões pode nos levar a um buraco muito mais fundo do que aquele em que já estamos. Eu não sou isso, aquilo, mas… não cabe nesse momento. Ou é ou não é. Ao menos assumam. Respeitem nossa inteligência. Nada de votos envergonhados

Já começou a temporada do “Eu não sou…, mas” – e lá vem defesa do indefensável. Tenho reparado que essa praga volta com força máxima e logo agora que tanto precisamos de opiniões e atitudes certeiras, decididas. É igual a usar excessivos gerúndios, que estou convencida que é um vício que “pegou” porque é apenas uma forma, um jeitinho, de ir levando, ir fazendo, ir ganhando tempo, de não fazer é nada, como combina com o caráter nacional. Acabemos com isso, enquanto é tempo. Não é hora para covardes vindos de nenhumas das várias pontas da questão Brasil.

Direto ao ponto, para ser mais clara. Um candidato à eleição presidencial vem se fazendo apenas (até porque não tem outras qualidades) em cima de polêmicas absurdas, despreparo, atraso, manipulação de informações e do desespero de brasileiros em várias áreas, em especial a violência. Ele não é novo, não é exótico; é apenas uma besta. Estou falando, claro, de Jair Bolsonaro, que, pior ainda, tem filhotinhos bolsonarinhos. Pronto, já deixo claro aqui o que eu acho desse nome: traz as trevas, não tem a menor condição, é mais uma palhaçada que se criou nesse ambiente doente e árido em que vivemos. Eu acho isso. Respeito, embora não há argumentos que possam justificá-lo,  quem admite de forma desenvolta que ficará com ele.

Mas já irrita profundamente, e as tenho encontrado com alguma insistência, especialmente nas redes sociais, pessoas que escancaram um “Eu não sou Bolsonaro, mas…” seguido de uma série de argumentos favoráveis a essa angustiante opção. Esse tipo de sentimento gerou Malufs, Cabrais entre outros insolentes que acabaram no poder. E acabaram com o país e com o nosso crédito na política.

Do outro lado: “eu não sou petista, mas…” tem impressionado muito, porque precisa ter capacidade, ou um bom pagamento de soldos, para vir a público defender, não só o Lula, mas toda a corja que se formou dentro do partido que era a esperança, e virou um verdadeiro e escancarado lixo, para dizer o mínimo. Gosta dele, Lula, quer vê-lo fora da cadeia? Ok. Bárbaro. Hashtag para você também. Mas por favor, pare aí. Não venha com lamúrias, ousar dizer que não houve julgamento, sendo que passou por todas as camadas, esferas e estratosferas. Fora que esse processo que corre mais lépido é apenas um entre outros muito mais cabeludos. Muito mais.

Entendo e admito que no meio de mais de uma dezena de opções absolutamente atemorizantes se definindo como candidatos, nossa cabeça esteja mais para biruta de aeroporto. Mas há de haver detalhes inegociáveis. O respeito aos direitos individuais, à liberdade de expressão, aos mecanismos democráticos de controle, ao Estado Laico.

Dentro disso tudo, repito, não tem nem mas, nem meio mas…Não pode ter.

Não sou racista, mas… Respeito as mulheres, mas… Não tenho nada contra gays, mas… É muito covarde e gera atos tão covardes quanto. Não acredito em bruxas, mas…

Podemos usar o tal mas em outras formas, nas quais denota defeito. Por exemplo: Lula é um líder, mas deixou rastros e provas de ter se beneficiado pessoalmente; Bolsonaro surgiu, mas sua incapacidade intelectual e gênio o tornam inábil e perigoso.  Eles, entre outros nomes que se apresentam nas esferas estaduais e federais, são a personificação do mas, em sua terceira opção, a da dificuldade, porque são a própria negação, o embaraço, o obstáculo, o inconveniente, a objeção. Mas é adversidade, e não aguentamos mais tantas delas.

Apelo: “mas” enquanto conjunção sempre ligará duas orações. Aproveito: que assim seja, Deus nos livre deles! – mas se eles insistirem será preciso combatê-los. Com firmeza.

____________________________________

Marli Gonçalves, jornalista. Um detalhe importante para aprender. Mas não é mais, que sempre aparece como outro erro de linguagem. Uma é uma coisa; mas a outra, outra coisa.

Brasil, mas pode chamar de ameaçado, 2018

marligo@uol.com.br/ marli@brickmann.com.br

__________________________________